Como resistir às promoções e não fazer compras sem planejamento

Como resistir às promoções e não fazer compras sem planejamento

Como resistir às promoções? Existe alguma fórmula que ajuda a escapar dessas armadilhas de consumo? Você precisa ler esse artigo agora!

Gastar é muito mais gostoso que guardar, e isso está cientificamente comprovado. Comprar, portanto, é uma válvula de escape muito comum (e perigosa) diante da vida cada vez mais corrida e cheia de ansiedade. A conta final é caríssima.

O consumo como forma de pertencimento não é exatamente uma novidade ou um mal. O exagero é o que realmente complica tudo, como acontece com qualquer coisa na vida. Gastar demais é uma consequência e o comportamento na origem precisa ser trabalhado. Some a isso a ausência de planejamento, o desinteresse por educação financeira e os juros elevados no Brasil e temos um problemão. Qualquer promoção vira sinônimo de “preciso comprar agora” e parcelar qualquer comprinha vira um hábito corriqueiro.

Novo Livro: Quebre a Caixa, Fure a Bolha, de Conrado Navarro (clique aqui)

Como resistir às promoções: preço não é tudo

Você não deve comprar só porque está barato ou porque o preço parece irresistível. Ao criar na sua cabeça a desculpa de que “o preço nunca mais será tão atraente”, você se desarma totalmente do ponto de vista racional e deixa a emoção tomar conta.

Ah, sim, somos seres emocionais e é impossível ficar imune às tentações de consumo ou garantir que seu bolso será blindado de possíveis gastos fora do esperado. Não se trata de não gastar, mas de pensar mais a respeito das decisões financeiras tomadas no dia a dia.

Neste sentido, preço não é tudo. Na verdade, ele é parte importante da equação, mas não é a variável mais sensível quando se trata de educação financeira. A prioridade precisa ser o padrão de vida possível, não pagar o mais barato possível.

Você pode defender que pagar barato é sinônimo de economizar, mas isso só faz sentido se você pode realmente comprar. Economizar agora e criar um problema financeiro depois é ser ingênuo e não considerar o futuro. Não funciona e custa caro!

Leia também: Quero guardar dinheiro: qual é o melhor momento para isso?

Como resistir às promoções: planejamento é tudo

A discussão central neste nosso encontro hoje é: você não acorda e simplesmente sai pulando da cama pensando “hoje vou aproveitar a promoção e pagar barato no que eu achar por aí”. Mas na prática é isso que acontece com muitos brasileiros.

Andando na rua, você encontra um produto que “é a sua cara” e está em uma liquidação. Entra na loja. Experimenta. Toca o produto. Faz umas continhas de cabeça para diminuir a culpa. Compra. Parcelado.

Já foi. Você digitou a senha e nem se deu conta. Tudo aconteceu muito rápido, o “moedor de carne” da vida lembrando você das suas responsabilidades a todo instante, o celular recebendo mensagens a cada segundo, tudo “conspirando” para fazer você tomar uma decisão rápida.

Meu relato parece exagerado? Comprar sem querer ou sem sequer ter necessidade é a realidade de muitas pessoas. Quando dinheiro não é um problema, pode não fazer diferença, mas não é esse o retrato de nosso país.

O planejamento é a chave para evitar este tipo de comportamento. Você merece ter as coisas que deseja e faz todo sentido comprar aquilo que você quer, mas é essencial que a compra aconteça dentro de um contexto de organização e atitude envolvendo:

Resistência diante das tentações. A necessidade de resistir às tentações é óbvia e o foco aqui precisa ser agarrar-se totalmente a suas metas e objetivos, que serão a motivação para cumprir as outras etapas;

Tempo. Nós sempre queremos tudo agora, mas é óbvio que isso não é possível. Assim, definir metas e colocá-las em perspectiva temporal é tão importante quanto comemorar cada vitória ao chegar lá;

Decisão de guardar dinheiro. O horizonte de tempo precisa estar acompanhado da escolha consciente de juntar os recursos para comprar o que você quer. Você vai conseguir o que deseja, mas quando guardar o suficiente;

Negociação na compra. Conseguiu juntar o dinheiro, além de resistir às tentações? Ótimo. Agora é hora de negociar a compra e realizar o objetivo. E sabe o que pode ser curioso aqui? Talvez o preço não seja o mesmo de meses, semanas atrás. Pode ser mais caro e você talvez consiga pechinchar um desconto. Ou não. Mas agora você pode comprar e não vai prejudicar seu orçamento com uma compra fora de hora.

Repare que não estamos discutindo uma ferramenta específica para lidar com o seu planejamento e nem tampouco criando complicações envolvendo seu orçamento. A regra que gosto de usar é simples: se você tem dinheiro e planejamento, compre; se você não tem dinheiro, crie as condições primeiro.

Vale registrar suas receitas e despesas em uma planilha, app ou caderno. Vale escrever seu objetivo em um post-it e colar no cartão de crédito para lembrá-lo de seu compromisso consigo mesmo. Vale usar apenas o cartão de débito. Deu pra entender, né?

Assine nosso canal: http://www.youtube.com/dinheirama

Conclusão

O problema das compras por impulso não é o preço irresistível anunciado. As promoções vão sempre existir e você vai sempre ser atraído por elas. A questão é quanto você realmente prioriza o padrão de vida possível – sua realidade financeira.

O consumo daquilo que nos faz bem e feliz é muito importante, mas comprar não pode se tornar um sinônimo de terapia. O planejamento financeiro é a chave para resistir às tentações, embora isso não signifique que você vai se blindar completamente.

Se você conseguir definir e respeitar certos objetivos, comuns (da família) e individuais, respeitando seu orçamento e aprendendo a guardar dinheiro, também poderá comprar sem culpa e consumir sem medo.

Atenção: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

Conheça, navegue e curta! Dinheirama no Facebook

Visite a página do Dinheirama no Facebook! Interação social, informações sobre eventos, chamadas ao vivo com nossos educadores financeiros e convidados, além dos nossos principais conteúdos, que ajudarão você a controlar melhor o seu dinheiro e enriquecer!

Clique aqui Ok