Dinheiro traz felicidade? Qual o preço da felicidade para você?A revista ISTOÉ de 15 Set/2010, edição no 2131, trouxe uma pesquisa de economistas e estatísticos feita com 450 mil americanos, publicada pela revista científica PNAS, mostrando que “para ser feliz, o importante não é ser rico, mas sim, não ser pobre”. O ganho mensal para essa suposta tranqüilidade giraria em torno de R$ 11,3 mil. Qualquer valor acima desse não mudaria muito o grau de felicidade. Será?

Após atingirem esse piso salarial, outros itens que também trariam a felicidade seriam:

  • “Ser religioso”;
  • “Possuir plano de saúde”;
  • “Felicidade de ter filhos”.

Como é interessante e variável o conceito de felicidade[bb] para o ser humano! No caso da pesquisa acima, 450 mil americanos acreditam que ao receber mensalmente quase R$ 12 mil (valor convertido a partir do dólar, moeda usada na pesquisa) sua a felicidade atingiria um patamar estável.

Trazendo para o Brasil essa conversa, confesso que para mim é difícil estipular um piso salarial em que a felicidade é garantida. Conheço muitas pessoas que recebem um salário mínimo e dá para ver em seu rosto e na sua postura diante da vida que são felizes. Conheço outras que, mesmo vivendo uma condição financeira satisfatória, ainda estão à procura da felicidade e da realização pessoal.

Uma verdade vigente é que a maioria das pessoas acaba “medindo” a felicidade, principalmente a alheia, através do carro do ano, da casa na praia ou do celular de última geração que ela carrega. Muitos brasileiros veem no consumo a oportunidade de acariciar sua felicidade e utilizam o cheque especial todo mês somente para manter a imagem de pessoas felizes e com grande poder de compra.

Essa conduta é perigosa e acaba levando milhares de brasileiros a um alto nível de endividamento. Pior é a infelicidade de ter o nome no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). O que acontece? Será que elas não estão preocupadas com o valor imensurável de uma vida até mais simples, mas repleta de riquezas morais e afetivas? Isso sim vale a pena ser discutido!

É claro que ganhar um salário alto traz benefícios e mais qualidade de vida, mas a discussão aqui é o quanto preciso receber para ser supostamente mais feliz. Eu vejo essa situação por outro ângulo: acredito que o acumulo de capital[bb] é uma questão de valor pessoal. O Navarro publicou um artigo interessante sobre isso: “Quanto é ser rico? E muito rico?”.

O conceito de riqueza sofre as influências da subjetividade e o mais importante nessa vida é ter brilho nos olhos, atitude positiva, autoestima legal, o desejo de estar bem consigo e com seus afetos. O dinheiro é resultado disso e de muito trabalho!

Estou convencida de que não importa qual seja salário, o importante é saber lidar bem com o dinheiro em busca de dias melhores para todos. Você concorda? Você acredita que é possível estabelecer um valor de salário determinado para conseguir a felicidade estável? Existe felicidade estável?

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários