Diante das últimas entrevistas concedidas, podemos afirmar que o ministro Joaquim Levy é o cara certo no momento (político) errado. Da mesma forma, o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega era o cara errado na hora certa (período de crescimento global até a crise em 2008).

Congresso versus governo

Não é novidade que o Congresso Nacional está em conflito com o governo nos últimos meses, aprovando mais gastos e menos arrecadação (medidas contra o ajuste fiscal), e isso complica ainda mais a necessidade de o país voltar a crescer. A hora é de investimentos mais conservadores e com ótimas rentabilidades, como esta LCI que paga 98% do CDI (clique para saber mais).

Medidas como o aumento de salário aos servidores do Judiciário e a atuação de forma a dificultar a aprovação das mudanças de regras para os trabalhadores e do fator previdenciário, além da atividade fraca (que reduz a receita do governo), pode significar o rebaixamento da nota do país pela agência Moodys.

O rebaixamento da nota deve trazer ainda mais instabilidade ao mercado de ações, juros e câmbio, com a possibilidade de o real continuar se desvalorizando ante o dólar, assim como tem ocorrido ao longo dos últimos dias, o que não deixa de ser uma boa notícia para os investidores que se aproveitam da volatilidade no curtíssimo prazo.

A crise não é apenas econômica

Olhando todo este cenário de forma pragmática e objetiva, certamente o que se vê é uma crise institucional, diferentemente do que tentam passar alguns políticos polpudos, no intuito de desmentir essa situação.

No entanto, no que parece um movimento paliativo, o governo promete adotar medidas como abrir capital do Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), Caixa Seguridade e BR Distribuidora, buscando arrecadar recursos “extras”. Estes movimentos não ocorrerão de forma recorrente, ou seja, serão medidas pontuais, o que certamente parece mais uma “operação tapa buraco” da época Mantega.

As decisões tomadas deixam novamente o sentimento do dever não cumprido, de não refletirem as melhores soluções de médio e longo prazo para a economia do país e aquelas que trarão a tão esperada credibilidade de volta ao cenário econômico nacional.

Onde investir e como aproveitar este momento?

Enfim, estamos diante de uma situação complexa e complicada do ponto de vista político e econômico, mas pensando no bolso, quais seriam as melhores medidas a adotar? As mais simples, é claro.

Alocar suas economias em ativos de qualidade oferecidos em nosso país para o curto prazo, como o Tesouro Selic ou LCI que pagam até 98% do CDI (veja mais aqui).

O primeiro, conforme já muito mencionado, é rentabilizado pela taxa de juros (Selic), que atualmente encontra-se a níveis elevados e ainda há a possibilidade de resgate diário, assim como ocorre na poupança, possibilitando ao investidor deixar seus recursos em ativos de risco baixo e com grande liquidez em caso de necessidade.

Já a LCI também possui rendimento atrelado a Selic e ainda oferece isenção de Imposto de Renda para pessoas físicas no período de aplicação, o que sugere um rendimento superior inclusive aos títulos do Tesouro. Aprenda mais sobre LCI e LCA clicando aqui.

Conclusão

O momento é de cautela e, pensando no seu bolso, há soluções bastante interessantes mesmo diante de um cenário tão desafiador. Basta escolher a melhor opção que se adequa a você, investidor, e seu horizonte de aplicação. O momento é de incerteza, mas você pode investir com segurança e tranquilidade. Aproveite! Até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pela Rico.com.vc, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto: Filipe Frazao / Shutterstock.com.

Roberto Indech
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários