Quero guardar dinheiro: qual é o melhor momento para isso?

Quero guardar dinheiro: qual é o melhor momento para isso?

Qual o melhor momento para guardar dinheiro? Conheça em detalhes o método do "Recebi, Investi" e comece hoje mesmo sua trajetória de sucesso.

Eu já ouvi quase todas as desculpas possíveis para adiar o importante hábito de guardar dinheiro. Coisas como “Quando eu ganhar melhor, começo”, “Quero guardar dinheiro quando eu me formar” e “Depois que a gente se casar, vamos começar o controle financeiro” são comuns.

Na prática, estes recados que você dá a você mesmo tem um significado diferente do que você imagina. O que está acontecendo é que você está adiando um compromisso importante com o seu futuro porque acha que você terá sempre tempo para começá-lo.

É curioso, mas é como se fosse um voto de confiança de que sempre dará tempo de começar a guardar dinheiro com resultados incríveis a partir de então. Na verdade, ninguém consegue garantir algo que ainda não aconteceu, por isso é tão importante começar agora. Hoje. Já.

Pense de outra forma: se você começar agora a guardar dinheiro, amanhã terá dinheiro guardado. Se deixar para começar amanhã, amanhece amanhã sem ter juntado nada. E são grandes as chances de o “moedor de carne” da vida cotidiana adiarem mais uma vez essa decisão.

Novo livro Conrado Navarro: Quebre a caixa, fure a Bolha (Pré-venda)

Quero guardar dinheiro: recebeu? Guarde!

Repare que estou tentando provocar você para o que é mais importante: ação no presente! Quanto você vai conseguir guardar, se vai alocar esse dinheiro em um produto simples, arrojado e por aí vai, tudo isso é secundário quando se trata de criar o hábito.

Então vem a parte mais simples e que eu mais gosto de defender: a melhor hora de guardar algum dinheiro é exatamente quando você tem contato com ele. Trocando em miúdos, o dia em que você recebe seu salário ou a maior parte de sua renda é também o melhor dia para separar e juntar parte dessa grana para outra coisa.

O fato de você “tirar parte do dinheiro da sua frente” cumpre duas funções na criação do hábito de juntar dinheiro:

Você guarda. O fato de separar parte da renda e guardar esse montante de fato o transforma em alguém que já sabe que não pode viver sem juntar dinheiro. Comemore, agindo assim você já é um investidor. Sim, isso mesmo! Parabéns!

Você se força a ajustar seu padrão de vida. O outro lado desta escolha é que você terá então que viver com a nova realidade de não ter toda a receita disponível para o seu mês. Se você ganha R$ 2.000,00 líquidos e separou R$ 100,00 assim que o dinheiro caiu, você precisa “tirar da sua cabeça” estes R$ 100,00. Sua renda para viver o mês é agora R$ 1.900,00. Lide com isso.

Eu sempre propago por ai o meu lema “Recebi, Investi”. Todos os especialistas em finanças pessoais alertam para a importância de “pagar-se primeiro”. É isso: ou você entende a importância de guardar assim que o dinheiro chegar, ou vai continuar usando justificativas para não tomar essa atitude.

Ouça: DinheiramaCast – Não cometa esses erros na sua declaração do imposto de renda

Quero guardar dinheiro: quanto antes começar, melhor

Suponho (espero) que agora você esteja um pouco mais preocupado(a) e muito mais interessado em começar logo a guardar dinheiro. Comece. Agora. Quanto antes você começar, melhor e a razão para isso se chama juros compostos. Mas não é só isso.

Quando você começa logo, pode guardar valores menores e aproveitar o tempo para multiplicá-los. Quando você guardar em um porquinho digital como a Grão, por exemplo, você garante que todo o dinheiro terá juros sobre juros, em um efeito de composição muito interessante no longo prazo. Aos poucos, depois de criar o hábito de juntar dinheiro, você vai querer diversificar seu patrimônio e isso é importante e saudável. Mas faça as coisas no tempo certo, e principalmente depois de entender e estudar seus próximos passos. Não invista aqui e ali porque seu amigo indicou ou porque está na “moda”.

Leia também: Ferramentas financeiras sozinhas não mudam o saldo de sua conta

Quero guardar dinheiro: a frequência é mais importante que o valor

Quando eu disse “mas não é só isso” na seção anterior, é porque não basta guardar dinheiro uma vez. Ou de vez em quando. O que realmente faz diferença na criação de patrimônio no longo prazo é a decisão de guardar sempre, com frequência definida e respeitada. Toda semana. Todo mês. Sempre.

Veja um exemplo simples: se você guardar R$ 1.000,00 agora, por 10 anos, a uma taxa mensal de 0,4%, terá depois do período o total de R$ 1.613,51. Neste caso, R$ 1.000,00 você guardou e os R$ 613,51 restantes são efeito dos juros compostos no período.

Agora imagine que você não tem os R$ 1.000,00 para começar, mas apenas R$ 100,00. A diferença é que você decidiu guardar estes mesmos R$ 100,00 todo mês, daqui até o final dos mesmos 10 anos. No final do período, você terá R$ 15.523,62. Deste total, você terá colocado R$ 12.100,00 e outros R$ 3.423,62 serão juros compostos.

Para efeitos didáticos, não estou descontando inflação ou avaliando possíveis oscilações nos exemplos dados aqui. O objetivo é mostrar o efeito dos juros compostos quando eles trabalham junto com os aportes constantes. Começar com R$ 1.000,00 pode ser mais difícil. Juntar este total para depois investir, ainda mais complicado. Começar com R$ 100,00 é mais plausível, certo? Legal, mas o lance é a disciplina para guardar todo mês – isso sim vai fazer muita diferença no longo prazo.

Conclusão

Não é quanto você ganha, nem o que você diz que sabe sobre investimentos e finanças pessoais em geral. Nada disso faz diferença se você não colocar em prática o hábito mais simples para o sucesso financeiro: guardar dinheiro agora. Está esperando o quê? Comece! Vamos juntos nessa jornada.

Atenção: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

Vídeos gratuitos sobre educação financeira TV Dinheirama

Aprenda de forma simples e interativa, alguns assuntos que irão fazer toda a diferença no dia a dia na sua relação com o dinheiro. Investimentos, finanças comportamentais, empreendedorismo, liderança, dicas práticas e muito mais. Clique no botão abaixo, assista e assine o canal gratuitamente para receber os novos videos diretamente no seu e-mail.

Assista grátis Ok