Casamento e Dinheiro! Casais e suas Finanças!Artigo escrito pelo leitor Arthur Gouveia*

Fiquei impressionado com a receptividade e repercussão, do artigo anterior “Parcelar desejo ou parcelar conta?”, no que se refere à forma como eu e minha esposa tratamos a compra de móveis para a casa. Assim, resolvi falar um pouco mais sobre as finanças no dia-a-dia de um casamento.

Uma das grandes causas de brigas entre casais é a famosa conta corrente “no vermelho”. Isso não é novidade para ninguém. Quem nunca discutiu com um(a) parceiro(a), por questões financeiras, que atire a primeira pedra. Eu, um cidadão casado e sem formação psicológica, acredito que as coisas poderiam ser amenizadas ou mesmo resolvidas com um pouco mais de comunicação e diálogo.

Você sabe o quanto seu(sua) parceiro(a) ganha?
Nem todas as pessoas gostam de divulgar seus rendimentos, mas isso é fundamental para que o casal possa se planejar financeiramente. Tudo fica pior quando o “bolo” cai em uma conta conjunta. O Navarro já falou sobre finanças para casais em um post muito interessante, onde defende o uso da conta conjunta. Tudo bem, paga-se menos tarifas nos bancos, mas eu e minha esposa não usamos de tal “facilidade”. Que bom que é possível discordar dele, em seu próprio blog. Ao invés de usar uma conta conjunta, dividimos as despesas.

Uma fórmula simples (e pessoal)
O uso de uma conta conjunta exige muita dedicação e comunicação. Lembre-se de que parte de suas receitas deve ser gasta com você! Isso mesmo, com você! Eu sempre digo que, ao casar, três novas entidades tomam forma: ele, ela e ambos. Não perca sua individualidade. Claro, parte das receitas de cada um deve ser gasta individualmente, parte deve ser usada em gastos comuns e parte em investimentos pensando no futuro.

Aqui, cada um tem uma certa quantidade de contas a pagar. Eu pago a Internet, o financiamento do apartamento e o condomínio. Ela, a energia. O supermercado pagamos com um cartão de crédito exclusivo e, assim como o telefone, pagamos no esquema “um mês eu, um mês ela”. Utilidades domésticas são responsabilidade dela, desde que o preço esteja dentro do orçamento. Se for algo de valor substancial, sentamos e negociamos. O cinema, o jantar, os passeios, ficam quase sempre por minha conta. As vezes ela paga, as vezes cada um paga o seu.

Sobra alguma coisa?
Depois de pagas todas as contas e satisfeitas as condições de investimento, o que sobra do salário (e sempre sobra!) é de cada um. Eu faço com meu dinheiro o que eu quiser. Ela tem a mesma atitude com o dinheiro dela. Eu tenho uma estratégia de investimentos, ela tem outra. Ela adora comprar sapatos, eu adoro comprar livros. Ela investe na caderneta de poupança, eu invisto em ações. Conversamos e pesquisamos muito antes de comprar algo e, no fim, dividimos as contas.

O segredo está no papo
Converse com seu(sua) parceiro(a). Deixe claro seus projetos e objetivos. Fale sobre o carro que você quer comprar, sobre o lindo vestido que te chamou a atenção, sobre o plano de previdência que pretende contratar. Converse, fale de seus projetos, desejos e necessidades. Fale de dinheiro. Peça para dividir as contas. Não é questão de vergonha, mas de inteligência financeira. Claro, tente dividir de forma justa. Se você ganha mais, deve pagar mais!

Casar é vantajoso financeiramente. Para os dois! É melhor, e mais fácil, manter uma casa usando o trabalho em equipe. Isso se chama economia de escala. Resumindo, case, abra os valores de seu contracheque, divida as despesas, invista um pouco para o futuro e o que sobrar é seu. Use com moderação.

————–
* Nota:
A opinião do leitor não representa, necessariamente, a opinião do autor do blog, Conrado Navarro. Este espaço é aberto a todos que queiram participar. Envie seu artigo para avaliação e tenha sua história publicada. A discussão em torno da educação financeira só tende a melhorar suas decisões. Vamos lá, o que está esperando?

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários