Adriana comenta: “Navarro, sou casada e tenho um filho de 19 anos e uma filha de 16. Há alguns dias meus filhos nos questionaram sobre herança. Eu e meu marido ficamos desconcertados com o assunto, pois não estávamos preparados para falar sobre isso. Eles disseram que se eles forem ter herança, que deveríamos falar sobre isso em vida para evitar brigas entre eles no futuro. Achei a conversa estranha, e talvez tenha sido causada por algum comentário na escola, mas enfim, enrolamos e deixamos o caso para outro dia. Mas o assunto está aqui na minha cabeça. O que você pensa sobre isso? Obrigada”.

Herança, está aí um tema interessante e muito importante. A maioria das pessoas conhece (ou viveu) alguma história complicada envolvendo herança, normalmente relacionada com disputas entre os sucessores.

Também existem os casos de destruição do patrimônio herdado, muito comuns em famílias que enriquecem de forma rápida e desordenada. Embora em menor número, existem também os casos de sucesso, em que os herdeiros fazem bom uso da herança recebida, gerando ainda mais riquezas. Por que acontecem essas diferentes situações?

Falando de dinheiro

A primeira coisa a se fazer para evitar problemas futuros é implantar no lar os conceitos da educação financeira. Antes de uma pessoa ter dinheiro, ela precisa saber lidar ele, e a falta deste conhecimento é o principal motivo que leva os herdeiros a colocarem tudo a perder.

Assim, antes de falar sobre herança, é necessário aprender a gastar menos do que ganha e a investir o valor poupado.

Leitura recomendada: Tesouro Direto: Aprenda tudo sobre este investimento sem pagar nada

Como grande parte das heranças em nosso país é em forma de imóveis, também é importante que os herdeiros conheçam as vantagens e desvantagens de se possuir um imóvel e os custos envolvidos.

No caso de imóveis que não são para moradia, dever ser feito um estudo para decidir se é melhor manter um imóvel em mãos e alugá-lo, ou vendê-lo para procurar outros tipos de investimentos mais rentáveis e/ou com maior liquidez.

Leitura recomendada: Imóvel: Alugar ou Comprar, qual é a Melhor Opção?

E não se esqueça de que seus filhos não vão aprender tanto com aquilo que você fala; eles aprenderão muito mais com aquilo que você faz (ou deixa de fazer)! Então seja você o exemplo, vivendo uma vida financeira ajustada.

Falando de heranças

Há quem entenda que é fundamental deixar algum patrimônio aos filhos, e há quem não se preocupe com isso, tendo por definição que os filhos precisam construir suas vidas por conta própria. Pessoalmente, gosto dos dois conceitos, mas em momentos diferentes e acompanhados de constante participação (não confunda com intromissão ou proteção).

Em uma primeira instância, penso que os pais devem focar seus esforços em mostrar aos filhos a importância de eles serem independentes na construção de suas próprias riquezas. Infelizmente, vejo muitos pais que não se preocupam com isso.

São muitas as famílias que apenas delegam às escolas o aprendizado curricular tradicional e, ao fim de uma faculdade, esperam que seus filhos estejam preparados para trabalhar, ganhar dinheiro e escreverem suas próprias histórias.

A escola e a faculdade normalmente não ensinam coisas muito importantes para o sucesso profissional, como por exemplo, empreendedorismo, vendas, marketing pessoal, liderança e a própria educação financeira. Não se trata de falar mal, trata-se de uma crítica construtiva e bastante óbvia.

Também acho prudente que nesta fase os pais deixem claro para os filhos que não há nenhuma garantia de que eles receberão algum tipo de ajuda ou herança, pois a vida é muito incerta e reserva surpresas.

Leitura recomendada: Dinheirama Entrevista: João Cristofolini, Empreendedor, Autor e Palestrante

Uma vez que o tempo passou e seus filhos se mostraram dignos de serem recebedores do patrimônio material que você construiu ao longo da vida, então (se for o seu caso) você deve chamá-lo para uma conversa sobre o assunto, inclusive trocando ideias produtivas sobre como aumentar ainda mais o patrimônio, utilizando-o como gerador de renda.

Não tenho patrimônio, mas quero deixar uma herança material

Ainda que você não tenha um patrimônio material que possa deixar para seus filhos como herança, você poderá utilizar os seguros para isso. Neste caso, eles precisam ser do tipo “vida inteira”, pois alguns cessam quando o segurado atinge certa idade. Se você optar por eles, considere contratá-los o quanto antes, pois na medida que sua idade avança, eles ficam mais caros também.

Leitura recomendada: Dinheirama Entrevista: Marcio Martins, Especialista em Seguro de Vida

Conclusão

O dinheiro, quando bem utilizado, é um instrumento de liberdade. Portanto, construir riqueza em suas mais variadas formas trará muitos benefícios, tanto para quem a possui, como para quem está ao redor (geração de empregos, oportunidades de negócio, etc.) e também para os sucessores.

No entanto, reforço que os resultados deste relacionamento mais aberto e sadio com o dinheiro só virão se todos os envolvidos estiverem preparados (educados financeiramente) para lidar com isso.

Por fim, ainda que você não tenha nenhuma condição de deixar qualquer tipo de herança material para seus filhos, existe algo muito mais valioso que é a transmissão de valores e princípios de vida em sociedade. Com isso, eles serão cidadãos plenos e terão base sólida para construírem suas próprias histórias de sucesso!

Foto “property succession”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários