A alta da Selic, o feijãozinho e o seu bolsoSe existe algo em que os economistas concordam no Brasil, é que o COPOM aumentará a taxa básica de juros hoje. Discute-se muito a necessidade e a magnitude do aumento (0,25%, 0,5% ou 0,75%?), mas sua mudança é dada como certa. Como você já sabe, o grande responsável pelo aumento é o perigo inflacionário, muito mais perigoso e ardiloso do que se supunha até pouco tempo.

Hoje foi divulgado o Índice de Preços ao consumidor (IPC), mantido pela Fipe, que sofreu forte elevação no mês de maio, saltando de 0,54% em abril para 1,23% no mês passado. É a maior variação do índice desde fevereiro de 2003, quando o indicador chegou a 1,61%. Naquele tempo, o fantasma inflacionário pegava carona na forte pressão do dólar frente ao real.

Os alimentos no centro da questão
O grupo alimentação puxou a corda inflacionária, chegando a acelerar 3,17% em maio. Dentro do grupo, destacam-se as altas de 22,16% do arroz, 4,61% da carne bovina, 5,08% do leite longa vida e 4,15% do pão francês. Já temendo perder o controle e as rédeas da situação, o governo, mesmo que timidamente, começa a dar alguns sinais de que percebe o quanto o problema é critico.

Dessa forma, na última semana foi anunciado um esforço fiscal adicional de 0,5% do Produto Interno Produto (PIB) como meta de superávit primário – termo usado pelos economistas para definir o dinheiro que um governo economiza para pagar os juros de sua dívida.

De acordo com a proposta, o excedente irá para o Fundo Soberano Nacional, que servirá justamente para retirar o dinheiro de circulação na economia, a fim de conter a demanda e reduzir a necessidade de aumentos de juros por parte do Banco Central. Deixemos o assunto Fundo Soberano para um novo artigo, já que sua necessidade é bastante questionada.

Copom baterá o martelo
A reunião do Copom será significativa, pois ditará a intensidade do processo de alta dos juros iniciada na última reunião. Confira no gráfico, criado pelo Banco Central, a evolução da Taxa Selic de 2005 até a última reunião, realizada no dia 16/04/2008:

Evolução da Taxa Selic desde 2005

Em linhas gerais, a taxa Selic é a média de juros que o governo brasileiro paga por empréstimos tomados dos bancos. A idéia é, através do aumento da taxa, tornar mais caro o crédito que os bancos oferecem aos consumidores – já que com Selic maior fica mais interessante aos bancos emprestar dinheiro ao governo.

A medida, obviamente, visa diminuir a atividade econômica do país, mas ao mesmo tempo alimenta o aumento da dívida pública, calcanhar de Aquiles do atual momento econômico do Brasil. A idéia é conter a escalada dos preços diminuindo o apetite dos consumidores.

Fique alerta e aproveite as oportunidades
Com o provável aumento da taxa Selic outras taxas de juros usadas no país, como a do cheque especial, crediário e cartões de crédito também tendem a subir. Portanto, muita atenção, pois, mais do que nunca, é hora de fugir das dívidas.

Em contrapartida, existem algumas possibilidades de alavancar os ganhos com alguns investimentos[bb]. Pois é, o aumento da Selic significa mais gás para a chamada renda fixa, com os populares CDBs por exemplo. Atenção especial também diante do Tesouro Direto, que se beneficia diretamente da alta da Selic. Até sexta-feira.

——
Ricardo Pereira é Analista Financeiro Sênior da ABET Corretora de Seguros, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários