Home Comprar ou Vender Ibovespa sob ataque de Brasília: confusão fiscal conduz a cortes

Ibovespa sob ataque de Brasília: confusão fiscal conduz a cortes

A ideia é de que o Ibovespa irá continuar negociando a múltiplos baixos por mais tempo, avalia a Guide Investimentos

por Gustavo Kahil
3 min leitura

O tumulto em relação ao cenário fiscal do Brasil fez com que a Guide Investimentos reduzisse a sua expectativa para o Ibovespa em 2024 de 155 mil pontos para 140 mil.

Segundo o analista Mateus Haag, a revisão se deu em função da deterioração do cenário macroeconômico no Brasil.

“Incluindo principalmente a Selic mais alta e o aumento do endividamento e risco fiscal do país, que deve continuar afugentando investidores”, explica ele em um relatório distribuído na manhã desta quinta-feira (13).

Banner MBA BARSI

Ibovespa sob ataque

Fonte: Guide

Haag aponta que, ainda assim, revisou as projeções de lucro do Ibovespa para cima, mas com a ideia de que o índice irá continuar negociando a múltiplos baixos por mais tempo.

“Com a queda menor que o esperado da Selic e com o endividamento crescente do governo, o espaço para que o fluxo migre para o mercado de ações no curto prazo é baixo. Além disso, a queda nos juros no exterior, particularmente nos EUA, deve ocorrer bem mais tarde do que projetávamos anteriormente”, diz o analista.

Além disso, o preço das commodities no mercado internacional é outro fator que precisa ser acompanhado de perto.

Ministro da Fazenda Fernando Haddad
Ministro da Fazenda Fernando Haddad (Imagem: Flickr/ Ministério da Fazenda/ Diogo Zacarias/MF)

Confusão fiscal

O Ibovespa fechou em queda de 1,4% na quarta-feira (12), renovando mínimas no ano, em meio a ruídos envolvendo o ministro da Fazenda e receios com o cenário fiscal do país, que prevaleceram sobre a repercussão favorável a dados de inflação dos Estados Unidos.

Federal Reserve manteve os juros entre 5,25% e 5,50%, como esperado, enquanto as projeções da autoridade monetária passaram a embutir apenas um corte de 0,25 ponto percentual este ano, movimento também antecipado por muitos no mercado.

A estabilidade no índice de preços ao consumidor dos EUA em maio, divulgada às 09h30 (horário de Brasília), apoiou a abertura positiva na bolsa paulista, mas o humor azedou em meio a especulações envolvendo o ministro Fernando Haddad.

Na véspera, o Senado devolveu a MP do PIS/Cofins, editada e apresentada pela Fazenda na semana passada como alternativa para compensar a desoneração da folha de pagamento de vários setores, mas que provocou uma série de reações negativas.

Alguns colunistas publicaram que o desfecho envolvendo a MP acelerou ataques de dentro do próprio governo a Haddad, com o próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva desautorizando o ministro ao apoiar a atitude do Senado.

“O mercado brasileiro ficou mais focado nessa nova rodada de ruídos em torno do ministro da Fazenda, e isso atrapalhou bastante o desempenho (na bolsa)”, afirmou o chefe da EQI Research, Luís Moran.

“Em outras condições, a gente deveria ter ido bem.”

Banner MBA BARSI

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.