Comprar um carro representa praticamente um sinônimo de liberdade, já que possibilita o deslocamento para onde quiser sem depender de transportes públicos. Considerando a realidade do nosso sistema de transporte – que é muito ineficiente -, isso se torna uma necessidade para grande parte das pessoas.

No entanto, embora ter um veículo traga muita comodidade, a decisão de adquirir o carro próprio deve ser muito bem pensada, avaliando os prós e os contras e observando sempre a real condição de arcar com os custos.

Um erro comum dos consumidores é só analisar o custo da compra ou a parcela do financiamento, esquecendo as outras despesas como combustível, IPVA, seguros, manutenção… Vale lembrar que, com planejamento e paciência, muitas vezes é possível formar uma boa reserva de dinheiro, que será fundamental no futuro de sua saúde financeira. 

Leitura recomendada: 5 dicas simples para gastar menos com seu carro

Segundo Leandro Mattera, fundador da consultoria automotiva Carro e Dinheiro e autor do livro digital “Como Escolher o Seu Carro Ideal” (clique e conheça), o ponto central para balizar a decisão de comprar um carro diz respeito à necessidade.

“Precisamos sempre lembrar que os bens que adquirimos devem, em primeiro lugar, suprir nossas necessidades”, ressalta Mattera. A dica é pensar na razão para comprar o carro. Procure responder algumas perguntas como: quais são as necessidades que serão atendidas com o veículo, como ele será utilizado, em quais tipos de vias, qual tamanho ideal, etc.

Outra análise que deve ser feita é sobre a qualidade do carro. Avalie as características do projeto, o ano de concepção, se o modelo escolhido tem boa durabilidade, se existe facilidade de manutenção da marca e se o carro é seguro. “Esses são alguns itens que permitirão que você fique mais tempo com o veículo, o que é mais interessante financeiramente”, diz Mattera.

O consultor também destaca que o fator segurança, item muitas vezes esquecido pelos consumidores brasileiros, deve ser analisado com muito cuidado. Nesse quesito, deve-se levar em conta os aspectos estruturais dos carros, a presença de itens relativos à segurança passiva e ativa e as notas que obtiveram nos testes de colisão.

Depois, é preciso realizar uma profunda análise sobre o impacto financeiro de um carro. Para isso, Mattera afirma que é preciso considerar a estrutura de preços dos carros no Brasil.

Leitura recomendada: Carros: planilha (gratuita) para você controlar os gastos – cada vez maiores no Brasil!

Ele explica que os impactos financeiros começam na hora da compra (envolvendo preço de aquisição e despesas no Detran), passam pelo período de propriedade (incluindo IPVA, licenciamento, DPVAT, seguro, consumo de combustível, manutenção e outras despesas esporádicas, como lavagem, multas, pedágio, taxa de inspeção veicular e estacionamento) e terminam na hora da venda, com a desvalorização efetiva, que sempre é elevada.

Após considerar todos os fatores acima, é hora de levar em conta o lado emocional. Segundo o especialista, embora seja extremamente importante que a escolha do carro seja feita de forma consciente, é preciso reconhecer o valor de comprar bens compatíveis com nossos desejos.

Nesse momento, leve em consideração seu gosto pessoal, aprecie o design e tudo aquilo que faz você se sentir bem e gostar de determinado modelo. O que não vale é seguir o padrão de pensamento que associa o carro a status. “Não procure impressionar vizinhos, colegas de trabalho, amigos e familiares. Lembre-se que ninguém é o carro que possui”, enfatiza Mattera.

Para ele, é possível conciliar a compra do carro com a busca pelo equilibro financeiro e construção de riqueza. “A riqueza não se manifesta apenas no lado material, ela tem outros aspectos. Não existe fórmula pronta, é preciso conhecer suas prioridades e se adequar com a realidade. Como passamos pela situação econômica mais grave da história, é essencial que haja consciência e planejamento para evitar amargos arrependimentos no futuro”, afirma Mattera.

Vídeo recomendado: Carro não é Investimento, é Bem de Consumo e gera despesas. Cuidado! 

Isabella Abreu
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários