O ano de 2020 finalmente chegou, e com ele algumas resoluções financeiras importantes. Para alguns, um alívio; para outros, esperança. O fato é que todos nós prometemos alguma coisa relacionada ao dinheiro na virada de ano.

Juntar dinheiro? Investir mais? Diversificar a carteira? Começar o controle financeiro? Colocar o orçamento familiar em dia? Diminuir (acabar) com o endividamento? Dar entrada na casa própria? Trocar de carro? Qual foi sua promessa?

Melhor que a poupança: Na Grão a rentabilidade é de 106% da poupança com mais segurança

Resoluções financeiras para 2020

Será que você é capaz de criar sua própria lista de resoluções financeiras para este ano? Quantas mudanças colocaria? Vou ajudá-lo começando com oito passos fundamentais para um criar um ano financeiramente mais tranquilo.

1. Ler e conversar mais sobre dinheiro

Todo assunto evitado se transforma em terreno fértil para tabus, mitos e falsas verdades absolutas. É assim com as drogas, sexo, política e, claro, dinheiro. Não precisa ser assim, afinal dinheiro é parte do nosso dia a dia.

Você pode se interessar mais por temas relacionados ao seu bolso e colocar na rotina leituras sobre finanças e investimentos, bem como mais tempo dedicado ao aprendizado prático destas áreas.

Além disso, é fundamental provocar-se em relação ao que aprendeu, o que só acontece quando você compartilha o conhecimento e o coloca em prática. A ideia aqui é que o dinheiro passe a ser um assunto tratado com naturalidade, não com reservas e medo.

Ouça: Por que os juros no Brasil são tão altos?

2. Registrar receitas e despesas

A frase mais famosa entre consultores e especialistas em gestão financeira é clássica: “se você não mede, não consegue controlar; se não controla, não melhora”. Afirmação batida, é verdade, mas pertinente sempre que o assunto é dinheiro.

Como saber se você está exagerando em determinada área de sua vida se você não avaliar quanta energia e dinheiro está alocando nela? Não dá. O orçamento familiar nada mais é do que um registro do que acontece com seu fluxo de caixa – de onde vem e para onde vai sua grana.

O básico, portanto, significa registrar seus ganhos líquidos e suas despesas, mas sempre se lembrando de categorizar bem e com nomes que você compreenda, evitando “Outros”, “Diversos” e coisas afins. Resoluções financeiras requerem compromisso com a realidade, lembre-se sempre disso.

Leia também: Contas em atraso: qual a melhor opção para sair do vermelho?

3. Pagar mais à vista

Há quem defenda que pagar à vista não faz muito sentido quando o produto custa a mesma coisa para pagamento imediato e em muitas vezes. Trata-se de uma interpretação rasa do bom planejamento financeiro, por duas razões:

  • Todo pagamento a prazo embute um prêmio de risco: não faz sentido um produto custar a mesma coisa hoje e daqui 12 meses. A economia não será a mesma e muita coisa pode mudar, principalmente no Brasil;
  • O fator psicológico tem enorme influência no sucesso da educação financeira: pagar à vista não é só melhor quando se tem desconto, mas também como uma forma de tratar o orçamento. Se você tem dinheiro, compra; se não tem, junta. Isso faz muita diferença na fixação do hábito e criação de disciplina.

Experimente pagar mais à vista como uma forma de criar boas práticas de consumo, evitando o endividamento excessivo e o costume de jogar tudo para depois. É hora de assumir a responsabilidade e lidar com o bolso de forma direta.

4. Diminuir a quantidade de cartões de crédito

Não faz sentido “colecionar” cartões de crédito e esta é uma das resoluções financeiras mais importantes. Primeiro porque não é sinal de status ter um monte de cartões na carteira; segundo que você não vai conseguir usar todos eles como precisa para ter, de fato, vantagens através de seus programas de benefícios.

O cartão de crédito é uma ferramenta muito útil para centralizar o pagamento das contas e compras em uma única data – o vencimento da fatura. Logo, o essencial no planejamento é conhecer muito bem esta data e garantir que você terá dinheiro para pagar integralmente o que deve quando ela chegar.

A jogada aqui consiste em ter no máximo dois cartões de crédito, pois assim você consegue dividir seu mês em duas etapas iguais, de 15 dias cada, e programar suas compras de acordo com seu fluxo de caixa, podendo usar janelas específicas para comprar e jogar o pagamento para o mês seguinte.

Melhor que a poupança: Na Grão a rentabilidade é de 106% da poupança com mais segurança

5. Guardar dinheiro toda semana (ou todo mês)

Todo mundo é capaz de guardar dinheiro uma vez. Duas. Três. Fazer disso um hábito e manter a disciplina precisa estar na lista de resoluções financeiras todo ano. Sem falta. O objetivo é conseguir criar uma rotina de consumo consciente aliada ao potencial de juntar dinheiro.

O mais fácil é começar com pouco dinheiro e em intervalos mais curtos. Experimente guardar R$ 10,00 hoje, agora, e daqui dois dias repita isso. E de novo daqui quatro dias. E no quinto dia também. Guarde R$ 5 que seja. Faça isso repetidas vezes.

O processo de juntar dinheiro é absolutamente simples e sem mistério. É uma sequência de decisões simples de separar uma quantia antes que ela vire uma besteira no orçamento. Então lembre-se de tentar guardar a maior parte do dinheiro quando o salário cair, e viva com o restante.

6. Diminuir os gastos com água e luz

Um dos principais vilões do orçamento é o hábito. Os costumes da família ao tomar banho, usar secador de cabelo, deixar os aparelhos ligados mesmo sem uso, entre outros, parecem inocentes, normais, mas fazem “estrago” no orçamento.

A partir de janeiro de 2020, todos os brasileiros podem aderir à Tarifa Branca, uma opção interessante para consumidores capazes de fugir do gasto de energia nos horários de pico (entre 18h e 21h). Será que não é esse o seu caso?

A Tarifa Branca pode representar até 20% de economia na conta se você evitar os horários de pico, mas pode fazer sua conta subir se você não se atentar a este aspecto. Para mudar e experimentar, basta ligar para a companhia de energia de seu estado.

7. Não emprestar dinheiro (nem seu nome)

Claro que não poderia faltar nas resoluções financeiras de Ano Novo o ponto mais importante da educação financeira: você e seu nome. Para preservar o protagonista de tudo, lembre-se de não emprestar dinheiro para ninguém. E nem pensar em emprestar seu nome.

Se você tem condições financeiras apropriadas, gosta muito da pessoa e ela precisa, doe o dinheiro. Simples assim. Emprestar pressupõe receber de volta, e o desgaste com isso ao longo do ano pode custar sua paciência, a amizade e o dinheiro. O efeito psicológico disso é terrível.

Quanto ao seu nome, ele é simplesmente a coisa mais importante que você tem aqui neste plano de vida. Emprestá-lo para que alguém possa comprar alguma coisa é como se fosse possível se passar por outra pessoa. Esqueça, ninguém tem a mesma consideração pela sua vida que você.

Melhor que a poupança: Na Grão a rentabilidade é de 106% da poupança com mais segurança

8. Participar do Desafio 7 Dias para guardar dinheiro

Depois de tantas resoluções financeiras capazes de colocar você para refletir e agir de forma diferente em relação ao seu bolso, é hora de presentear você com uma experiência simples, porém poderosa: um desafio capaz de fazer você juntar dinheiro.

É assim: você guarda R$ 1 hoje, R$ 2 amanhã, R$ 3 no dia seguinte, R$ 4 no quarto dia, R$ 5 no quinto, R$ 6 no sexto dia e, finalmente, R$ 7 no sétimo e último dia. Em 7 dias, guardando R$ 1 a mais no dia em relação ao dia anterior, você terá juntado R$ 28. Você consegue?

Ah, mas não é guardar na carteira, no colchão ou no cofrinho não. É muito melhor e mais interessante que isso. Que tal usar um App que rende mais que a poupança, totalmente gratuito e seguro? Conheça a Grão e o Desafio 7 Dias (clique e participe).

Conclusão

Esqueça a ideia de revolucionar completamente seus hábitos no ano que começa ou de criar planos mirabolantes para finalmente juntar dinheiro e tomar o controle das finanças. Essas coisas são bonitas no Instagram, mas não funcionam na prática.

Para criar hábitos novos, prefira resoluções financeiras simples e práticas, como as que compartilhei hoje neste texto. Faça o que for possível, não o que parece incrível. Experimente!

Feliz Ano Novo, com dinheiro no bolso. De Grão em Grão, você realizará cada um de seus objetivos. Até a próxima!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários