O dia 30 de outubro de 2007 foi um dia de muita festa no Brasil. O então Presidente Lula, no auge de sua popularidade, demonstrava frente as câmeras de TV muito otimismo ao ver o Brasil ser escolhido como sede do campeonato mundial de futebol de 2014.

Enfim o país teria a chance de organizar um dos maiores eventos do mundo, 64 anos após o vice-campeonato de 1950, derrota extremamente doída e que ficou conhecida como “Maracanazo”.

Uma verdadeira comitiva de personalidades brasileiras estava na sede da entidade que controla o destino do futebol no mundo e todos, sem exceção, defendiam o “direito” do país em promover a competição.

Vale a pena destacar as ilustres presenças dos então governadores de Minas Gerais Aécio Neves, e de Pernambuco, Eduardo Campos, hoje pré-candidatos à Presidência do Brasil.

Depois de 7 anos, o que temos?

Passaram-se quase 7 anos desde então. Tempo para que o país pudesse se organizar para receber as delegações, turistas e fãs brasileiros, oferecendo a melhor estrutura possível para o megaevento.

Seria, sem dúvida, uma ótima oportunidade para colocar o Brasil como uma rota importante no cenário do turismo mundial, bem como para mostrar nossa capacidade de organização e potencial de realização. Infelizmente, porém, durante esse tempo percebemos como temos muitas dificuldades em tirar do papel aquilo que prometemos. E prometemos muito.

Muitos que antes estavam sedentos pelas glórias de levar o evento para seus respectivos estados hoje recebem com alguma reflexão os sinais de reprovação nas ruas. O teor de muitas manifestações diz respeito aos valores gastos na realização do evento, que poderiam ser mais úteis se destinados a outras áreas, como educação e saúde.

De fato, a população tem razão. Percebemos no Brasil deficiências graves em diversos setores, o país não cresce como deveria e os problemas se multiplicam à medida que o governo opta por “peitar o mercado” e conduzir uma série de medidas bastante duvidosas e autoritárias.

Nesse ponto, podemos destacar o controle de preços em setores cruciais da economia e também a promoção, “na marra”, da diminuição dos juros básicos da economia (e do crédito, por consequência) – juros estes que voltaram a subir e estão em níveis mais elevados do que quando Dilma assumiu.

Presidente Dilma mexeu com fogo e acabou se queimando

O mau humor desses setores tão importantes desencadeou uma inquietação geral no mercado financeiro, que experimentou anos de queda na Bolsa, resultado do mix de problemas econômicos do exterior e a perda da confiança nos rumos da economia nacional.

Ao baixar os juros, durante o governo Dilma o país conseguiu, ao menos por algum tempo, ter juros baixos – para o nosso padrão, é bom lembrar: em dezembro de 2012, o COPOM (Comitê de Política Monetária do Banco Central) conduziu a Selic à 7,25%. Hoje, a taxa é de 11% (veja aqui o que esperar para o restante do ano).

Ao contrário do que se esperava, os juros baixos não foram suficientes para alavancar o crescimento do país, o crédito se tornou um agente de consumo que só fez avançar o perigo inflacionário criando então um tripé extremamente perigoso: consumo alto da população via crédito + governo gastando muito + desconfiança do mercado em alta.

O resultado negativo surgiu e em pouco tempo o Banco Central (BC) teve que adotar uma postura ortodoxa e elevar os juros para conter o consumo e, mais, para também tentar resgatar sua credibilidade arranhada perante o mercado (há quem diga que há interferência política no BC).

A tempestade perfeita chegou!

Recentemente, o economista Alvaro Bandeira, em sua coluna no Dinheirama, descreveu o que chamou de “tempestade perfeita” (clique e entenda). O seu texto foi muito feliz, pois mostra com precisão os enormes desafios que temos em frente, acompanhe:

“Sem querer ser taxado de alarmista, ao que tudo indica a ‘tempestade perfeita’ parece ter chegado à costa brasileira. O “céu de brigadeiro” que vigorou em outros tempos tornou-se plúmbeo, sem que o governo introjetasse qualquer culpa por isso. Nossos dissabores são invariavelmente atribuídos ao ambiente externo.

Ocorre que novamente estamos na contramão do mundo. O mundo está se ajustando, contendo gastos, reduzindo nível de endividamento, com inflação muito baixa e temor de deflação em muitos países, mas também com claros sinais de que as economias começam a recuperar.”

Os desafios que o Brasil precisa encarar são desafios que vão na contramão dos anseios populares. As manifestações cobram mais investimentos por parte do país, já o mercado busca redução de gastos; o desafio é entender como agradar a todos e enfrentar a situação.

Escrevi recentemente um artigo contando sobre o que dizem os gurus econômicos dos presidenciáveis (clique para ler). Como eleitores, precisamos conhecer muito bem a realidade e a opções políticas disponíveis, afinal é ano de Eleições.

O que tudo isso tem a ver com a Copa?

Comecei comentando a euforia com a Copa no Brasil, passei pela realidade dos fatos que envolvem a nossa economia e agora volto aos preparativos para o evento. Todos estes aspectos estão interligados e compõem um pouco do nosso jeito de administrar e gerir o bem público.

Os gastos elevados destinados à preparação de novos estádios, que ficaram prontos “em cima do laço” (ficaram?), são reflexos dos inúmeros problemas do país. Nossa mão de obra é cara e despreparada, e não conseguimos produzir o mesmo que outros profissionais em áreas diversas.

A burocracia na concessão de licenças ambientais e outras tantas que são impostas por diversos órgãos também é um tremendo empecilho, tornando tudo mais caro e mais lento. O que dizer da corrupção, um mal enraizado e que toma proporções cada vez maiores? Ou sempre existiu e só agora começa a ter o espaço devido na grande imprensa?

O ponto fundamental aqui é: um país que pretende crescer não pode depender apenas de eventos grandes para investir em infraestrutura. O legado prometido como um trunfo do evento hoje não é nada parecido com o esperado anos atrás. Inclusive já publicamos um texto sobre os desafios para deixarmos os emergentes para trás (leia aqui).

A torcida pelo Brasil continua…

Em breve teremos, além da Copa, uma das mais importantes e equilibradas disputas presidenciais. É fundamental conhecermos as história e propostas de cada candidato, bem como avaliar a capacidade que possuem para oferecer ao país o que de fato é preciso.

O desafio será conciliar os interesses das pessoas e os anseios do mercado, resgatando a credibilidade do país lá fora, mas principalmente internamente. O próximo mandato será de muita responsabilidade. Recentemente, publicamos 16 atitudes para quem deseja prosperar no Brasil (clique para ler).

Para começar, vale analisar o passado de cada um dos candidatos, mas sem ufanismo ou torcida irresponsável. O fato é que todos têm responsabilidade e brigaram para trazermos a Copa para o país e levá-la para seus redutos eleitorais. Ninguém é 100% inocente em política, arrisco-me a dizer.

Já que vamos ter Copa, dentro de campo vou continuar torcendo pelo Brasil. Fora de campo, a torcida é para encontrarmos um caminho com mais oportunidades e menos disputas eleitoreiras. É disso que precisamos. Você concorda? Obrigado e até a próxima.

Foto “Brazilian soccer player”, Shutterstock.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários