O que está registrado apenas na cabeça nem sempre serve para tomar uma importante decisão. Apesar de polêmica, a afirmação retrata o que acontece com as decisões econômicas do cotidiano de muitas famílias.

Baseados na chamada contabilidade mental, consumidores endividam-se sem necessidade, pagam caro e investem mal. Tudo porque acreditam conhecer sua realidade financeira, seus limites, quando na verdade decidem com base em variáveis equivocadas e pouco discutidas.

Registrar e criar o hábito de confrontar valores facilita o entendimento da situação financeira familiar e permite que ações sejam tomadas com base em fatos.

Confrontar significa ater-se à realidade e tomá-la como referência para todo e qualquer próximo passo, seja ele relacionado aos investimentos ou consumo.

O caso clássico do salário deixa claro o perigo da contabilidade mental: experimente perguntar a algum amigo ou familiar quanto ele ganha.

A maioria menciona o salário bruto e tem nesse valor a referência para o padrão de vida e gastos mensais. E as deduções e descontos? O salário líquido disponível em conta corrente é outro, mas poucos reconhecem conscientemente essa diferença.

Leia também: 8 coisas que te sugam financeiramente e você nem percebe

O poder da mente (fogo amigo)

Decidi trazer o assunto à tona novamente depois reler um antigo texto, “O poder da mente“, publicada no jornal Valor Econômico (de anos atrás) e escrita por Antonio Perez. Sim, ainda guardo alguns artigos que me despertaram a atenção.

O texto traz importantes depoimentos de especialistas e exemplos de estudos que comprovam a irracionalidade presente na tomada de decisões baseadas na contabilidade mental. Observe e participe do exercício a seguir:

Situação 1:

Imagine que você decidiu assistir a um filme cujo valor do ingresso é R$ 30,00. Quando chega ao cinema, percebe que perdeu os R$ 30,00 que tinha separado para isso.

Pergunta: você mesmo assim compra o ingresso?

Situação 2:

Imagine que você decidiu assistir ao filme e comprou antecipadamente o ingresso. Quando chega ao cinema, percebe que perdeu a entrada.

Pergunta: você compra um novo ingresso e assiste ao filme?

Em pesquisa, mais de 80% das pessoas responderam que comprariam o ingresso diante da Situação 1. Para a Situação 2, apenas 40% afirmaram que comprariam uma nova entrada. Se o custo para ver o filme é igual em ambos os casos (R$ 60,00), por que a diferença nas respostas? A reportagem traz a resposta:

No primeiro caso, o dinheiro ainda não havia sido “mentalmente contabilizado”, ao passo que, no segundo, os recursos já haviam sido registrados como gasto com o cinema.

Leia também: 5 dicas para manter seu dinheiro blindado hoje e sempre

Traído por sua mente

O simples fato de associar o gasto fez com que os participantes analisam com mais racionalidade o passo seguinte. A situação foi ilustrada por Carlos Pinheiro, autor do livro “Como Investir em Ações” (Ed. Ciência Moderna) e coordernador de um estudo de contabilidade mental realizado por alunos da Universidade Estadual da Bahia (Uneb).

Por que é tão difícil admitir que a contabilidade mental não funciona? Ora, simplesmente porque muitos juram que ela funciona e julgam que dão conta de suas finanças através dela.

Na prática, o que se vê é descaso com o dinheiro e falta de respeito com o padrão de vida possível. Em outras palavras, gente endividada, insatisfeita e sem capacidade de investir.

Você é o responsável por controlar seu bolso

Manter o orçamento sempre em dia, devidamente documentado, implica responsabilidade na hora de continuar gastando.

Experimente outro exercício: faça, de cabeça, uma conta tentando imaginar quanto gastou no mês passado com lazer, balada ou outra atividade que você tanto gosta.

Já que você chegou até aqui quero convidá-lo à acompanhar um vídeo especial que gravei. Nele, comento sobre os três segredos que tornam qualquer controle financeiro uma atividade realmente eficiente no controle de gastos e investimentos. São detalhes simples, mas frequentemente esquecidos. Assista:

Clique para assistir

Agora dedique-se, nem que seja no mês seguinte, a sempre registrar esses gastos. Compare sua imaginação com a realidade. Bem-vindo ao mundo real. Hora de crescer.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários