Home Economia e Política Fed está preocupado com possibilidade de cortar juros muito cedo, mostra ata da reunião de janeiro

Fed está preocupado com possibilidade de cortar juros muito cedo, mostra ata da reunião de janeiro

Dados divulgados após a última reunião do Fed mostraram crescimento do emprego e inflação mais fortes do que o esperado em janeiro

por Reuters
0 comentário
(Imagem: Reprodução/Freepik/@wirestock)

A maior parte dos membros votantes do Federal Reserve estava preocupada, na última reunião do banco central norte-americano, com os riscos de cortar a taxa básica de juros cedo demais, com ampla incerteza sobre por quanto tempo os custos dos empréstimos deveriam permanecer no patamar atual, conforme ata do encontro de 30 e 31 de janeiro.

“Os participantes destacaram a incerteza associada ao tempo que uma postura de política monetária restritiva precisaria ser mantida” para que a inflação voltasse à meta de 2% do Fed, segundo a ata.

Enquanto “a maioria dos participantes destacou os riscos de agir muito rapidamente para flexibilizar a postura da política monetária”, apenas “alguns… apontaram os riscos negativos para a economia associados à manutenção de uma postura excessivamente restritiva por muito tempo”.

Os formuladores de política monetária concordaram “de modo geral” que precisavam de “maior confiança” na queda da inflação antes de considerar a possibilidade de cortar os juros, de acordo com a ata, em uma linguagem que parecia enfatizar uma abordagem cuidadosa e talvez mais lenta para os cortes na taxa básica que os participantes do mercado agora esperam que comecem em junho.

“Alguns participantes” citaram o risco de que o progresso em relação à inflação pudesse estagnar se a economia continuasse a ter um desempenho tão forte quanto tem tido, disse a ata.

Em sua reunião de janeiro, o Fed manteve sua taxa de juros de referência “overnight” inalterada na faixa de 5,25% a 5,50%, definida em julho, e abriu a porta para cortes nos juros assim que os formuladores de política monetária “ganhassem maior confiança de que a inflação está se movendo de forma sustentável” para a meta de 2% do banco central dos Estados Unidos.

O chair do Fed, Jerome Powell, em sua coletiva de imprensa em 31 de janeiro, basicamente descartou um corte nos juros na reunião de 19 e 20 de março, e a ata sugere que não foi uma decisão particularmente difícil.

Dados divulgados após a última reunião do Fed mostraram crescimento do emprego e inflação mais fortes do que o esperado em janeiro.

Embora esses relatórios não tenham mudado a opinião geral entre os formuladores de política monetária de que a inflação continuará em queda este ano, eles não contribuíram muito para aumentar a “confiança” que as autoridades desejam antes de flexibilizar a política monetária restritiva usada para combater o pior surto de inflação desde a década de 1980.

Enquanto isso, a equipe do Fed destacou uma variedade de riscos, desde vulnerabilidades “notáveis” no sistema financeiro dos EUA, incluindo a queda dos preços dos imóveis comerciais, até a possibilidade de que “a redução da inflação possa levar mais tempo do que o esperado” Isso, por sua vez, poderia “desacelerar o ritmo da atividade real” mais do que o esperado.

A ata também mencionou as próximas decisões sobre quando e como parar de reduzir o tamanho do balanço patrimonial do Fed, com “muitos participantes” sugerindo o início de discussões “aprofundadas” sobre a política do balanço patrimonial na próxima reunião de março.

A rápida flexibilização das condições financeiras durante o quarto trimestre de 2023, depois que o Fed começou a sinalizar que os aumentos dos custos de empréstimos provavelmente haviam terminado, já havia se esgotado em grande parte quando as autoridades se reuniram no final de janeiro.

Desde então, o cenário tem sido misto: os rendimentos dos Treasuries aumentaram em mais de 0,25 ponto percentual, pondo fim, por enquanto, a uma queda nos custos de empréstimos para consumidores e empresas, mas as ações continuaram a atingir recordes.

Veja o documento abaixo:

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.