Cheque especial? Especial para quem?De acordo com a Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), a taxa de juros do cheque especial passou, em abril deste ano, para 7,40% ao mês ou descabidos 135,53% ao ano. Surge a pergunta que faz toda a diferença: você ainda acha que pagar um percentual de juros tão grande significa ser especial?

Quero crer que você respondeu “não” à pergunta do parágrafo anterior. Se ser especial significa sofrer esse assalto, imagina o que se faria com alguém não reconhecido como especial? Brincadeiras (sérias) à parte, o assunto merece uma boa reflexão, afinal essa linha de crédito não torna ninguém melhor ou pior do que qualquer um e a diferença se faz a partir da forma como você lida com essa situação.

Vida financeira planejada
Sempre falamos sobre a necessidade de ter uma vida financeira planejada, o que requer um mínimo de organização. Orçamento doméstico em dia, bem documentado faz muita diferença. Se essa questão é importante, não menos importante é a sua atitude[bb] com relação ao futuro e ao mundo financeiro que está em sua volta. O cheque especial não deveria entrar neste cotidiano.

Alguém com o mínimo de interesse, força de vontade e conhecimento jamais optaria por utilizar o cheque especial, afinal existem opções de crédito muito mais baratas que merecem ser consideradas. Mas isso depende, é claro, da pró-atividade de quem se preocupa e respeitam o próprio dinheiro.

Muitos brasileiros agem de forma ainda mais equivocada, pois contam com o cheque especial para fechar o orçamento do mês, incorporando o valor do limite ao padrão de vida e fazendo desta prática algo comum e rotineiro. Atenção, casos assim merecem atenção e cuidados redobrados. O crédito fácil é caro e não pode ser considerado renda.

Especial para os bancos, não para você!
Lembre-se que as instituições financeiras são empresas cujas receitas e faturamento vêm da venda de produtos financeiros, entre eles o crédito. Nós, como consumidores, não podemos baixar a guarda e apenas consumir tudo isso. Na prática, o cheque especial acaba sendo um produto que pode levar você e sua família à ruína financeira. Sério!

Quem passa por essa situação deve imediatamente colocar a vida financeira na linha, tendo como meta o fim do endividamento e a necessidade de investir[bb] no bem-estar e futuro de todos. Chega de pagar juros estratosféricos.

Use e abuse dos artigos do Dinheirama para definir seu padrão de vida e cortar o mal pela raiz. Se está pendurado(a) no cheque especial, busque uma forma mais barata de crédito, como empréstimo consignado ou mesmo um empréstimo pessoal (você pagará no máximo metade do que paga com o cheque especial), use esse dinheiro para pagar o cheque especial e jogue pesado com o banco: peça que o limite seja reduzido ao máximo.

Seu próprio cheque especial
A partir disso, seja seletivo com a sua vida financeira e crie o seu próprio cheque especial: sustente uma reserva financeira para emergências, que será utilizada sempre que preciso, em casos especiais, mas logo recomposta para que sempre haja saldo suficiente para livrá-lo dos apuros.

Atitudes inteligentes nem sempre precisam ser complexas. Está em nossas mãos alcançar sonhos[bb] e objetivos que trarão uma vida muito mais feliz. Aqui no Dinheirama, nos preocupamos de verdade com sua vida financeira e é nosso dever lembrar que você é especial não porque usa um produto financeiro com essa nomenclatura, mas porque você luta ao nosso lado, todos os dias, para mudar a cultura financeira do nosso país. Obrigado e até a próxima.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários