EUA e a arriscada política do “quanto pior, melhor”Ambos os partidos demonstraram total desapreço pelo povo americano: os republicanos por colocarem os EUA na iminência de um calote pela obsessão de drenar os recursos destinados ao ObamaCare, e os democratas por terem se aproveitado politicamente da situação, já que a maioria da opinião pública, conforme pesquisas divulgadas, atribuiu aos conservadores a responsabilidade pela paralisação do governo.

Felizmente, os danos para a economia foram moderados dessa vez, mas a tão esperada solução do problema não foi nem de perto alcançada, o que significa que ocorrerão outras rodadas de estresse nos mercados.

O pior de tudo é que em meio aos diversos ‘perdedores’ – população americana, republicanos e democratas – houve um grande vencedor: o senador republicano Ted Cruz, do Estado do Texas.

A chegada do senador Ted Cruz a um evento do Partido Republicano no Texas, dias após o ‘remendo’ costurado em Washington, foi algo de dar inveja a muitas celebridades em Hollywood: senhoras de idades aos prantos pediam licença ao parlamentar para um abraço e um beijo com o objetivo de agradecer o esforço que Cruz realizou no sentido de ‘desmantelar’ o ObamaCare.

E qual é a importância disso? Lembremos que o Partido Republicano está em completa dessintonia com os anseios e angústias de grande parte da população dos EUA por conta do crescimento das comunidades latinas e asiáticas nos Estados Unidos. Cabe lembrar que os conservadores jamais deram bola para estes grupos e, da mesma forma, estes segmentos vêm devolvendo nas urnas o desinteresse dos republicanos por eles.

Com os últimos fracassos eleitorais republicanos, uma porta se abriu para Ted Cruz, cujo objetivo nesse momento, inegavelmente, é: continuar em sua empreitada incansável pela ‘implosão’ do ObamaCare para agradar seus constituintes e conseguir êxito nas primárias republicanas.

Só que existe um pequeno detalhe que pode estar ou passando despercebido ou sendo mal calculado por Cruz: lançar-se numa cruzada incansável pelo ‘desmantelamento’ do ObamaCare trará ranhuras graves em sua imagem.

Não estamos falando apenas da drenagem de recursos para o programa de assistência universal do governo Obama, mas das conseqüências que todo o processo legislativo de alcançar tal objetivo acarretará: fuga de capitais em face da possibilidade de rebaixamento da dívida norte-americana, hesitação dos empresários no sentido de realizar investimentos, dentre vários outros desdobramentos.

Portanto, Cruz pode sair suficientemente ‘queimado’ desse embate político atual, cujo objetivo é meramente agradar seus constituintes visando êxito nas primárias republicanas dentro de alguns anos, a ponto de não conseguir se conectar com as comunidades latinas e asiáticas nas próximas eleições.

Vale lembrar que estes grupos são os mais vulneráveis às conseqüências geradas pela paralisação do governo, o que pode facilitar em muito o discurso do futuro candidato democrata.

Foto Democrat and Republican, Shutterstock.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários