Home Economia e Política Vendas no varejo do Brasil têm estabilidade em março, diz IBGE

Vendas no varejo do Brasil têm estabilidade em março, diz IBGE

A expectativa em pesquisa da Reuters era de baixa de 0,10% na comparação mensal e de avanço de 5,05% sobre um ano antes

por Reuters
0 comentário

O setor de varejo no Brasil encerrou o primeiro trimestre com estabilidade das vendas em março em relação ao mês anterior, em resultado que contrariou as expectativas de leve retração depois de dois meses de altas.

O dado informado nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foi melhor do que a expectativa em pesquisa da Reuters de queda de 0,1% no mês, e mantém o setor no maior patamar da série histórica.

Após avanços de 2,7% em janeiro e 1,0% em fevereiro na comparação mensal, o primeiro trimestre apresentou aumento de 2,5% das vendas em relação aos três meses anteriores, ganhando ritmo frente à queda de 0,2% no quarto trimestre de 2023.

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, houve aumento de 5,7%, contra projeção de alta 5,05% nessa base de comparação..

“Em janeiro e fevereiro houve maior compra de bens de valor agregado por conta da melhora do ambiente econômico. (A estabilidade em março) é uma manutenção do consumo e não mostra uma mudança de rumo ou trajetória. Foi uma acomodação em um trimestre bastante positivo”, explicou o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

De forma geral, o varejo tende a apresentar resultado positivo neste ano, favorecido por um mercado de trabalho aquecido, aumento da massa salarial, inflação controlada e redução dos juros, o que beneficia principalmente atividades ligadas ao crédito.

“A tendência é que esse ano o consumo das famílias fique mais diversificado entre os diferentes segmentos que compõem o varejo, em especial aqueles mais dependentes do crédito”, disse Rafael Perez, economista da Suno Research.

Câmbio

Em março, entre as oito atividades pesquisadas, sete apresentaram resultado negativo. A maior queda foi em Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação, de 8,7%, em resultado influenciado pela valorização do dólar.

“É algo muito influente nesse setor por conta das importações. Sempre que o dólar sobe em relação ao real, naturalmente há um aumento de preços que acaba afugentando a demanda neste grupo”, disse Santos.

A segunda maior queda no mês foi registrado pelo setor de Móveis e eletrodomésticos, cujas vendas recuaram 2,4%. Já as vendas de Hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo apresentaram recuo de 0,3%.

“O setor de super e hipermercados, mais importante da pesquisa, tem operado perto da estabilidade este ano. A melhora macro, como renda, emprego e crédito acabam direcionando o consumo para bens de maior valor“, disse Santos.

A única atividade a apresentar aumento das vendas foi Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria, de 1,4%. De acordo com o IBGE, essa foi a terceira atividade com mais peso na pesquisa de março, e seu crescimento explica a estabilidade no resultado geral.

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças; material de construção e atacado de produtos alimentícios, bebidas e fumo, o volume de vendas recuou 0,3% em março sobre fevereiro.

As vendas de veículos caíram 1,4%, enquanto as de materiais de construção recuaram 0,4%.

Santos enfatizou ainda que o impacto econômico das inundações no Rio Grande do Sul provocadas pelas fortes chuvas deve aparecer mais à frente e que o IBGE faz a coleta dos dados de forma eletrônica.

“O impacto econômico efetivamente vai acontecer, Porto Alegre tem um peso grande e uma pujança, e isso deve aparecer”, disse ele, explicando que no começo de cada mês o fluxo de coleta é baixo e que até agora em maio só receberam de 5% a 10%.

“A metodologia prevê que, se houver uma perda de cobertura e informações, a gente pode coletar depois, corrigir e atualizar”, completou.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.