Home Comprar ou Vender Warren Buffett já saiu da Stone: você deveria fazer o mesmo?

Warren Buffett já saiu da Stone: você deveria fazer o mesmo?

"O momento de tais mudanças foi uma surpresa negativa e segue-se à recente venda de ações da Berkshire", pontua analista do Bank of America

por Gustavo Kahil
0 comentário

A Berkshire Hathaway (BRK.A; BRK.B; BERK34) do investidor Warren Buffett, começou a construir a sua posição na brasileira Stone (STNE; STOC31) no quarto trimestre de 2018, mas passou a vender as suas ações entre o primeiro trimestre de 2021 e o final do ano passado, quando se desfez completamente da aposta. A notícia, contudo, foi divulgada em 24 de fevereiro, ocasião do balanço da gestora.

Como questionar os movimentos do lendário Buffett? A tarefa é difícil, mas vamos lá. Desde o início do ano até ontem, considerando as ações negociadas na Nasdaq, os papeis da Stone recuavam cerca de 3%. Contudo, foi a divulgação do balanço da empresa de pagamentos na noite de segunda-feira (18) que assustou os investidores. Os papeis mergulharam até aproximadamente 10%.

A empresa divulgou um crescimento de 177% em seu lucro ajustado do quarto trimestre sobre o período homólogo, impulsionado pelo segmento de pequenas e médias empresas. O resultado foi de 564 milhões de reais nos últimos três meses de 2023, volume superior à expectativa média de analistas consultados pela LSEG, de 483 milhões de reais, para o período.

Além disso, a margem líquida expandiu pelo oitavo trimestre consecutivo para 17,4%, enquanto o lucro líquido anualizado atingiu R$ 2,3 bilhões, bem acima do guidance de mais de R$ 1,9 bilhão e do consenso de R$ 2,0 bilhões. No entanto, segundo o Bank of America, o desempenho só aconteceu por conta das despesas mais baixas e da taxa efetiva de imposto, enquanto as receitas ficaram 6% abaixo do estimado.

Andre Street, fundador da Stone
André Street, fundador da Stone, durante participação do CASE 2015 (Imagem: Youtube/ @AssociacaoBrasileiradeStartups)

O grande impacto

Mesmo com as ressalvas acerca do balanço, o principal culpado para o desempenho das ações nesta terça-feira é o anúncio da saída do fundador da Stone, André Street, da presidência do Conselho de Administração. Outros dois membros tomaram a mesma decisão.

Pedro Zinner, CEO da Stone, disse em uma teleconferência com analistas que a transição é um passo natural na jornada da empresa.

“Acho que nos últimos dois anos a empresa vem profissionalizando seu conselho de administração, trazendo um mix de expertise técnica, setor e conhecimento da empresa, Acho que fiz parte desse processo de mudança alguns anos atrás. Há dois anos, entrei para o conselho em abril. Acho que 2022 foi um ano de reviravolta e acho que 2023 apresentamos resultados muito sólidos”, disse Zinner.

Hora de comprar

“O momento de tais mudanças foi uma surpresa negativa e segue-se à recente venda de ações da Berkshire. Street controla 7% do total de ações e 37% dos direitos de voto. Ele deve manter pelo menos 25% dos direitos de voto para nomear o presidente, e pelo menos 15% dos direitos de voto para nomear um membro do conselho”, lembram os analistas do BofA, liderados por Mario Pierry.

Ele manteve a recomendação de compra para as ações, com preço-alvo de US$ 20. A queda de hoje ampliou, até o momento, o potencial de valorização para 26%.

“Embora a Stone não estivesse aqui se não fossem os fundadores Andre Street e Eduardo Pontes, e admitamos que ainda temos dúvidas de longo prazo sobre ser uma corporação, acreditamos que a empresa está pronta para avançar e voltar aos trilhos por sucesso, ainda aprendendo com os erros do passado, mas olhando para o futuro…”, analisa Eduardo Rosman, analista do BTG Pactual.

O BTG manteve a recomendação de compra, com preço-alvo de US$ 20, e destacou em um relatório que a fraqueza nas ações é uma oportunidade.

“No geral, não foi um mau trimestre em termos de rentabilidade, mas as receitas mais fracas podem pesar sobre as ações que são negociadas com um prêmio de crescimento. Mantemos nossa classificação de desempenho inferior (underperform), considerando as ações com preços justos”, aponta Pedro Leduc, do Itaú BBA.

O preço-alvo do Itaú é bem inferior, a US$ 9.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.