Juliano comenta: “Navarro, vivi na pele um dos problemas que você tanto fala em relação ao dinheiro. Sem reserva nenhuma, perdi o emprego e demorei quase seis meses até conseguir um novo trabalho. Acabei tendo que entrar em uma vaga inferior à que eu estava e vou demorar um pouco mais para voltar ao patamar anterior. Achei importante fazer o alerta porque outros leitores devem viver situação semelhante, não? Abraços”.

O problema das emergências é que elas acontecem, mas são imprevisíveis. No sentido financeiro, no entanto, a realidade não é tão aleatória assim. Muitas situações complicadas de endividamento e emergências financeiras acontecem em decorrência do descontrole, da falta de interesse e do modo carpe diem de viver a vida, tão na moda hoje em dia.

Tome, por exemplo, a chegada do fim de ano e sua virada, com tudo o que envolve esses períodos. Festas, Natal, Réveillon, Viagens, Férias, IPVA, IPTU e material escolar, não é isso o que vem à sua cabeça? Despesas, despesas e mais despesas. Mas não é assim todo santo ano?

O resultado do exemplo acima é quase sempre o mesmo: o 13º Salário quase não serve para nada, as compras de Natal e a viagem de Réveillon são pagas com crédito (ao melhor estilo “No ano que vem pago isso”) e o orçamento familiar é simplesmente ignorado.

Chega janeiro e o dinheiro acaba, enquanto as dívidas aumentam e com ela os níveis de angústia e ansiedade. O IPVA por pagar é parcelado e mais dinheiro emprestado é usado para “manter a roda girando”. O cidadão desanima, “chuta o balde” e passa a reclamar de tudo, sem admitir sua responsabilidade. A vida continua. Amarga, mas continua…

Leitura sugerida: Final de ano chegando? Hora de apostar no planejamento financeiro

O “piloto automático” da vida custa caro

Se sempre acontece o que descrevi nos parágrafos anteriores, por que é que todo ano sofremos com isso? Se sabemos que no ano que começa a situação vai se repetir, por que não fazemos diferente e evitamos os mesmos problemas? Porque falta interesse e atitude associados ao planejamento financeiro.

Mais do que isso, falta definir melhor os limites do orçamento familiar e estabelecer prioridades para os próprios recursos. Viver a vida no “piloto automático” significa consumir sem questionar e reagir em vez de agir, o que termina em sonhar sem capacidade de realizar.

Pois é, “piloto automático” é o que fazemos quando temos problemas e simplesmente os ignoramos para manter a pose e a impressão de sucesso vista pelos outros. As convenções sociais (dar presente no Natal, sempre viajar no Réveillon e nas férias, ter carro etc.) custam caro, e não apenas em dinheiro.

Leitura sugerida: Redes Sociais e Status, uma combinação perigosa para o bolso

O descaso com a reserva de emergência pode arruinar a vida

“A maioria das pessoas não planeja fracassar; fracassa por não planejar”John L. Beckley

Faz sentido colocar-se em grave situação financeira por conta da artificial necessidade de sucesso? A decisão de mostrar-se bem-sucedido (ainda mais hoje, com as redes sociais) costuma arruinar carreiras inteiras e até mesmo o relacionamento familiar. É fácil entender porquê, acompanhe.

Sem reservas financeiras de qualquer tipo, ao perder o emprego ou sofrer um revés profissional, qualquer pessoa terá que sair procurando por um novo trabalho. Qualquer trabalho. Não raro, a opção encontrada a tempo de sobreviver e manter alguma dignidade implica cargos/posições inferiores e salários mais baixos.

Em um cargo inferior, com dívidas para pagar e desmotivada, este profissional acaba se acomodando e demora para “acordar”. Muito tempo passa até que ela se dá conta de que não progrediu como poderia e que isso não ocorreu por sua responsabilidade (ou falta dela). É trágico, mas real: uma carreira inteira abreviada.

Isso sem contar nos inúmeros casos de pessoas que demoram meses para encontrar recolocação, o que força uma mudança brusca de padrão de vida, geralmente acompanhada de mais dívidas e muitos favores financeiros.

Estes, quando conseguem a recolocação, são constantemente relembrados pelos amigos e familiares sobre o dinheiro emprestado. As cobranças criam animosidades e um clima tenso, frequentemente terminando em brigas, afastamentos e até mesmo completo rompimento. É trágico, mas real: relacionamentos destruídos.

Leitura sugerida: Como falar de dificuldades financeiras em família

Emergências financeiras: se quiser, você pode evitá-las

A esta altura você deve estar me achando um chato: “Poxa, precisava mesmo ser tão incisivo e afundar o dedo na ferida assim?”, posso ouvir você perguntando. Sim, precisava. Emergências financeiras são geralmente reflexos de nossas atitudes e decisões, e não necessariamente algo aleatório e totalmente inesperado.

O que eu quero dizer é que a maior parte das dramáticas situações financeiras vividas pode ser evitada. Como?

  • Poupando mais. Falo de guardar parte das receitas (10% pelo menos) para construir uma reserva de emergência capaz de manter o seu atual padrão de vida por um período de 10 meses a um ano. Ao ter o equivalente a dez meses de renda em um investimento acessível, de baixo risco, você garante que em uma emergência (perda de emprego, problema de saúde etc.), haverá recursos para manter a família até que todos sejam capazes de resolver a questão;
  • Conversando sobre finanças com a família de uma forma clara, honesta e constante. Eleger as finanças como uma prioridade dentro de casa é importante para que o assunto deixe de ser um tabu;
  • Associando o dinheiro a coisas boas. Em vez de apoiar-se sempre no crédito para realizar sonhos e desejos de consumo, passe a valorizar mais o esforço de poupança e investimento associado ao tempo e o sabor da conquista será ainda melhor;
  • Evitando a compra por impulso. Não dê ao seu cérebro a chance de querer algo a ponto de ignorar qualquer opinião contrária ou o que “diz” seu orçamento familiar. Faça isso deixando de comprar na primeira vez que ver ou tocar qualquer produto. Espere até o dia seguinte e, se você passar a noite em claro por não ter comprado, é porque precisa muito mesmo daquilo. Compre sem peso na consciência. Você verá que com 99,9% das coisas, seu sono será tranquilo e no dia seguinte você terá esquecido daquilo que queria. Ou seja, você não precisava mesmo tanto assim;
  • Investindo mais em você e menos em coisas. Tudo que temos está “programado” para sair de linha, em um conceito chamado de obsolescência programada, difundido principalmente pela Apple e seus produtos lançados a cada 6 meses. Traduzindo: manter-se em dia com os lançamentos de tudo custa caríssimo e é algo bastante infantil. Prefira investir na sua formação, no seu bem-estar e nas atividades que lhe trazem progresso pessoal, familiar e felicidade.

Leitura sugerida: Reserva de emergência: por que é importante ter e como montar?

Conclusão

“Quando Noé construiu a Arca, ainda não estava chovendo”Marcelo Elbaum

Emergências de qualquer natureza envolvem o inesperado, mobilizam de forma urgente a família e mudam a forma de administrar o cotidiano. As mudanças trazidas a partir de uma emergência assim podem ter caráter duradouro ou até mesmo irreversível.

A boa notícia é que emergências financeiras não precisam ser tão dramáticas nem perigosas para o futuro familiar. Eu digo não precisam porque para que isso aconteça precisamos assumir a responsabilidade de encarar o dinheiro como assunto sério que é e mudar nossa atitude em relação ao futuro.

O mais importante é começar hoje, agora, a respeitar a regra de ouro das finanças pessoais: gastar menos do que ganha. A partir dessa nova realidade, de um padrão de vida sustentável e coerente, deve-se também investir, ou seja, preocupar-se com a construção do futuro como queremos que ele seja.

Chega de esperar as coisas acontecerem e torcer para que elas não sejam tão complicadas. É hora de criar a ponte entre você e seus sonhos, e ela se chama disciplina. Emergências financeiras não combinam com disciplina. Você concorda? Deixe sua opinião no espaço de comentários. Obrigado e até a próxima.

Foto “Man asking for help”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários