O que você nasceu para fazer? O que você faz como ninguém? Responder essas perguntas nem sempre é uma tarefa simples, principalmente sabendo que é através disso que você dará (ou poderá dar) um rumo para sua vida.

É comum ter clientes que se sentem “perdidos” e não realizados profissionalmente.

Também é comum encontrar pessoas realizadas profissionalmente, mas que dizem faltar algo.

Em muitos casos, eles relacionam essas sensações com uma falta de definição do que seria a sua “verdadeira vocação” ou seu propósito de vida.

E os mais jovens… Muitos sofrem para escolher uma profissão, já definida num catálogo, com uma infinidade de opções, mas ao olharem para si, veem também uma infinidade de talentos e gostos (ou não!), o que torna essa escolha uma tarefa árdua.

E, ainda, há aqueles que precisam trabalhar para ganhar a vida. Não têm tempo de descobrir o que querem e precisam encarar o que está disponível por aí.

Leitura recomendada: Ame o que você faz e não trabalhe um dia sequer. Será?

Tema bastante amplo, mas vamos fazer algumas reflexões.

Gosto muito de uma frase atribuída a Aristóteles: “Onde se cruzam os nossos talentos e as necessidades do mundo, aí está nossa vocação”.

Busco também uma reflexão com Arthur Schopenhauer: “Do mesmo modo como o peixe se sente bem apenas na água, o pássaro apenas no ar, a toupeira apenas embaixo da terra, todo homem se sente bem apenas na atmosfera que lhe é apropriada; pois o ar da corte, por exemplo, não é respirável para todos. O homem deve também saber o que quer e saber o que pode”.

Você pode acreditar em carma, em vidas passadas, em destino, em qualquer coisa da metafísica, mas isso pode apenas te explicar um conceito que ajuda a “fechar a conta” na sua cabeça sobre o inexplicável que faz você ser quem você é. Só que isso pode não satisfazer uma pergunta essencialmente sua, que sua cabeça “martela” o tempo todo e que ainda anseia por uma resposta direcionada, única e exclusivamente a você, com seu RG e CPF.

O fato é que sempre vejo pessoas buscando um propósito – claro que nem todas, pois nem todos param para refletir sobre sua própria existência. Alguns apenas fazem, cumprem as tarefas do dia a dia, fazem o que todos fazem e seguem assim por anos a fio, sem nunca se questionar. Ser ou não ser nunca será para esses uma questão.

Porém, o que observo, e o que acontece também comigo, é que é necessário encontrar um porquê, e esse porquê pode ser respondido por sua vocação.

Vocação é um termo derivado de “vocare” ou “vocatio”, que significa “chamar” ou “chamado”. Por causa disso, muitos acreditam que esse “chamado” é algo que deve ser esperado e que vai surgir de repente, como uma luz.

No entanto, é preciso ter um papel ativo na definição de nossas vocações. E é somente conhecendo bem a si mesmo e sabendo informações sobre diversos assuntos, que você conseguirá descobri-las.

Quando a gente se conhece, sabe o que faz sentido para nós mesmos e temos consciência de nossas potencialidades. Fica mais fácil escolher. Consciência de nossas potencialidades e escolhas: eu poderia falar sobre isso por horas…

Uma grande questão enfrentada por muitos é o dinheiro: escolher o que “dá dinheiro” ou o que eu gosto e tenho prazer em fazer? É possível conciliar as duas coisas? Sim e não. Poderá ser necessário fazer escolhas, e a escolha é um talento que deve ser desenvolvido, que requer autoconhecimento e objetivos claros.

Leitura recomendada: Propósito e legado: o que te faz seguir em frente?

Autoconhecimento, porque nos leva à consciência das nossas potencialidades; escolhas que nos levam à realização dos nossos objetivos, nos dão completude; será este o chamado?

Veja abaixo algumas dicas que podem ajudar nesse processo:

1. Exercite o autoconhecimento

Para descobrir uma carreira capaz de trazer satisfação, é preciso saber muito claramente tudo que você gosta. Com base nisso, descubra suas paixões, coisas que te incentivam e dão prazer.

2. Leia sobre assuntos do seu interesse

Como sua vocação muito possivelmente tem relação com os assuntos que você gosta, a leitura sobre eles pode facilitar na hora da escolha. Mantenha-se sempre informado.

3. Converse com amigos e familiares

Peça a pessoas que convivem com você e o conhecem bem para falar sobre suas melhores características. Muitas vezes, a gente nem percebe nossas qualidades. A partir daí é possível encontrar profissões que se relacionam com os traços da nossa personalidade.

4. Viaje e conheça novas culturas

Viajar é uma ótima forma de abrir a sua mente para um mundo de opções. Caso tenha possibilidade de ir ao exterior, aproveite-a! O contato com novas culturas e uma experiência internacional podem fazer com que sua visão da realidade mude, além de estimular o próprio conhecimento.

Não se limite a Miami, Disney e NY, vá ao oriente, dê uma chance para que o vasto conhecimento do outro lado do Greenwich te faça algumas provocações e reflexões existenciais. Tem muita coisa além do consumo para se experimentar.

Leitura recomendada: Seus hábitos (e não seu dinheiro) fazem de você uma pessoa rica

5. Pesquise e estude

Procure saber mais sobre as áreas ligadas ao que você gosta de fazer, converse com profissionais da sua área de interesse, conheça suas rotinas, visite empresas. Dessa forma, é possível entender e vivenciar a experiência profissional de fato. Conhecer a realidade das profissões é fundamental, pois muitas delas se mostram diferentes no dia a dia, daquilo que geralmente se imagina.

Emerson Weslei Dias
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários