Quando se trata de uso do dinheiro, quantas vezes você já não se pegou em dúvidas sobre viver mais intensamente o presente ou guardar mais para o futuro? Se você for como a maioria, provavelmente terão sido muitas.

É natural que a gente pare para refletir se está fazendo certo, se está conseguindo guardar o suficiente, se não está deixando de fazer tanta coisa pensando só lá na frente ou, ao contrário, se está fazendo coisas demais agora e esquecendo completamente do futuro financeiro. Complicado né?

Nessa hora acabamos até sonhando: “Que bom seria ganhar na loteria e não ter que se preocupar com nada disso”. Mas calma lá, será que não dá para achar um equilíbrio dentro daquilo que é possível?

A eterna busca pelo equilíbrio

Pensei em alguns pontos que merecem ser considerados para que possamos viver o hoje sem culpa e nos organizar melhor para o amanhã.

Naturalmente que não tenho todas as respostas, porque elas variam de acordo com a história de cada um de nós. De qualquer modo, uma boa reflexão e certa dose de planejamento sempre nos ajudam a seguir adiante de maneira mais bem pensada e diminuir os riscos de simplesmente seguir a manada, concorda?

Fique à vontade para fazer suas observações também e mãos à obra!

1 – Sim, precisaremos de mais dinheiro no futuro

O primeiro ponto é este: a gente deve considerar que lá adiante precisará estar pelo menos com as contas em ordem para poder continuar sendo independente e ter uma vida tranquila. É essencial, portanto, estar com as finanças organizadas desde agora, sem dívidas, e preferencialmente com um pé de meia e uma renda passiva que nos ajude a chegar lá da melhor maneira.

Sabendo disso, é fundamental a partir de agora que você se dedique à educação financeira e ponha alguns pontos em prática. Se você não começou a guardar um pouco, comece. Se não contribui para uma previdência (pública ou privada), dê um primeiro passo. Avalie também fazer um seguro de vida. Nunca é tarde para começar, mas quanto antes, menos difícil fica. O tempo sempre ajuda. Portanto, comece já.

Leia também: Planejamento financeiro: a decisão sempre em suas mãos

2 – Viva o hoje também

Pois bem, é claro que o futuro é importante e deve nos nortear. Mas também é preciso viver o presente, ou seja, usar o dinheiro para realizar coisas que nos façam bem e continuem nos motivando. Caso contrário, corremos o risco de ver todas as oportunidades passarem e nos arrependermos por não termos vivido.

A vida se torna muito dura e certamente não estamos aqui somente para isso. Portanto, considere que você pode sim, sem culpa, separar um  percentual da receita que entra para aproveitar a vida hoje também. Vou falar mais sobre isso nos próximos pontos.

3 – Gaste menos do que ganha

Não existe mistério. Um dos grandes segredos de uma boa organização financeira em qualquer fase da vida é gastar menos do que ganha, ou seja, ter um padrão de vida real e não fictício.

Já conheci pessoas que se endividavam para ter um padrão de vida muito maior do que aquele que poderiam bancar, e naturalmente os resultados financeiros eram desastrosos. Seguindo essa máxima, você certamente terá mais tranquilidade para a vida toda.

Gaste menos, avalie melhor os gastos, procure não fazer dívidas desnecessárias nem comprar tudo parcelado, ao menos não se não tiver um bom planejamento. Desta forma as finanças ficarão mais simples e seu bolso agradecerá.

Baixe gratuitamente: A planilha financeira da equipe Dinheirama

4 – Separe sua receita em percentuais para uso

Vamos falar então sobre o uso da receita. Para garantirmos o equilíbrio, é interessante dividir percentualmente o que entra hoje.

Lembre-se que o que você ganha deve servir para os gastos necessários atuais (casa, alimentação, transporte, educação, e etc) e provavelmente são eles que consumirão a sua maior parte; sonhos a serem realizados em curto, médio ou longo prazo (separe um por vez, de acordo com as possibilidades); aposentadoria (sim, um percentual deve ser dedicado a esta outra reserva de longo prazo); reserva de emergência (que pode te salvar em caso de necessidade) e atividades a serem realizadas hoje que te trarão maior satisfação no dia a dia. Parece coisa demais não é mesmo? Mas procure separar percentualmente, ainda que seja um percentual pequeno para cada coisa. O importante é iniciar e aos poucos ir desenvolvendo o hábito!

5 – É preciso pagar antes a sua reserva financeira

A reserva para emergências deve ser considerada uma das coisas mais importantes.

Se a sua acabou ou se você ainda nem começou a juntar, agora é o momento. O ideal é pagar a sua reserva assim que o dinheiro entra na conta.

Não espere sobrar. Separe um percentual de sua receita que será dedicado para isso, coloque na planilha e “se pague” antes.

É ela (a reserva de emergências) que poderá te livrar de empréstimos pesados em caso de emergência.

Leia também: Planejamento financeiro para ser feliz (muitos fazem o contrário)

6 – Descubra novas formas de aumentar a receita e economizar

Talvez a sua receita atual não possibilite que você consiga guardar dinheiro, talvez ela mal dê para as suas despesas atuais. Se este for o caso, é preciso pensar em alguma maneira de mudar o atual cenário.

Hoje em dia a internet oferece milhões de possibilidades para quem quer ganhar um extra. Entre nos grupos e ofereça o que sabe fazer de melhor: desde um bolo, até aulas de idiomas ou serviços de pet sitter, entre tantas outras oportunidades.

Também dá para vender aquilo que não usa, aproveitar os sites de trocas para não ter que gastar com algo que precisa, usar mais os cupons de desconto do tipo Groupon, e etc. Algo precisa ser feito, comece!

7 – Faça planos futuros e vá se organizando para realizá-los

Uma vida sem planos futuros se torna muito chata, muito dura. É preciso sonhar, ainda que sejam sonhos mirabolantes. E se organize desde o presente para realizá-los, ainda que leve um tempinho.

Considere também que os planos variam de pessoa para pessoa. Não se compare com ninguém e não planeje expectativas com base naquilo que os outros esperam. Fazendo isso certamente você só se frustará.

É fundamental correr atrás dos sonhos, mas devem ser sonhos que você queira sonhar, e não os outros, combinado?

Leia também: 5 sinais de que o seu planejamento financeiro não funciona

8 – Recomece, sem culpas, se necessário

Finalmente, lembre-se que a vida não é uma linha reta, mas uma estrada cheia de curvas sinuosas no meio do caminho. Desta forma, se algo não sair exatamente como você gostaria, recomece.

Reúna as forças, reorganize-se e inicie no presente um novo caminho para o futuro que virá. Pode ser que até pouco tempo atrás você estivesse com tudo organizadinho, mas teve de recomeçar.  Isso é normal, acontece e nos torna mais preparados para seguir em frente. Portanto, deixe culpas e arrependimentos para trás e simplesmente caminhe. Pense em todos estes pontos, arregace as mangas e nos encontramos lá na frente!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários