Internet e mobile banking superam agênciasPela primeira vez o uso de meios digitais para transações bancárias superou os canais tradicionais. Os dados de 2012 foram informados pela edição anual da Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária, divulgada em meados de abril.

Internet banking e mobile banking corresponderam a 42% das operações feitas pelos usuários, um ponto percentual acima da movimentação de agências, caixas eletrônicos (ATM, na sigla em inglês) e contact centers.

“Os dados apontam uma maior relevância do mundo virtual em relação ao mundo físico”, afirma Luis Antonio Rodrigues, diretor setorial de Tecnologia e Automação Bancária da Federação Brasileira de Bancos. A força do mobile banking cresce a cada ano, ganhando cada vez mais espaço nas operações de clientes.

“O mobile banking continua crescendo exponencialmente, alavancado, principalmente, pelas transações sem movimentação financeira”, aponta Rodrigues.

A ascensão do mobile banking teve início ainda em 2008, quando a participação do total de transações pela ferramenta era quase zero (0,04%). Em 2012, o número chegou aos 2,3%. No período de um ano, entre 2011 e 2012, o crescimento foi de 333%.

“Em 2016 ou 2017, mobile banking e internet banking estarão no mesmo patamar”, prevê Gustavo Roxo, sócio da Booz & Company para a América do Sul, consultoria que produziu a pesquisa em conjunto com a FEBRABAN.

O número de contas com mobile banking no Brasil atingiu 6 milhões em 2012 e o de smartphones em uso, 52,5 milhões. A expansão do volume de transações bancárias se dá por algumas razões, entre as quais a alta disponibilidade dos serviços prestados pelas plataformas móveis e o comportamento do consumidor brasileiro.

A ampliação da rede de agências bancárias, entre 2008 a 2012, deixa ainda mais evidente a difusão dos canais digitais. Durante o período, a quantidade total de agências em funcionamento variou de 57,6 mil a 65 mil, com taxa média de crescimento anual ao redor de 2%.

“Podemos concluir que as agências se tornarão, no futuro, centros de relacionamento com os clientes, dedicadas a operações com maior grau de complexidade”, diz Rodrigues.

Torna-se inevitável, então, investimentos maciços e crescentes em tecnologia. Em 2012 os gastos dos bancos em recursos tecnológicos alcançaram o recorde de R$ 21,1 bilhões, entre despesas e investimentos. O montante é 9,5% maior ao gasto em 2011, quando o aumento foi de 8% (em relação a 2010).

Gestão financeira

Com o crescente uso de smartphones pelos brasileiros, o Dinheirama também aposta em tecnologias para facilitar o controle de orçamento doméstico. Ideal para quem quer substituir planilhas de gastos e controle por uma ferramenta mais intuitiva, o Dinheirama Online é uma excelente opção.

Nosso software de gestão financeira tem mais opções de serviços que completam sua experiência com os aplicativos de seu banco, como gráficos e lembretes para não gastar mais do que o orçamento permite.

O cadastro ao Dinheirama Online (clique e conheça) é totalmente gratuito e já temos também aplicativos para tablets e smartphones.

Fonte: FEBRABAN. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários