Home Agronegócio Agricultores dos EUA lamentam não ter vendido mais milho antes do preço afundar

Agricultores dos EUA lamentam não ter vendido mais milho antes do preço afundar

O milho é a commodity mais comercializada do mundo e muitas vezes dá o tom para outras culturas

por Reuters
0 comentário
(Imagem: Reprodução/fietzfotos/Pixabay)

O fazendeiro de Illinois Dan Henebry se arrepende de não ter vendido mais de sua safra de milho no verão passado, quando o Meio-Oeste precisava de chuva e os preços estavam altos.

Ele não está sozinho.

Agricultores de todos os Estados Unidos estão se arrependendo de ter adiado a venda de milho depois que os campos secaram em maio e junho, alimentando expectativas de preços mais altos e colheitas menores.

Em vez disso, os preços despencaram quando as chuvas salvaram a safra. O tamanho e a velocidade do colapso dos preços afetaram os agricultores e deixaram seus silos cheios, com quantidades recordes de milho.

A queda mais acentuada do mercado em uma década em 2023 se estendeu até 2024, prejudicando a economia rural dos EUA.

Dois anos de preços altos e suprimentos de safra apertados, estimulados pelo clima global desfavorável e pela interrupção da guerra na Ucrânia, foram rapidamente revertidos.

(Imagem: freepik/@ aleksandarlittlewolf)
(Imagem: freepik/@ aleksandarlittlewolf)

Grandes colheitas recordes nos Estados Unidos e no Brasil, o aumento da concorrência pelas exportações de grãos dos EUA e a demanda doméstica limitada levaram a grandes quantidades armazenadas, levando os preços do milho nos EUA ao seu nível mais baixo desde novembro de 2020 na quarta-feira.

O milho é a commodity mais comercializada do mundo e muitas vezes dá o tom para outras culturas. A soja também caiu para seus preços mais baixos em mais de três anos em fevereiro.

Dez agricultores, economistas e analistas de mercado disseram que os produtores dos EUA calcularam mal quando mantiveram o milho em vez de fechar vendas.

A estratégia de “armazenar e ignorar”, de esperar por preços mais altos, não valeu a pena, fazendo com que alguns agricultores reduzissem a compra de equipamentos caros e plantassem menos milho.

As entrevistas também demonstram as decisões complicadas que os agricultores enfrentam ao determinar quando vender diante de possíveis perdas de safra.

Os preços futuros do milho, que se aproximaram de 6,30 dólares por bushel em junho, caíram para 4,10 dólares, depois que os agricultores dos EUA acabaram produzindo safras recordes.

“Gostaria de ter vendido muito mais”, disse Henebry.

Os produtores dos EUA mantinham incríveis 7,83 bilhões de bushels de milho em silos em suas fazendas em 1º de dezembro, o maior volume já registrado nessa data e um aumento de 16% em relação à mínima de nove anos em dezembro de 2022, segundo dados do governo dos EUA.

Globalmente, projeta-se que os estoques remanescentes atinjam uma máxima em cinco anos até setembro, depois de contabilizada a demanda dos setores pecuário, biocombustíveis e outros fins.

Henebry disse que ainda tem cerca de 40% de sua safra de 2023 armazenada, incluindo 30.000 bushels em sua fazenda no centro de Illinois.

Ele está pagando de 3 a 4 centavos de dólar por bushel por mês para manter outros 30.000 bushels em um armazém de grãos local. Em um ano normal, ele não teria nada armazenado lá, disse ele.

A estatal elevou a projeção para a segunda safra de milho a recordes 102,2 milhões de toneladas, contra 100,2 milhões estimadas anteriormente
(Imagem: freepik/@ freepik)

Antes de os preços despencarem no verão passado, Henebry disse que vendeu um pouco de milho por 5,50 a 5,70 dólares por bushel e depois por até 6,21 dólares por bushel entregue no elevador de grãos. Ele adiou outras vendas porque estava contando com o clima ruim para reduzir a produção e aumentar os preços.

No entanto, os preços caíram e Henebry disse que vendeu milho em dezembro por 4,60 dólares por bushel.

Fred Huddlestun, um fazendeiro de Yale, Illinois, disse que ainda tinha toda a sua safra de milho de 2023 armazenada no mês passado: cerca de 39.000 bushels em um armazém de terceiro e 25.000 bushels na fazenda. Os preços nunca atingiram as metas que ele estabeleceu para fazer vendas no ano passado, mesmo quando ele as reduziu.

“Fiquei pensando que o mercado subiria”, disse Huddlestun. “Vou acabar desistindo e começarei a vender se nada acontecer.”

Os agricultores têm espaço para guardar as safras depois de aumentar sua capacidade de armazenamento em 24% nas últimas duas décadas, chegando a 13,6 bilhões de bushels. O armazenamento de grãos dá aos produtoress mais controle sobre quando e como eles vendem.

Os analistas não esperam que um grande aumento na demanda reduza os estoques de milho. As exportações de produtos agrícolas e afins dos EUA caíram 10% em valor em 2023, atingindo o nível mais baixo em três anos, uma vez que a oferta abundante do Brasil e de outros países desafiou as vendas de exportação dos EUA.

A demanda do setor de carnes dos EUA, que alimenta os animais com milho, é limitada, uma vez que os criadores de suínos enfrentam uma demanda fraca por carne suína, enquanto os criadores de gado reduziram seus rebanhos devido à seca nas Grandes Planícies.

"Chuvas impedem o bom avanço da colheita no Paraná, sul de São Paulo e partes do Mato Grosso do Sul" (Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp)
(Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp)

A demanda por biocombustíveis, que normalmente responde por cerca de um terço da produção de milho dos EUA, também preocupa Rod Weinzierl, diretor executivo da Associação de Produtores de Milho de Illinois, à medida que os americanos compram mais veículos elétricos.

“Este ano, todas as bifurcações foram de baixa”, disse Matt Wiegand, corretor de commodities da empresa de gestão de riscos FuturesOne, em Nebraska.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.