Cada vez é mais comum recebermos mensagens de leitores querendo entender de uma forma clara a diferença entre dólar comercial, dólar turismo e dólar paralelo.

As razões para essa curiosidade crescem na medida em que a variação do câmbio, olhando principalmente os últimos meses, aumentam e fazem  com que muita gente que pretende viajar ou possui compromissos em dólar busquem maneiras de se proteger da variação.

Antes de tudo, vamos pelo início para que fique definitivamente claro o papel da moeda norte americana no contexto econômico mundial. Vamos lá?

Veja o que você vai aprender com este post:

  1. Moeda mundial: entenda porque o mundo funciona em Dólar
  2. Curiosidade: Você sabe por que a moeda americana se chama dólar?
  3. O que influencia a cotação do Dólar hoje?
  4. Impactos do dólar no seu dia-a-dia
  5. Qual a hora certa de comprar Dólar?
  6. Países que aceitam o dólar
  7. Dólar Comercial
  8. Dólar Turismo
  9. Dólar Paralelo
  10. Comprando e vendendo Dólar

Baixe gratuitamente: Guia de Viagens Internacionais (Saiba como viajar para o exterior gastando menos e aproveitando muito).

Moeda mundial: entenda porque o mundo funciona em Dólar

Tanto como o inglês é uma língua quase universal o dólar também se tornou a moeda referência dentro do mundo.

Nem sempre o dólar foi a principal referência de moeda no mundo, antes da moeda americana coube o papel à libra esterlina, o nome recebido pela moeda da Inglaterra.

No começo do século XX os Estados Unidos passaram a ter papel de protagonismo mundial como líderes do comércio externo ao se tornarem a maior economia do mundo.

Podemos afirmar que o dólar tornou-se referencial monetário especialmente após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando os Estados Unidos, já considerado como principal potência econômica mundial, financiaram a reconstrução da Europa e do Japão no pós guerra.

Curiosidade: Você sabe por que a moeda americana se chama dólar?

O dólar na verdade é uma adaptação recebida de uma outra moeda, uma moeda tcheca com origem no século 16 a “joachimsthaler”. Em 1519 a joachimsthaler passou a ser cunhada em minas onde hoje está situada atualmente a República Tcheca. Em pouco tempo, a moeda começou a se popularizar em toda Europa, e com isso surgiram variações do nome.

A joachimsthaler em alguns locais foi abreviada para “thaler”, depois os países nórdicos passara a chamar de “daler”. Os eslovenos a chamava de “tolar” e os britânicos dólar.

Um dado interessante é que a moeda britânica é a libra esterlina desde o ano 775. Incrível, não é mesmo?

O que influencia a cotação do Dólar hoje?

São diversos as razões que influenciam o dólar hoje. É importante salientar que desde 1.999 o Brasil adota o sistema de câmbio flutuante, isso significa dizer de forma bastante simplista, que o governo não controla de maneira sistemática o câmbio.

É claro, na pratica o Banco Central acaba intervindo no mercado comprando ou vendendo moeda para promover o equilíbrio das operações cambiais.

Em 1.994 quando foi adotado o plano Real a realidade era diferente, naquele momento, o câmbio era fixo e o governo optou por estipular a paridade entre dólar e Real, ou seja R$ 1 era o mesmo que U$S 1.

Existem muitas questões que envolvem a valorização ou não do câmbio e essas questões envolvem muitas vezes a expectativa dos investidores com eventos internos, como foram as questões envolvendo o cenário político no Brasil ou externos, como as tensões comerciais entre EUA e China.

Quando os EUA resolvem subir os juros de sua economia também acabam impactando o câmbio em esfera mundial.

Na prática, sempre que algum evento eleva o risco para os investidores é natural que eles busquem proteção comprando dólar e vendendo os ativos de outros países. Quanto maior for a procura por um determinado ativo maior será seu preço.

Impactos do dólar no seu dia-a-dia

Os impactos da variação do câmbio é muitas vezes rápida.

Atualmente muitas pessoas assinam serviços que possuem o valor determinado em dólar. Esses serviços quase sempre com aplicativos e serviços de internet já fazem parte da realidade de milhões de brasileiros.

Quem viaja ao exterior também consegue perceber a variação do câmbio quando chega a fatura do cartão de crédito, normalmente esse valor acaba excedendo (e muito) o planejamento financeiro.

É bom lembrar que os produtos importados como bacalhau e azeite sofrem com a variação do câmbio. Mas não são os únicos. Com a alta do dólar, o valor do trigo dispara. A farinha de trigo é usada na produção de pães, massas e biscoitos e o Brasil importa praticamente metade do que consome.

Em contrapartida, o dólar alto favorece as exportações. Os produtos brasileiros vendidos ao exterior ficam mais competitivos e mais baratos nos países onde estão sendo vendidos.

No vídeo abaixo, conto de uma forma ainda mais prática como você deve agir quando a cotação do dólar estiver muito alta. Acompanhe:

Qual a hora certa de comprar Dólar?

Não existe uma resposta única e fácil para definir o momento certo de compra o dólar. É claro, acompanhar os jornais e ser uma pessoa antenado com os acontecimentos da economia do Brasil e do mundo pode ajudar no planejamento de curto prazo, mas são totalmente ineficientes quando precisamos de mais tempo.

Para facilitar seu entendimento e trazer um pouco de luz sobre essa questão, resolvi gravar um vídeo compartilhando a estratégia que eu e os demais educadores financeiros costumam utilizar para comprar dólar e outras moedas.

O vídeo é curtinho, mas esclarecedor para que você possa também se beneficiar dessa estratégia. Acompanhe:

Países que aceitam o dólar

Algumas pessoas já me perguntaram se o dólar é aceito apenas nos Estados Unidos. Ao contrário do que muitos podem imaginar a resposta é não, existem sim outros países que também aceitam a famosa moeda americana. Vamos conhecê-los:

  • Ilhas Virgens Britânicas – Mesmo fazendo parte do Reino Unido, o dólar é a moeda oficial usada por lá. Ela é vizinha das Ilhas Virgens Americanas (St. Croix, St. John e St. Thomas), o que torna a região um perfeito paraíso fiscal. Artistas famosos visitam as ilhas durante o ano para desfrutar de férias luxuosas.
  • Equador – Nosso vizinho na américa do Sul têm o dólar americano como moeda oficial. As cédulas são as mesmas que usadas pelo mundo, mas o país tem suas próprias moedas de centavos de dólar, que só valem no Equador.
  • Turks e Caicos – Cerca de 200 mil turistas visitam o arquipélago todos os anos, que também é um atrativo financeiro. A revista Forbes lista Turks e Caicos entre os principais paraísos fiscais no mundo. O dólar americano é usado como moeda oficial. E para ajudar, não tem a sales tax, o imposto sobre as compras.

Outros países como Panamá, Belize e Bahamas têm a cotação do dólar equiparada à local, em outros, como Vietnã, Camboja, Nicarágua existe grande aceitação da moeda americana.

Agora que já ficou claro a origem e a importância do dólar na economia mundial, vamos voltar nossa atenção para as diferenças entre o dólar comercial, dólar turismo e o dólar paralelo.

Leia também: Dólar: como definir uma estratégia para saber se devo comprar

Dólar Comercial

De uma forma simples, este é o valor de mercado usado para transações de comércio exterior e movimentações (entrada e saída) de recursos realizadas por empresas de exportação e(ou) importação. Quando o governo realiza movimentações financeiras no exterior, a cotação usada também remete ao Dólar Comercial. Ah, e se você é um brasileiro que mora no exterior e toma empréstimos registrados no Banco Central, a conversão de moeda também passa por este modelo de precificação.

As cotações para o Dólar Comercial são registradas e disponibilizadas pelo Sisbacen. A taxa de conversão (R$ por US$) é definida segundo a demanda e a oferta da moeda no mercado. De vez em quando o Banco Central compra ou vende dólar para estabilizar ou manipular o preço da moeda. Mas essa é uma discussão calorosa que vou deixar para uma outra hora.

Dólar Turismo

Essa é a cotação usada para emissão de passagens, transações de turismo no exterior e débitos em moeda estrangeira ocorridos no cartão de crédito. Algumas pessoas chamam o Dólar Turismo de câmbio flutuante. Nossa legislação não permite a utilização de moeda como forma de poupança. Mas como não há limite para transações com o Dólar Turismo, muitas pessoas e instituições acabam usando-o para o pagamento de serviços, mesmo no Brasil. Os valores para a conversão também estão disponíveis via Sisbacen.

Dólar Paralelo

É o dólar que circula fora dos meios oficiais. Como o próprio nome diz, ele normalmente é utilizado por quem quer realizar transações ilícitas ou fora da supervisão do Banco Central. Os exemplos são vários: lavagem de dinheiro, sonegação, tráfico etc. Aqui entram em cena os famosos doleiros. Este mercado existe pois há muita gente incapacitada de operar no mercado tradicional (por problemas na justiça, falta de registro etc.) que, ainda assim, movimentam consideráveis quantias de dinheiro.

Comprando e vendendo Dólar

Tudo é muito simples. Independente do dólar que escolher, o preço a ser pago para comprá-lo do mercado será mais alto que aquele valor oferecido pelo mercado para comprá-lo de você. Confuso? Se você fosse a instituição que vende o dólar, venderia mais caro que o valor pago para comprá-lo, certo? É o spread. É assim que funciona. Então se for vender, procure as maiores taxas possíveis (venda caro). Se for comprar, procure as menores (compre barato).

Importante: Os preços de compra que você vê no Banco Central e nas cotações do Dólar Comercial são para as instituições. O valor de compra é a média paga pelos bancos e outras instituições para comprar o dólar. O preço que você e eu pagamos é o preço de venda destes quadros de cotação. Em resumo, compramos pelo preço de venda e vendemos pelo preço de compra. Você tem que olhar as tabelas de conversão como se fosse o banco.

Foto “Dollar exchange”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários