Você está preparado para ser um milionário?Um assunto que está sendo bem comentado ultimamente é o prêmio de R$ 50 milhões que uma personagem da novela ganhou na loteria e sua dificuldade em lidar com a nova vida de milionária. Mesmo com essa quantia à disposição, ela insiste em manter o mesmo padrão de vida, inclusive o mesmo trabalho. “O dinheiro vai me tornar uma pessoa fútil e esnobe”, diz ela. A ideia desse artigo é debater um pouco sobre nossos padrões, crenças e atitudes com relação ao dinheiro.

Claro que o exemplo acima retrata um personagem de ficção, em que sua trama será explorada ao máximo para render curiosidade e audiência. No entanto, existem muitas pessoas que tem dificuldades em lidar com somas de dinheiro[bb] que venham de forma inesperada.

Um dos fatores que pode dificultar a aceitação de algum ganho é a baixa autoestima. Estamos tão acostumados a ver (e sentir) tudo dar errado em nossas vidas, que a sensação de “eu não mereço” se fortalece e, mesmo com os ganhos extras, a pessoa não se acostuma com a nova sensação e, por incrível que pareça, se sente desconfortável em romper esse vínculo com o fracasso.

O sentimento de culpa também merece uma atenção especial. Somos acostumados, principalmente os que têm pais e avós mais velhos ou que vieram das zonas rurais, que temos que trabalhar duro, suar a camisa, senão o dinheiro “não é justo, merecido”. Muitas pessoas se sentem culpadas por terem um ganho mais “fácil” do que quem trabalhou duro e não teve a mesma “sorte”.

Um estudo mostra que 1/3 dos americanos que ganham nas loterias perdem tudo pouco tempo depois. No Brasil, começamos a ver alguns casos semelhantes recentemente. A falta de educação financeira também tem sua parcela de culpa, mas as pessoas tem a mania de colocar sentimentos ao dinheiro, de dizer que ele é o culpado pelo seu caráter e estado de espírito. Muitos dizem “eu era feliz e não sabia” ou “era melhor quando eu não tinha nada, agora só tenho dores de cabeça”.

Outro fator que merece ser estudado é a religião. São poucas as religiões que tem uma relação neutra com o dinheiro. Algumas o pintam como algo maligno e outras ditam que a pobreza é um pecado, que devemos evitá-lo (como se fosse fácil).

A verdade é que o dinheiro é apenas um papel pintado, criado pelo homem, para ajudar na troca de bens, serviços e mercadorias. Como ele não é um recurso natural, não vem da terra, alimenta todo esse folclore ao seu redor. O certo mesmo seria ter uma atitude imparcial com relação ao dinheiro – qualquer um dos lados, seja o ódio ou o amor extremo, pode ser prejudicial no nosso relacionamento[bb] com ele.

Se você deseja ser um milionário ou mesmo ganhar algum dinheiro a mais, lembre-se que nada em sua vida vai mudar. As pessoas interesseiras apenas vão se mostrar mais interesseiras. Muitos milionários, ou até mesmo bilionários, mantém trabalhos voluntários, usam o seu dinheiro tanto para comprar um carro esporte último tipo, um iate ou um jato, como para fazer o bem. O bem no sentido mais amplo, tanto para eles, como para a sociedade.

Você já parou para pensar no que faria se recebesse uma boa quantia inesperada de dinheiro? Escreva no espaço de comentários sua opinião sobre esse assunto e vamos continuar esse papo. Até a próxima.

Foto de sxc.hu.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários