Sempre que o assunto dinheiro entra em discussão, percebo que boa parte das pessoas muda a fisionomia!

Mesmo com todos os avanços em torno do tema ao longo dos últimos anos ainda é nítido que a maioria das pessoas se sente desconfortável em tratar desse assunto, seja porque considera o tema complicado demais ou mesmo por ser um assunto espinhoso e sinônimo de problemas.

Olhando com cuidado essas reações e conversando em detalhes com alguns amigos mais próximos, percebi que ainda existe um fator agravante em torno das finanças: muita gente tem medo de ganhar dinheiro e ainda acredita que ao enriquecer trará para sua vida inúmeros problemas.

Aqui no Brasil, somos culturalmente “metralhados” durante a infância e juventude com conceitos que, de certa forma, podem explicar um bocado dessa sensação constante de que dinheiro é sinônimo de problemas.

Frases como: “Pobres vão paro o céu, ricos para o inverno”, “Gente rica sempre passa por cima dos outros”, dentre outras, são perigosas e formam conceitos que são difíceis de serem mudados. E elas estão erradas!

Leitura recomendada: Que tal mudar de hábitos para enriquecer? Sim, isto é possível!

Medo de ficar rico

A questão cultural e religiosa em torno de dogmas criou o ambiente perfeito para que muita gente generalizasse e simplificasse o tema, tornando o desejo de melhorar de vida quase um crime.

Sobre comportamento e riqueza, gosto da visão do best-seller T. Harv Eker: “As pessoas ricas acreditam que se pode comer o bolo e ter o bolo. As pessoas que tem um pensamento de classe média creem que o bolo é doce demais, por isso só de deve comer um pedacinho. As pessoas de mentalidade pobre, por acreditarem que não merecem bolo, pedem uma rosquinha, se concentram no furo e se perguntam por que elas não têm nada”. O autor estará no Brasil em novembro, que tal conhecê-lo? Clique aqui para detalhes.

Desde que começamos o trabalho em torno da educação financeira, adotamos uma postura de trazer à tona uma discussão sadia em torno da riqueza, mostrando que o segredo do sucesso não é o dinheiro em si, pois ele é uma ferramenta, mas sim a forma como o administramos.

Transformando a educação financeira e a gestão consciente do dinheiro em um estilo de vida, acessível a todos (independentemente da renda), tenho convicção de que contribuímos (muito!) para criar melhores condições de vida para muitos brasileiros.

Leitura recomendada: Pense menos em quanto você ganha e mais em patrimônio (e a liberdade que ele proporciona)

A transformação do Brasil

O Brasil teve uma gigantesca transformação econômica nos últimos 20 anos: hoje temos um país melhor, mesmo que o sentimento de agravamento da crise não nos permita ter essa percepção mais clara.

Nossa economia é mais dinâmica, as pessoas podem ter acesso a diversos tipos de investimentos e muita gente conseguiu escrever seu nome na lista das pessoas de sucesso a partir do trabalho sério e honesto.

Quem viveu nos anos 80 e início da década de 90 certamente tinha muitas dúvidas quanto ao patamar que alcançamos hoje.

Mudanças tão necessárias

Ainda assim, existem inúmeros avanços a serem percorridos, a começar pelo entendimento das pessoas de que é dever pessoal gerir as finanças com inteligência para, assim, depender cada vez menos do governo.

Nosso país vive hoje uma crise de identidade única e o passo necessário para o crescimento passa pelo nosso entendimento de que é necessário abandonarmos o medo de enriquecer; para isso, precisamos entender que nos contentando apenas com projetos sociais jamais sairemos do lugar.

Um tema que muito me desperta a atenção é aposentadoria. Alguém ainda tem alguma dúvida de que o sistema em pouco tempo viverá um grande colapso? Mesmo assim, qualquer tentativa de mudança nas regras é bombardeada.

Temo que logo ali todos tenhamos que “pagar a conta” de um sistema fadado a quebrar. E “pagar a conta” tem um sentido duplo: arcar com a falta de reformas e também sofrer as consequências de não ter construído uma alternativa (investimentos próprios).

Cuidar da própria vida

Em geral, o ser humano se acostuma muito facilmente com o que vem de graça, e essa falsa sensação de que alguém (governo) está cuidando da gente é uma ameaça ao futuro de todos nós.

O perigo de viver no “coitadismo” revestido de paternalismo é que começamos a enxergar com naturalidade a ineficiência do sistema e deixamos de ter uma postura ativa para com a nossa própria vida; passamos apenas a reagir e reclamar quando já não existe muito a ser feito.

Olhe com cuidado ao seu redor e veja quantas possibilidades existem para alcançar uma vida mais rica. Veja alguns exemplos:

  • Voltar a estudar e melhorar sua qualificação;
  • Melhorar o desempenho no trabalho para buscar uma promoção;
  • Gastar melhor o dinheiro procurando promoções, valorizando o pagamento à vista e pedindo desconto;
  • Criar uma fonte de renda extra. Você pode usar seu tempo livre para dar aulas, fazer e vender doces e salgados e por aí vai;
  • Lidar com o crédito de forma mais inteligente;
  • Investir com qualidade, observando que existem excelentes investimentos que nem sempre serão indicados pelo gerente do banco.

Leitura recomendada: 4 Hábitos essenciais para gerar riqueza e atingir o sucesso desejado.

Conclusão

Pensar “fora da caixa” e observar a vida de fato como ela é precisa ser realidade para mais pessoas. Enriquecer não é um crime e lidar com consciência na hora de investir não é um fardo, mas sim uma necessidade em se tratando de Brasil e seus desafios econômicos e estruturais.

Tome para si as rédeas de sua vida! Comece criando hábitos que te façam crescer a partir de escolhas que certamente fugirão do senso comum (as expectativas dos outros só pioram suas finanças, repare). Olhar a vida de forma diferente pode ser um dos caminhos para um futuro mais rico. Obrigado e até a próxima!

Foto “Wealth”, Shutterstock.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários