Home Mercados Dólar sobe ao maior valor desde março de 2023 com redução da meta fiscal e exterior

Dólar sobe ao maior valor desde março de 2023 com redução da meta fiscal e exterior

O dólar à vista fechou o dia cotado a 5,1835 reais na venda, em alta de 1,21%

por Reuters
0 comentário

O dólar (USDBRL) à vista emplacou nesta segunda-feira a quarta sessão consecutiva de alta e encerrou no maior valor ante o real desde março do ano passado, após dados do varejo dos EUA reforçarem a perspectiva de juros altos por mais tempo e o mercado receber com pessimismo a redução da meta fiscal brasileira para 2025.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 5,1835 reais na venda, em alta de 1,21%. Este é o maior valor de fechamento para a moeda norte-americana desde 27 de março de 2023, quando encerrou em 5,2075. Em abril, a divisa acumula elevação de 3,35%.

Em abril, a divisa acumula elevação de 3,35%.

Às 17h09, na B3 o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 1,27%, a 5,192.5 reais na venda.

 O dólar à vista emplacou nesta segunda-feira a quarta sessão consecutiva de alta e encerrou no maior valor ante o real desde março do ano passado, após dados do varejo dos EUA reforçarem a perspectiva de juros altos por mais tempo e o mercado receber com pessimismo a redução da meta fiscal brasileira para 2025.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 5,1835 reais na venda, em alta de 1,21%. Este é o maior valor de fechamento para a moeda norte-americana desde 27 de março de 2023, quando encerrou em 5,2075. Em abril, a divisa acumula elevação de 3,35%.

Às 17h09, na B3 o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 1,27%, a 5,192.5 reais na venda.

O dólar oscilou em alta durante praticamente todo o dia. Às 9h01, a divisa à vista marcou a cotação mínima de 5,1036 reais (-0,35%), mas na sequência começou sua escalada, intensificada pela divulgação de mais dados fortes sobre a economia norte-americana.

O Departamento do Comércio dos EUA informou que as vendas no varejo aumentaram 0,7% em março, acima do 0,3% projetado por economistas ouvidos pela Reuters. Já os dados de fevereiro foram revisados para alta de 0,9%, em vez do 0,6% informado anteriormente.

(Imagem: Reprodução/Freepik/@pvproductions)
(Imagem: Reprodução/Freepik/@pvproductions)

Os números reforçaram a avaliação de que o Federal Reserve adiará o início do processo de corte de juros, o que fez os rendimentos dos Treasuries avançarem e o dólar subir ante quase todas as demais divisas globais.

Internamente, havia ainda o desconforto com as notícias de que o governo Lula reduzirá a meta fiscal para 2025 de superávit de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) para resultado primário zero.

Durante a tarde, em entrevista à GloboNews, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, confirmou a meta zero para o próximo ano, o que foi mal recebido pelo mercado.

“Pela manhã vieram os dados do varejo norte-americano, mais uma vez comprovando a força da economia dos Estados Unidos. Isso se juntou à cena geopolítica mais delicada”, comentou Cleber Alessie Machado, gerente da mesa de Derivativos Financeiros da Commcor DTVM, em referência aos receios de um conflito mais amplo no Oriente Médio, após o Irã atacar Israel no fim de semana.

“Localmente, a redução da meta fiscal de 2025 completou o cenário de ‘tempestade perfeita’ para o real”, acrescentou Machado.

Às 14h29, enquanto Haddad ainda participava da entrevista na TV, o dólar à vista marcou a máxima de 5,2089 reais (+1,71%), em meio ao mal-estar dos investidores com a mudança na meta fiscal.

Operador ouvido pela Reuters disse que Haddad “azedou mais” o mercado de câmbio, que já vinha pressionado pelo exterior.

Na entrevista Haddad também classificou o cenário global como “desafiador” e citou que o dólar está próximo dos 5,20 reais. “Mas daqui a pouco volta ao normal”, acrescentou.

(Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp)
(Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp)

No fim da tarde, em evento em Nova York, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, avaliou que existe atualmente um movimento de reprecificação global. Segundo ele, por ser uma moeda mais líquida, o real também é afetado mais rapidamente pela reprecificação.

Às 17h31, o índice do dólar que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas — subia 0,25%, a 106,220.

Pela manhã, o Banco Central vendeu todos os 12.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados para rolagem dos vencimentos de julho.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.