Carros: a preocupante falta de segurança no BrasilNeste final de semana, a prestigiada agência de notícias Associated Press publicou uma reportagem bombástica em que, no próprio título, afirma que os carros brasileiros são comprovadamente letais.

O texto está sendo divulgado por diversos veículos no mundo e você pode conferir esta matéria em português no Jalopnik.

Para o leitor do Dinheirama, esse cenário não é novidade, considerando a nossa série de artigos automotivos e financeiros. Além de termos os carros mais caros do mundo, eles não oferecem, em grande parte, padrões mínimos de segurança.

1. O que a Associated Press concluiu?

Basicamente, a maioria dos carros brasileiros tem um grande potencial para fatalidades, o que resulta em uma taxa de mortalidade em acidentes quase quatro vezes maior do que nos EUA.

“Os culpados são os próprios carros, produzidos com soldas mais fracas, poucos equipamentos de segurança e materiais inferiores comparados aos modelos similares produzidos para os EUA e para os europeus”, aponta.

A matéria menciona opiniões de que faltam reforços estruturais e mais pontos de solda e que muitos veículos são construídos em plataformas com décadas de atraso. Esse cenário é ainda mais complicado no segmento dos populares, considerando que quatro dos cinco carros mais vendidos do Brasil não conseguiram passar em testes de colisão promovidos pelo Latin NCAP.

Boa parte dessa situação decorre das práticas das fabricantes que visam o aumento excessivo de seus ganhos, com uma margem maior do que no exterior, ao economizarem no processo produtivo.

Dessa forma, carros teoricamente semelhantes aos modelos do Primeiro Mundo acabam obtendo notas bem inferiores nos testes locais, em função da inexistência de atributos fundamentais do projeto original.

Mas o consumidor também tem sua responsabilidade, porque não tem consciência e não valoriza aspectos relacionados à segurança no momento da compra.

“Os fabricantes fazem isso porque os carros ficam mais baratos de se fabricar e a exigência dos consumidores brasileiros é menor; sua ciência sobre as questões de segurança é menor que na Europa ou nos EUA”, alerta a coordenadora do grupo independente de defesa do consumidor Proteste, Maria Ines Dolci.

As montadoras procuram defender-se alegando que cumprem com os requisitos legais, mas isso evidentemente não é suficiente por conta da legislação defasada. Os reflexos podem ser vistos nos crescentes números de mortes em função dessas características dos carros, aliadas às péssimas condições de trânsito e pavimentação no país.

A matéria destaca ainda que vítimas de acidentes cujos resultados poderiam ter sido evitados hesitam em promover ações judiciais.  Por fim, a reportagem destaca que seria necessário um forte clamor público e uma mudança de hábitos de consumo para forçar as fabricantes a equalizarem os padrões de segurança em relação ao mercado externo desenvolvido.

2. O que nós já havíamos concluído?

Em novembro de 2012, publiquei aqui no Dinheirama o artigo “Carros: O fator segurança e o bilionário que anda de popular”. Recomendo fortemente a leitura ou releitura deste texto.

Nele foram abordados os motivos pelos quais o fator segurança deve ter grande prioridade, bem como o cenário no Brasil e alguns aspectos relevantes (e pouco lembrados) para escolha de carros seguros.

3. O que você pode fazer na hora da compra?

Antes de tudo, é importante reiterar a responsabilidade dos consumidores, que deveriam escolher seus carros de forma mais consciente, como procuramos enfatizar no artigo Você e os carros mais caros e cada vez mais vendidos do mundo.

Além disso, essa escolha deve levar em conta os motivos essenciais para a compra. Esse tema foi destacado no artigo “Você compra seu carro por necessidade, status ou pelo preço? Ou tudo isso?”.

Procure, ainda, avaliar o que realmente importa para você e não seja influenciado pelo marketing.

Conclusão

“A diferença de que estamos falando é de alguém morto no veículo ou morrendo muito rapidamente, ou então alguém sendo capaz de sair do veículo sozinho.” – David Ward, diretor-geral da Fundação FIA.

A análise do fator segurança é um dos pilares do trabalho que tenho desenvolvido na consultoria automotiva pessoal Carro e Dinheiro. Como entendo que os valores “vida e saúde” estão acima dos outros, sempre procurei aperfeiçoar este foco.

Afinal, esse tema literalmente se refere a uma questão de vida ou morte. Somando-se o fato de que temos os carros mais caros do mundo, torna-se ainda mais importante saber empregar o seu dinheiro num veículo capaz de proteger a sua integridade física e da sua família.

Avalie cautelosamente todos os aspectos envolvendo a segurança na sua próxima compra e faça sua parte para melhorar a nossa realidade.

Obrigado pela atenção e até a próxima.

PS: Pensando nas pessoas que dão valor ao seu dinheiro e querem escolher bem os seus carros, foi publicado o livro digital Como Escolher o seu Carro Ideal (clique para detalhes), de minha autoria, que apresenta um roteiro completo para a definição de qual carro comprar, de acordo com o perfil de cada consumidor. Convido você a conhecer mais detalhes do livro clicando aqui.

PPS: Para ajudar você a controlar melhor os gastos crescentes com seu carro no dia a dia, eu também elaborei uma planilha completa e de fácil preenchimento, que pode ser baixada (gratuitamente) no seguinte link: http://bit.ly/PlanilhaCarro

Foto: divulgação.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários