errado-postDurante certos períodos da vida, é muito comum acreditarmos piamente em algumas “verdades” – na hora em que elas aparecem as consideramos como absolutas. É assim quando nós conhecemos e gostamos de alguém, é assim em nosso trabalho e em outros momentos importantes que fazem parte de nossa vida.

Quando o assunto é dinheiro, essas verdades absolutas são também muito comuns: acreditamos que os melhores investimentos são aqueles que foram sugeridos e feitos durante a vida toda pelos nossos pais, por exemplo.

Mais, acreditamos que investir no mercado de ações é simplesmente acreditar na sorte, batemos o pé quando alguém conta como conseguiu prosperar com muito esforço e principalmente nos mostramos muito interessados quando somos apresentados a ideias mirabolantes de enriquecimento rápido e fácil.

Vem fácil , vai fácil…

Tudo o que vem muito fácil e cativa na mesma velocidade tem, via de regra, uma característica peculiar, carrega consigo uma forte tendência de levar as pessoas ao desapontamento. Quem não lembra de uma paixão momentânea ou mesmo uma decepção no trabalho vinda de alguém em quem confiávamos e que puxou o tapete no momento daquela promoção?

Amizades verdadeiras são construídas com o tempo e com o exemplo. Aparência não é o mais importante e você já deve ter notado isso. A verdade é que tudo sempre tem vários caminhos e nem sempre descobrimos a tempo que estamos indo pela estrada errada. Quando percebemos, é tarde para passar sem feridas pelo caminho de volta.

Mudanças precisam ser aproveitadas

Trazendo nossa conversa para o lado financeiro, culturamente vivemos em um país que conviveu durante muito tempo com a superinflação – o salário para valer algo precisava ser utilizado no mesmo dia.

Os mais novos que estão lendo o texto talvez não consigam imaginar essa realidade, mas as pessoas precisavam estocar alimentos de toda espécie em congeladores e despensas enormes para conseguir sobreviver ao restante do mês.

Atualmente, temos um período de inflação alta, mas nem de perto ela pode ser comparada ao que aconteceu nas décadas de 80 e início dos anos 90. Nesse mesmo período de crise econômica, outro fator determinante foi a (praticamente) inexistência da classe média: a quantidade de pobres (muito pobres) era muito alta e as pessoas basicamente tratavam de sobreviver.

Demanda reprimida e crédito (caro) farto são uma porta aberta para o consumo sem planejamento. Esse período de grave crise fez com que as pessoas, durante muito tempo, tivessem uma demanda de consumo reprimida.

A sensação de precisar de algo em um momento onde o crédito foi farto (mas caro) empurrou muitas pessoas para o endividamento – mais uma vez fizemos, como sociedade, a opção pelo caminho errado. A duras penas estamos descobrindo que o consumo precisa ser feito de forma consciente, com planejamento e tempo.

Nos investimentos, hoje se observa o mesmo. Muitas pessoas continuam se fechando para a nova realidade e cada vez mais desistem de buscar alternativas, enxergando apenas a velha e já não tão boa caderneta de poupança.

Aqui, o caminho errado não é apenas o fato de escolher um investimento ruim, mas também não demonstrar interessar em conhecer o que de fato acontece no mercado atual. Afinal, o que foi bom no passado não representa garantia de sucesso no futuro, você já ouviu isso, certo?

Se você traçou o caminho errado, o mais importante é reconhecer o erro. Não tenha medo de recomeçar e tentar outros caminhos. Cuide das feridas e não desista. O tempo pode ser seu aliado ou seu inimigo, por isso todo passo deve ser dado com planejamento e atenção.

Lembre-se: estamos em 2013 e não podemos agir como se o mundo tivesse parado na década de 80. Desenvolva hábitos e cultive as oportunidades que terão efeito prático e positivo hoje.

Você gostou do meu artigo, concorda com minha opinião? Lembre-se que o mais importante por aqui é trocar ideias e juntos descobrirmos novas formas de olhar a vida. Se quiser poder me encontrar no twitter sou o @RicardoPereira . Ótimo final de semana e até a próxima.

Foto de freedigitalphotos.net.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários