Home Finanças Pessoais Como Ter Conta Corrente Sem Cobrança de Tarifas

Como Ter Conta Corrente Sem Cobrança de Tarifas

por Daniel Meinberg
3 min leitura

Começo o texto com a boa notícia: sim, existem no mercado conta corrente sem tarifas. Elas são chamadas de contas eletrônicas. Possuem nomes comerciais diferentes em cada banco, mas estão lá, disponíveis em boa parte deles (digo boa parte porque o Banco Central não obriga os bancos a oferecer a abertura de contas nessa modalidade).

As contas eletrônicas não são as contas correntes de serviços essenciais (estas sim, os bancos são obrigados a oferecer). A conta de serviços essenciais possui limites de movimentações, mesmo por canais eletrônicos, mas permite alguns atendimentos presenciais sem custos. Clique aqui e confira os tipos de pacotes regulamentados pelo BC.

Já as contas eletrônicas permitem movimentações eletrônicas ilimitadas sem custos para o cliente, porém qualquer atendimento presencial pode ser tarifado. Para melhor explicar, as contas eletrônicas são contas em que todas as movimentações devem ser feitas por meios eletrônicos (as transações presenciais, em agências ou correspondentes bancários, como dito, são cobradas).

Assim, as contas eletrônicas exigem que as transações sejam feitas por Internet Banking, Mobile Banking (através de smartphone), telefone (atendimento eletrônico, pois se optar por falar com atendente há risco de tarifação, conforme o banco e o assunto) ou saques e pagamentos através de caixas eletrônicos.

Lembro ao leitor que esta modalidade não oferece talão de cheques. Se você realmente precisa usar talão de cheques, esta modalidade não é interessante para você. Neste caso, talvez uma conta de serviços essenciais seja mais apropriada – perceba que para cada perfil de cliente existe uma oferta de serviços mais adequada.

Reforço que a grande vantagem das contas eletrônicas é a isenção de tarifas bancárias para quantidade sem limites de transações nos meios acima, incluindo saques, TED, DOC e etc. Entendo que sejam muito adequadas para aquelas pessoas que já se familiarizaram com o uso dos canais eletrônicos.

Você pode estar pensando: “Se não existe almoço grátis (leia sobre isso), então como os bancos ganham dinheiro com esta modalidade”? Simples: na oferta de outros serviços que podem ser agregados, como o cartão de crédito, empréstimos, financiamentos, seguros, consórcios, planos de previdência, títulos de capitalização, dentre outros serviços bancários não cobertos.

Aliás, sobre títulos de capitalização, um parêntesis: em minha opinião, título de capitalização é um produto que deveria ser proibido, retirado do mercado, pois rende menos que poupança. O apelo são os sorteios, eu sei, mas não se trata de investimento (clique aqui para entender porquê). Fecha parêntesis.

Acredito que vale a pena pensar na ideia de ter uma conta corrente tipo eletrônica e passar a usá-la, pois essa escolha gera economia. Eu particularmente acho melhor economizar deixando de pagar tarifa para banco do que cortando o cafezinho, por exemplo.

A mensagem que gostaria de passar hoje é simples: você deve conhecer bem quais são as suas necessidades em termos de serviços financeiros e, assim, buscar economizar no pagamento de tarifas. Quem sabe as contas eletrônicas não se encaixem em seu perfil e você possa simplesmente parar de pagar taxas? Já escrevi sobre a escolha do pacote de tarifas por aqui (clique e leia). Fique esperto!

Informe-se dos detalhes da conta eletrônica do seu banco, pesquisando por conta própria e pergunta ao gerente de conta. De um modo geral, para abrir uma conta corrente deste tipo ou migrar de uma tradicional para uma eletrônica, basta procurar sua agência e solicitar a migração.

Mesmo para os bancos que oferecem a pré-abertura da conta é fundamental, essencial e imprescindível a assinatura do contrato na agência – preste sempre atenção ao que assina. Obrigado e até a próxima.

Foto “Financial data”, Shutterstock.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.