Você já deve ter percebido o surgimento de empresas que oferecem serviços inovadores e focados na área financeira. Elas são as Fintechs.

Essa expressão surgiu da união das palavras em inglês financial (finanças) e technology (tecnologia).

Num primeiro momento, podemos pensar nos bancos. Afinal, eles utilizam tecnologias muito complexas para que você possa gerenciar seu dinheiro, por exemplo, através da internet.

No entanto, as Fintechs possuem uma outra característica, que é essencial: utilizam a tecnologia para gerar conveniências de forma inovadora.

Uma Fintech não precisa, necessariamente, criar algo novo. Seu principal papel prático é utilizar novas ferramentas, novos métodos, ou ainda novos processos, que facilitem o acesso das pessoas a algum tipo de serviço financeiro.

Em outras palavras, essas empresas de tecnologia oferecem às pessoas como você e eu, algum tipo de recurso ou serviço que as instituições financeiras tradicionais ainda não disponibilizam, ou até disponibilizam, mas de maneira burocrática e complicada.

Leitura recomendada: Nossos empregos estão sendo eliminados. A culpa é da tecnologia?

Facilitando processos

Para ficar mais fácil entender o conceito por trás das Fintechs, vamos pensar num caso prático.

Até pouco tempo, para você contratar, por exemplo, um cartão de crédito, você precisava ir até a agência de algum banco. Então apresentava seus documentos, tirava cópias de alguns deles, assinava alguns formulários, e aguardava vários dias até a finalização do processo.

Hoje você pode baixar um aplicativo no seu smartphone, e em poucos minutos tirar uma foto sua (selfie), algumas outras fotos dos seus documentos, fazer uma assinatura digital com seu dedo na própria tela do celular, e pronto! Mais alguns dias e seu cartão de crédito chega em sua casa.

Percebeu? Neste exemplo não estamos falando de algo novo, mas sim de um processo menos burocrático, ou mais facilitado. Este exemplo foi baseado nos serviços oferecidos pela empresa Fintech chamada Nubank.

Ebook gratuito recomendadoInvista sem medo em títulos públicos

A era dos robôs

Outro exemplo interessante são os robôs de investimento. São empresas que criaram algoritmos complexos que controlam de forma automática os seus investimentos, baseados no seu perfil de investidor.

O próprio sistema analisa seus planos de investimento, ou até ajuda você a montar o seu plano, e então realiza para você a alocação do seu dinheiro em produtos financeiros que estejam de acordo com seu perfil e seus objetivos financeiros.

Mais uma vez, perceba que não está sendo criado algo novo. O que ocorre é o aproveitamento da tecnologia para facilitar um processo, que até então era feito de forma manual e requerendo diversas ações do investidor junto às instituições financeiras.

Este exemplo foi baseado nos serviços oferecidos pela empresa Alkanza, em parceria com a Rico.com.vc.

A importância das Fintechs para o futuro dos serviços financeiros

Essas empresas inovadoras chegaram para ficar. Elas já estão causando revolução nos serviços financeiros e prometem facilitar e agilizar bastante as relações das pessoas com o universo das finanças.

Quer saber mais sobre isso, tanto do ponto de vista do usuário dos serviços, quando de quem pretende criar sua própria Fintech?

Então convido você para assistir este bate papo do Conrado Navarro com o Leonardo Reis, que é CEO e fundador da Cedro Technologies, uma empresa provedora de soluções em tecnologia, software e consultoria. Eles vão a fundo no assunto:

(clique aqui para ver o vídeo)

Mantenha-se atualizado, e cuide bem do seu dinheiro! Um grande abraço e até a próxima!

Giovanni Coutinho
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários