Home Mercados Dólar firma queda ante real após aprovação do arcabouço

Dólar firma queda ante real após aprovação do arcabouço

Na B3, às 11:10 (horário de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,72%, a 4,9090 reais.

por Reuters
0 comentário

O dólar abandonou a estabilidade de mais cedo e passou a cair acentuadamente em relação ao real nesta quarta-feira, refletindo a aprovação do arcabouço fiscal pelo Congresso e a redução de temores sobre a política monetária do Federal Reserve após dados mornos dos Estados Unidos.

Às 11:10 (horário de Brasília), o dólar à vista recuava 0,73%, a 4,9010 reais na venda.

Na B3, às 11:10 (horário de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,72%, a 4,9090 reais.

A Câmara dos Deputados concluiu na noite de terça a votação do novo arcabouço fiscal, medida prioritária para o governo que, embora tenha conseguido vê-la aprovada, não pôde manter na proposta dispositivo que alterava o cálculo do prazo da inflação e abriria um espaço de até 40 bilhões de reais no Orçamento de 2024.

Segundo Márcio Riauba, gerente da mesa de operações da StoneX, a exclusão desse dispositivo “é positiva” e um dos vetores de pressão sobre o dólar neste pregão.

O texto do marco fiscal, que agora segue à sanção presidencial, mantém, no entanto, alteração promovida por senadores que exclui do conjunto das despesas o Fundeb e o Fundo Constitucional do Distrito Federal.

Num geral, a percepção do mercado é que de, “com a agenda do governo no Congresso sendo destravada, a tendência… é que os ativos consigam se recuperar”, disse equipe da Guide Investimentos em nota nesta quarta-feira.

No exterior, depois de ter tocado uma máxima em dois meses contra uma cesta de pares fortes mais cedo, o dólar passou a rondar a estabilidade após dados mostrarem que a atividade empresarial nos Estados Unidos aproximou-se em agosto da estagnação, com o crescimento no ritmo mais fraco desde fevereiro.

Segundo operadores, essa leitura pode diminuir a possibilidade de o Federal Reserve optar por uma trajetória de política monetária mais restritiva do que o esperado pelos mercados cenário que, somado a sinais de fraqueza econômica na Europa e na China, tenderia a sustentar o dólar.

“Os Estados Unidos (seguem) mantendo sua taxa de juros mais alta por um período prolongado… se aumentar um pouquinho mais, acaba diminuindo a diferença de juros e o dólar acaba sendo atrativo para todos os investidores”, explicou Riauba, da StoneX.

Juros mais altos nos Estados Unidos podem prejudicar o apelo de “carry trade” de moedas consideradas arriscadas, que é o retorno adicional que investimentos denominados nessas divisas mais rentáveis oferecem quando comparados a aplicações lastreadas em dólar.

Operadores aguardam agora o discurso do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, no final desta semana no Simpósio de Jackson Hole, em busca de pistas sobre a trajetória da política monetária.

Na véspera, o dólar caiu 0,84%, a 4,9372 reais na venda, recuo mais acentuado desde 24 de julho (-0,98%).

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.