Todos sabemos que não é fácil alcançar o sucesso financeiro, afinal todos os dias somos “testados” por inúmeras oportunidades de consumir e gastar mais do que nosso planejamento financeiro permite.

Saber onde queremos chegar, definir claramente nossas prioridades, planejar os gastos para o futuro e consumir de forma consciente não são tarefas fáceis e simples de executar, concordo, mas com de disciplina, dedicação e esforço é possível incorporar novos hábitos e mudar a maneira de encarar as finanças.

Quando escrevi sobre as quatro decisões essenciais para alguém se tornar um milionário (clique aqui para ler o artigo), recebi muitos e-mails e mensagens de leitores que apontaram os gastos pessoais como um gargalo difícil de combater. A maioria afirmou que os sonhos de consumo imediatos acabam sabotando o ideal de riqueza futura.

3 lições para alcançar o sucesso financeiro

Pensando em ajudar você e esses leitores que fizeram contato comigo demonstrando a dificuldade em vislumbrar como vencer o ímpeto de consumir agora, decidi detalhar três lições capazes de criar as condições ideais para buscar a tranquilidade financeira com inteligência. Vejamos.

Lição 1: Aprenda a lidar com a frustração

Não é fácil a rotina por que passam a grande maioria das pessoas hoje em dia, sei bem como isso funciona. Chefe insensível, trânsito caótico e pouco tempo para o lazer são alguns exemplos de ocorrências que levam milhões de pessoas a apresentar problemas como depressão e falta de autoestima.

A vida moderna é muitas vezes cruel e cheia de nuances que nos impõem a necessidade de buscarmos algumas recompensas imediatas para manter a motivação “em dia”. Para muitos brasileiros, a “válvula de escape” consiste em ir ao shopping preferido, escolher uma loja bacana e “torrar” o cartão de crédito.

Para quem quer alcançar o sucesso financeiro, mais do que lidar com a frustração do dia a dia, é fundamental encontrar maneiras diferentes de extravasar o desgaste cotidiano. O esporte pode ser um grande aliado, já que a prática de atividades físicas libera substâncias que diminuem a ansiedade e combatem o estresse, melhorando o humor e o desejo de seguir em frente.

A primeira lição, portanto, afirma que é essencial aprender a adiar consumo para construir condições melhores de usufruir do padrão de vida logo ali na frente. Não confunda isso com deixar de consumir para apenas poupar: o que interessa é não fazer do consumo uma terapia.

Aqui no Dinheirama publicamos um artigo em que destacamos a força das pessoas bem-sucedidas ao lidarem com a frustração: Cinco características das pessoas ricas e bem-sucedidas (clique para ler).

Lição 2: Mantenha o controle das finanças e não confie nas contas de cabeça

Peço licença ao Conrado Navarro, que escreveu o artigo “Contabilidade Mental, perigo real” (clique aqui para ler o artigo), para usar suas palavras para descrever o perigo que é confiar na cabeça para tomar as decisões de consumo, hábito muito comum por aqui.

Segundo ele, “manter o orçamento sempre em dia, devidamente documentado, implica responsabilidade na hora de continuar gastando”. Nossa vontade de consumir e a percepção de que merecemos algo podem arruinar o orçamento familiar não registrado e controlado de maneira formal.

Onde não existe um controle financeiro real, feito com cuidado e sempre atualizado, fica muito fácil ser enganado pelo consumo e pelas contas de cabeça (como confiar no cérebro para fazer contas se ele está querendo comprar?).

Nós oferecemos aqui uma série de planilhas (clique aqui para detalhes) que podem ser muito eficientes para quem tem a disciplina e dedicação necessárias para cuidar das próprias finanças. Experimente as opções disponíveis e veja se alguma delas funciona para você e sua família.

Outra forma muito prática de controlar as finanças é usar nossa ferramenta Dinheirama Online (clique para detalhes), um software de controle financeiro totalmente gratuito que pode ser acessado de qualquer lugar através da Internet. Para usufruir das funcionalidades, basta criar um cadastro gratuitamente.

Oferecemos o mesmo padrão de segurança dos sistemas bancários e só você terá acesso às suas informações financeiras, podendo ainda importar extratos de seu banco, controlar os cartões de crédito e visualizar todas as informações em gráficos bastante didáticos e simples de interpretar.

Lição 3: Tenha a perspectiva de um investidor

No Brasil, vivemos durante muito tempo uma realidade bem distinta de boa parte do mundo: por aqui, boa parte das pessoas cresceu em um período de superinflação, em que era preciso gastar o salário rapidamente para não ver o poder de compra ser corroído (e isso acontecia da noite para o dia em determinado período).

Com a criação do Plano Real, em 1994, a economia passou a ser mais previsível, a inflação se manteve em um patamar mais civilizado e com o tempo foram criados novos produtos financeiros direcionados aos investidores.

O país foi crescendo e se desenvolvendo, mas a maior parte das pessoas continuou com o pensamento da época da superinflação. O consumo rápido, que antes era a única alternativa, se tornou um vício que impede milhões de brasileiros de usufruir os reais benefícios de uma economia estável.

É preciso olhar para a economia com uma perspectiva mais inteligente, de busca por oportunidades. Os poucos que desenvolveram o pensamento de investir com a chegada do Plano Real conseguiram ótimos resultados, inclusive aproveitando os momentos onde a renda fixa oferecia rentabilidades de mais de dois dígitos.

Quem busca o sucesso financeiro tem que desenvolver o pensamento de investidor, o que significa dedicar tempo buscando e aproveitando opções interessantes para alocar o dinheiro – e hoje em dia são muitas as opções de investimento disponíveis, conforme mostramos em um texto recente (clique e veja).

Adotar a perspectiva do investidor também requer definir muito bem os objetivos financeiros e os desejos em termos de padrão de vida futuro e conquistas. Só assim será possível estabelecer um bom planejamento e uma estratégia inteligente de investimentos.

Conclusão

As mensagens que recebi tinham um componente especialmente interessante: mais de 60% das pessoas que fizeram contato tinham o desejo de investir, mas ainda possuíam dívidas em atraso.

Minha sugestão para que quem estiver com dívidas em atraso é focar nesse momento em eliminar as pendências, principalmente elas forem no rotativo do cartão de crédito e/ou no cheque especial, modalidades que cobram juros bastante elevados (230% no caso do cartão e 130% no cheque).

Como em tudo na vida, planejar é fundamental e a mensagem que quero registrar nesse texto é que para atingir o sucesso financeiro não existe espaço para quem terceiriza as decisões relativas às finanças pessoais: você precisa aprender a construir riqueza, registrar seus passos e investir melhor.

Espero que o texto possa ajudá-lo a (re)pensar suas atitudes em relação ao bolso. Deixe sua opinião no espaço de comentários abaixo. Um abraço e até a próxima.

Foto “Successful businessman”, Shutterstock.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários