Todos nós temos sonhos e grandes objetivos na vida, sejam eles materiais ou não. Porém, há dois grupos de pessoas que lidam de formas diferentes para alcançá-los, e tenho certeza de que você sabe do que estou falando.

Existem aquelas pessoas estilo “deixa a vida me levar”, que contam com a sorte e acreditam que o destino já está traçado e resta apenas esperar para ver; e existem os “inquietos”, que são obstinados em realizar suas conquistas e entendem que para isso é necessário planejamento, dedicação e trabalho.

Espero que você faça parte do segundo grupo, mas é comum nos adequar a certos hábitos e não perceber que alguns podem não ser saudáveis. Por isso, vamos explorar nesse artigo os mais comuns e que sabotam nossos planos.

A ideia aqui e fazer uma autoavaliação. Depois disso, você vai perceber como será mais fácil trabalhar aspectos que precisam ser mudados.

Leitura recomendada: 4 Hábitos essenciais para gerar riqueza e atingir o sucesso desejado

Hábito perigoso 1: Cultivar pensamentos e desejos que não se tornam ações

Volte lá na virada do ano e lembre-se das metas que você definiu para realizar neste ano de 2016. Não sei se é o seu caso, mas é comum criar aquela listinha mental de coisas que queremos no ano seguinte, seja começar a academia, mudar de emprego, se declarar para alguém ou iniciar uma pós-graduação.

Enfim, agora pense quais destas promessas você começou, quais tem trabalhado para conseguir e quais nem deu início. É provável que algum desejo aí continue firme no pensamento e que você sempre imagina como seria se tivesse conseguido. E aí vem aquela sensação de frustração. Mas se mal começou, como terá a chance de realizar?

Proponho um exercício: pegue um papel, faça uma lista em ordem de prioridade do que você quer realizar esse ano e comece por uma que julga importante e que sabe que tem grandes chances de realizar. Estabeleça uma primeira ação que tomará ainda esta semana.

Por exemplo: se a sua vontade é fazer uma viagem para a Europa, dedique um tempo para pesquisar os destinos mais visitados no seu mês de férias. Esse será o primeiro gatilho mental para montar um plano de ação. Depois disso, defina o próximo passo para a semana seguinte.

É importante manter esse pensamento para acostumar-se a fazer planos por etapas, que servirão como verdadeiros degraus para chegar lá. E começar pelo desejo mais fácil serve para que tenha o gostinho de como é bom realizar. Isso vai dar energia para seguir em busca dos próximos na lista.

Hábito perigoso 2: Se preocupar mais em ter do que ser

É claro que a gente gosta de ter o smartphone mais bacana, aquele carro zero km e o tênis sensação do momento para a corrida de rua. Mas tudo isso custa dinheiro e é preciso ser muito franco consigo mesmo; pare e pense: o meu consumo é condizente com a minha situação financeira?

Será que vale a pena desfilar com um super iPhone e se apertar todo para pagar uma das 12 parcelas no fim do mês? Será que manter um padrão de vida que não condiz com a realidade não está impedindo você de realizar grandes coisas? Como a viagem dos sonhos, um curso que pode mudar o rumo da sua carreira ou apenas ter uma vida financeira mais equilibrada e livre de estresse?

Ebook gratuito recomendado: Esqueça tudo o que sabia sobre aposentadoria – O novo aposentado

Hábito perigoso 3: Ter medo de falhar

O medo de falhar nada mais é do que um mecanismo para manter a tradicional sensação de segurança. Porém, esse mesmo medo é o que nos coloca na zona de conforto e nos impede de ir além.

Não é útil manter a crença de que falhar é sinônimo de fracasso. A primeira coisa que se deve fazer ao falhar não é se colocar para baixo e desanimar. Em vez disso, procure entender: por que deu errado? O que poderia ter sido feito diferente?

Qualquer empreendedor de sucesso ou personalidade amargou alguma falha no passado. É só dar uma pesquisa rápida na Internet para ver.

Hábito perigoso 4: Não ter hábitos saudáveis e positivos

Você pode perguntar: mas o que isso tem a ver com sonhos? Bom, tem tudo a ver! Afinal, se você deseja ter uma vida longa e próspera, o básico necessário é ter… Saúde! Você pode ter uma vida financeira em dia, mas não terá como usufruir do resultado do seu trabalho se não cultivar hábitos saudáveis.

Procure fazer uma atividade física, seja uma caminhada por meia hora, faça o check-up médico anual, procure ter uma alimentação saudável, aproveite o tempo livre com a família. Adotar hábitos positivos causam um belo efeito dominó em outras esferas da vida.

Por exemplo, é comum que pessoas que passam a fazer atividade física, comecem a se alimentar melhor. É como se uma coisa dependesse da outra, e faz todo sentido.

Acontece a mesma coisa com o bolso, com as finanças. Quando se tem o controle é mais difícil fazer compras por impulso e se meter em dívidas. Isso porque fica natural perceber que tal atitude será prejudicial e poderá atrapalhar metas importantes lá na frente.

E aí? Você se viu em algum item acima? Se sim, espero que esse post seja inspirador e que sirva para você ficar mais próximo de realizar seus sonhos! Ate a próxima!

Leitura recomendada: 3 crenças que afastam você dos seus sonhos (e como vencê-las)

Daniella Gomes
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários