Casamento e dinheiro: como ajustar a vida a dois

Casamento e dinheiro: como ajustar a vida a dois

Casamento e dinheiro: é difícil evitar as polêmicas mas é possível colocar em prática algumas questões importantes que garantirão a paz do casal.

Começo este texto com uma pergunta aparentemente inocente e simples envolvendo casamento e dinheiro: seu cônjuge sabe quanto você ganha e como você gasta o seu dinheiro?

Não? Isso não é da sua conta? Ou quem sabe você até tenha uma ideia de quanto ela(e) ganhe, embora nunca tenha perguntado e conversado sobre isso de forma direta e objetiva. Casamento e dinheiro não se misturam, afinal?

Quando duas pessoas decidem se unir, constituir família e daí em diante se comprometem a construir seus próximos sonhos de forma conjunta, isso significa que a nova realidade passa a ser de realização mútua, com um novo significado: sucesso agora só existe se a família progride.

Parece estranho ter que frisar que o casamento pressupõe comprometimento com o outro e uma visão conjunta de metas e realizações, mas o fato é que muitas famílias atualmente vivem mais como repúblicas do que como pessoas que realmente se amam.

Poupança Turbinada: Na Grão sua rentabilidade é de 106% abra sua conta grátis

Casamento e dinheiro: cadê o diálogo aberto?

Pense um pouco na sua rotina e em como as coisas estão cada vez mais aceleradas, com conteúdo disponível a todo instante e em todo lugar, informações e tentações cada vez mais na palma das mãos e pressa, muita pressa para atingir expectativas e resultados.

Neste cenário, muitos casamentos acabam existindo por mera comodidade. Morar juntos pode reduzir as despesas, dar mais segurança e até mesmo facilitar certas decisões pessoais, como ir ao trabalho ou continuar estudando por exemplo.

Não raro, muitos casais raramente se falam pessoalmente com alguma profundidade sobre temas delicados e importantes, lista esta que inclui as finanças, dentre outras coisas. É muita mensagem e áudios no Whatsapp, mas quase nenhum momento de olho no olho.

Será que estou exagerando ou o diálogo franco, aberto e honesto em relação aos sentimentos, sonhos, expectativas e aspectos práticos do dia a dia estão sendo transformados em palavras jogadas no App de conversa, mas não em ações, atitudes e escolhas diferentes? Seja sincero!

Leia também: Gastar menos do que ganha: ajuste seu padrão de vida

Casamento e dinheiro: a verdade é tão importante quanto o amor

Eu recebi, em um dos grupos de celular que participo sobre finanças pessoais, um vídeo com “dicas para fazer doação de bens para filhos sem que a nora (ou genro) tenham direito a alguma coisa”. As aspas são do conteúdo lá.

O mérito aqui não discutir se isso é certo ou errado, nem tampouco eticamente condenável ou até mesmo se parece imoral, mas abrir espaço para o alicerce fundamental de qualquer relacionamento duradouro: a verdade.

Você talvez tenha pensado no amor como ingrediente máximo, e compreendo perfeitamente seu pensamento. Acontece que o amor pode existir mesmo em ambientes onde falta respeito à verdade e, ainda que seja enorme, nunca é suficiente para levar longe uma família.

Como eu sei disso? Não sei. Trata-se da minha opinião como mero observador das pessoas, seus relacionamentos e histórias. Trata-se da minha interpretação diante de tantas consultorias financeiras realizadas ao lado de famílias de diferentes características e das leituras sobre este tema.

Onde não há compromisso com a verdade, não há compromisso com a realização e felicidade. No meu entender, não se pode evoluir e crescer tendo como alicerce a mentira. Por quê? Para mim, a mentira é a maior e mais descarada falta de respeito que pode existir entre duas pessoas.

Em um relacionamento sério, respeitoso e sincero, é preciso conhecer-se muito bem e lidar de forma verdadeira com a própria realidade antes de exigir que o cônjuge faça o mesmo – e isso inclui o aspecto financeiro.

Ouça: DinheiramaCast – Principais erros no planejamento financeiro e como corrigi-los

Casamento e dinheiro: finanças individuais, objetivos nem tanto

Abra o jogo. Não deixe que a verdade sobre a sua vida financeira seja descoberta por acaso ou depois de uma discussão, afinal isso só vai tornar aumentar a desconfiança e tornar o desejo de contar a verdade mais complicado.

  • Quanto você ganha?
  • Quanta ganha seu cônjuge?
  • Quanto vocês gastam, individual e conjuntamente falando?
  • As despesas são conhecidas? Não há nada estranho?
  • Existe um orçamento familiar sendo alimentado?

O caminho para lidar com as finanças pessoais em um casamento é o mesmo, mas há algo que deve ser considerado com carinho e interpretado do jeito certo: não se trata de ter que dar satisfação ao outro em relação ao bolso, mas de tomar decisões levando em conta o impacto da escolha também na vida do outro e da família.

Neste sentido, o principal é compreender que ambos precisam fazer seu controle financeiro individual. De cada orçamento, sairão recursos e informações para tomada de decisões pessoais, mas também familiares. Seu dinheiro continua sendo seu dinheiro, mas você não está sozinho.

Uma viagem dos sonhos em família, a compra da casa própria, a troca do carro ou a compra de um segundo veículo, são muitas as questões práticas que exigem comprometimento, dinheiro e atenção de ambos.

Objetivos familiares que podem ser precificados e avaliados em termos financeiros devem ser conversados com frequência, além de serem acompanhados de perto. A família está chegando perto de completar suas metas? Sim? Não? O que houve?

Muitas famílias consideram a criação de uma conta conjunta como uma boa estratégia para movimentar o dinheiro associado aos objetivos da família e seu dia a dia. Se funciona para você, ótimo; se parece interessante, vale experimentar.

Poupança Turbinada: Na Grão sua rentabilidade é de 106% abra sua conta grátis

Conclusão

Quando se trata de discutir casamento e dinheiro, é sempre muito difícil evitar polêmicas. Não porque o assunto seja complicado, mas principalmente porque ele é subjetivo e, em muitos lares, absolutamente evitado.

O tabu é muito mais difícil de quebrar que a ignorância sobre determinado assunto. Uma coisa é esconder-se da responsabilidade de abrir o jogo, de chamar o cônjuge para uma conversa séria; outra é não saber o que fazer depois de abrir essa “caixa de pandora”.

Insista. Tratar as finanças da família de forma organizada e frequente é essencial para alcançar objetivos financeiros e sonhos materiais. Como todo casamento, testes e desafios de diversas naturezas serão parte da jornada, e não será diferente com o bolso. Faça alguma coisa agora mesmo.

Atenção: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

Conheça, navegue e curta! Dinheirama no Facebook

Visite a página do Dinheirama no Facebook! Interação social, informações sobre eventos, chamadas ao vivo com nossos educadores financeiros e convidados, além dos nossos principais conteúdos, que ajudarão você a controlar melhor o seu dinheiro e enriquecer!

Clique aqui Ok