Você não precisa ser um gênio para ter sucesso financeiroPor trabalhar com o assunto e ter certa facilidade para explicar alguns temas que são considerados “técnicos demais”, sempre que converso com alguém sobre finanças ouço alguém dizendo que “educação financeira é um assunto muito difícil e que requer muito estudo, é coisa de especialista”.

Concordo que estudar sempre é bom, não à toa me considero um eterno aprendiz – afinal, essa postura me garante todos os dias a oportunidade de aprender um pouco mais, observar melhor os detalhes e absorver, de todos à minha volta, o máximo de informações e experiências.

Felizmente, a convivência com a equipe no Dinheirama e com os nossos parceiros é terreno fértil para quem gosta de aprender. Sabemos e concordamos que conhecimento é importante para tudo na vida, então preciso confessar uma coisa: me incomoda muito a facilidade que muitas pessoas têm de se vitimizar, colocando-se em um patamar inferior, como se fosse alguém incapaz de assimilar, aprender, ensinar e seguir em frente.

Quando o assunto é dinheiro, a vitimização é a desculpa perfeita. É muito fácil despejar a culpa dos erros nos outros (loja, banco, promoção, até na novela, onde a mocinha aparece com sapatos maravilhosos todos os dias) após decisões equivocadas no cartão de crédito ou no cheque especial. Desculpas que só servem para aliviar o dia a dia. Mas será que funcionam mesmo?

A desculpa da falta de sabedoria é outra que cabe como uma luva. A partir dela a culpa da falta de conhecimento se torna um problema sabe-se lá de quem. Não é verdade, oras, a organização financeira e o sentimento de responsabilidade com o dinheiro não requerem somente o estudo, mas também (e principalmente) o zelo com o dinheiro. É preciso valorizar cada centavo que se gasta e ganha.

Não fosse assim, como justificar que uma grande parte dos endividados do país tenham completado a universidade, feito uma pós-graduação e ido até muito mais além? A educação financeira privilegia as pessoas que conciliem a organização com o fato de saber lidar com a frustração, ou seja, de saber esperar.

Aos poucos pude perceber que o estudo em nada tem haver com a inteligência. Todos tem a oportunidade de observar a vida com mais inteligência e sabedoria, mas infelizmente nem todos tem a possibilidade de dedicar-se integralmente aos estudos.

Uma das lições mais interessantes que tive aqui mesmo com o Dinheirama foi a possibilidade de conversar com uma senhora, em uma das diversas palestras que fizemos há pouco tempo em uma comunidade carente de São Paulo, que me procurou para dizer que o sonho dela era levar os filhos a um conhecido parque de diversões no final do ano.

Estávamos no começo do ano e qual não foi minha surpresa quando, em dezembro, fui procurado por essa senhora que logo me deu a notícia de que havia se organizado e conseguido realizar o sonho de levar as crianças para brincar.

Feliz, perguntei a ela como ela havia conseguido realizar o objetivo. Ela olhou bem nos meus olhos e disse: “Graças a vocês do Dinheirama, aprendi duas coisas: a priorizar e a esperar. Demorou um pouco, mais consegui levar meus filhos e não precisei me endividar”.

Missão cumprida! E você, o que precisa para priorizar melhor e entender que tudo é possível desde que tenhamos paciência, disciplina e objetivos coerentes? Conte-nos sua história no espaço de comentários abaixo. Abraços e até a próxima.

Foto de freedigitalphotos.net.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários