Home Empresas Decisão do TCU sobre outorga da Rumo reforça posição do governo sobre Vale e MRS, diz Renan Filho

Decisão do TCU sobre outorga da Rumo reforça posição do governo sobre Vale e MRS, diz Renan Filho

O acordo com a Rumo foi fechado no âmbito da Secretaria de Controle Externo de Solução Consensual e Prevenção de Conflitos

por Reuters
0 comentário
(Imagem: Reprodução/Facebook/Rumo)

A decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) de aprovar, na quarta-feira, um acordo entre o governo federal e a concessionária de ferrovias Rumo para pagamento integral da outorga devida pela renovação antecipada de concessão reforça a posição do governo nos pleitos com a Vale (VALE3) e a MRS, disse à Reuters o ministro dos Transportes, Renan Filho.

“O acordo feito com a empresa diretamente é um entendimento entre as partes, então não é vinculante, mas o voto do relator Vital do Rêgo deixa claro que não é possível abater da outorga antecipadamente ativos não amortizados, que é a nossa argumentação”, disse o ministro sobre o voto do relator no âmbito da decisão do TCU.

O ministro explicou que a decisão do tribunal vai fazer com que sua pasta apresente uma nova provocação ao TCU em relação aos casos da Vale, que opera a ferrovia de Carajás ao porto de Vitória, e MRS, que opera malha em Minas Gerais. Ao contrário da Rumo (RAIL3), que já havia concordado com o pagamento, as outras duas empresas ainda estão resistentes, conforme mostrou a Reuters em reportagem neste mês.

“Vamos convidar as outras duas empresas para discutir a situação”, disse o ministro, lembrando que se não houver conciliação o caso pode virar um processo no TCU ou até mesmo ir para a Justiça.

O acordo com a Rumo foi fechado no âmbito da Secretaria de Controle Externo de Solução Consensual e Prevenção de Conflitos, criada este ano pelo presidente do TCU, Bruno Dantas, para fazer a conciliação de litígios entre o governo federal e empresas. O voto de Vital do Rêgo foi acompanhado por sete dos nove ministros.

O governo federal espera receber das empresas 40 bilhões de reais no total em outorgas não pagas na renovação antecipadas das concessões. Segundo Renan Filho, o governo pretende usar os recursos a serem pagos pelas empresas para financiar um fundo para renovação e ampliação da malha ferroviária no país.

(Imagem: Reprodução/Facebook/Rumo)
(Imagem: Reprodução/Facebook/Rumo)

Ao fazer os acordos com o governo passado, do ex-presidente Jair Bolsonaro, as empresas Vale, MRS e Rumo receberam descontos quase integrais nas outorgas por ativos ainda não amortizados, já que as concessões não tinham se encerrado. Os contratos foram renovados por mais 35 anos.

Ao anunciar o acordo fechado no TCU, na quarta-feira, a Rumo disse que a recomposição do equilíbrio econômico-financeiro do contrato, no valor de cerca de 1,17 bilhão de reais, inclui 500 milhões a serem convertidos em investimentos na própria malha ferroviária operada pela companhia.

Questionada a respeito das declarações do ministro, a Vale ressaltou que não é parte do processo da Rumo analisado pelo TCU e afirmou que “novas decisões do tribunal precisam estar em sintonia com decisões anteriores e com os contratos assinados, preservando a estabilidade jurídica e o princípio do ato jurídico perfeito”.

A mineradora disse ainda que “continua cumprindo com as obrigações decorrentes da renovação antecipada das ferrovias Estrada de Ferro Vitoria a Minas e Estrada de Ferro Carajás em 2020”.

Também procurada, a MRS disse que a prorrogação antecipada da sua concessão foi chancelada pelo TCU após a elaboração dos estudos técnicos por parte da agência reguladora ANTT e da realização de uma série de audiências públicas para aprimoramento do processo.

“Ressalta, ainda, que concluiu o primeiro ano do novo contrato entregando as obrigações previstas em seu plano de investimentos que já trouxeram ganhos na capacidade e produtividade do acesso ferroviário ao Porto de Santos e em uma série de obras para mitigação de conflitos urbanos em três municípios”, afirmou.

Sobre a decisão do TCU relativa à Rumo, a MRS disse que não teve acesso ao acórdão e inteiro teor do voto.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Faça parte da rede “O Melhor do Dinheirama” com as melhores análises e notícias

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.