Home Mercados Dólar estavel antes de ata do Copom

Dólar estavel antes de ata do Copom

Às 17h11, o índice do dólar que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas caía 0,10%, a 105,220

por Reuters
0 comentário

A expectativa antes da divulgação, na terça-feira, da ata do último encontro do Copom engessou o mercado de moedas e fez o dólar (USDBRL) terminar a sessão desta segunda-feira muito próximo da estabilidade ante o real, ainda que pela manhã as cotações tenham ensaiado um ajuste de baixa um pouco maior.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 5,1515 reais na venda, em leve queda de 0,12%. Em maio, a divisa acumula baixa de 0,79%.

Às 17h10, na B3 o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,32%, a 5,158 reais na venda.

Após três avanços consecutivos, com o mercado reagindo à decisão da semana passada do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, o dólar iniciou a segunda-feira ensaiando um ajuste de baixa.

A moeda norte-americana à vista atingiu a cotação mínima de 5,1237 reais (-0,66%) às 10h46, com alguns investidores realizando lucros, ajudados pelo recuo do dólar ante outras divisas no exterior.

No início da tarde, porém, o dólar à vista já havia se reaproximado da estabilidade ante o real, em meio à expectativa pela divulgação da ata do Copom, na terça-feira. Na máxima do dia, às 12h48, a divisa marcou 5,1659 reais (+0,16%).

“Temos visto um aumento da volatilidade de modo geral. As próprias opções têm mostrado isso, com aumento da vol (volatilidade implícita)”, pontuou durante a tarde Cleber Alessie Machado, gerente da mesa de Derivativos Financeiros da Commcor DTVM.

“Só que a gente tem hoje (segunda-feira) alguma cautela extra em função da ata do Copom amanhã. Embora a gente tenha visto alguma postura positiva mais cedo, ao que tudo indica o mercado quer ficar neutro para aguardar a ata”, acrescentou.

A cautela predominou porque o mercado buscará na ata um esclarecimento sobre a divisão acirrada no último encontro do Copom, quando cinco dirigentes votaram pelo corte de 25 pontos-base da taxa básica Selic, para 10,25% ao ano, e quatro defenderam redução de 50 pontos-base.

Como todos os quatro que defenderam corte menor foram nomeados já no governo Lula, a interpretação do mercado em um primeiro momento foi de que em 2025, quando este grupo se tornar maioria entre os nove integrantes do Copom, o BC poderá se tornar mais leniente com a inflação. Daí a forte pressão de alta para o dólar nas três sessões anteriores.

Profissionais ouvidos pela Reuters disseram que a ata poderá reforçar este receio o que tende a manter o viés de alta dos juros futuros e do dólar ante o real ou amenizá-lo.

No exterior, a expectativa gira em torno da divulgação de dados importantes de inflação nos EUA nas próximas sessões: preços ao produtor na terça-feira e preços ao consumidor na quarta-feira.

No fim da tarde desta segunda-feira, o dólar se mantinha em queda ante as divisas fortes e ante boa parte das moedas de exportadores de commodities e emergentes.

Às 17h11, o índice do dólar que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas caía 0,10%, a 105,220.

Pela manhã o BC vendeu todos os 12.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados para rolagem dos vencimentos de julho.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.