Uma das maiores preocupações das comissões de formatura costuma ser a meta de arrecadação para realizar a festa planejada. De fato, existem motivos para isso: como tradicionalmente as adesões envolvem 10 convites com direito a open bar open food em uma festa cheia de atrações e de qualidade altíssima, os custos tendem a ser elevados.

Todavia, existem formas que podem fazer com que a arrecadação seja otimizada e que os formandos possam arcar com os valores. Como explicitado no texto “Os Desafios e Soluções na arrecadação para formaturas”, no Estado de São Paulo, em média, cerca de 60% do valor da festa vem das adesões (venda de pacotes e mesas da formatura).

Por isso, o ponto essencial é a comissão de formatura realizar pesquisas com os formandos para entender as suas expectativas para o baile e o quanto eles estão dispostos a pagar, fazer um excelente planejamento financeiro e começar a vender os pacotes da formatura antecipadamente com um serviço externo de arrecadação, como o Banco de Formaturas, possibilitando que os formandos dividam o valor diversas parcelas – muitas vezes em mais de 30.

Checklist: passo a passo que a comissão de formatura deve seguir antes de iniciar a arrecadação.

Mas isso não significa que outras fontes de receita podem ser desprezadas, principalmente quando se trata de um evento de custo tão alto e em que o valor para cada aluno pode ultrapassar aquilo que muitos poderiam arcar. Tudo o que puder diminuir o valor pago pelos formandos é muito bem-vindo!

Para completar o valor da festa, aparecem outras alternativas que as comissões podem utilizar para que o valor que os estudantes tirem do bolso diminua. Alguns exemplos são as rifas, a venda de brindes e a realização de festas.

Este texto é voltado para as maneiras que as comissões de formatura têm para diminuir o valor cobrado individualmente. Ou seja, serão tratadas apenas iniciativas coletivas.

Então, quais as principais formas de se juntar dinheiro para a formatura?

Festas e eventos

Muitas turmas optam por realizar festas ao longo dos semestres e utilizar todo o lucro para financiar a formatura.

Basicamente, a ideia é realizar um evento superavitário e destinar o lucro para o financiamento do baile de formaturas em si. A ideia é boa, mas é importante checar se a festa planejada tem, de fato, bom potencial de lucro.

Sugestão: ferramenta de simulação e planejamento financeiro para comissões de formatura

Brindes

Já ouviu falar das “barraquinhas” das comissões de formatura?

Em alguns dias – como por exemplo em dia de lançamento do pacote de adesões ou de reunião da comissão com os demais formandos -, vale a pena vender itens da turma como canecas, camisetas, chaveiros e casacos. Assim, a  margem pode ser utilizada para completar o custo da festa de formatura.

Rifas

As rifas são quase unanimidade entre as turmas que se organizam para realizar uma festa de formatura.

Os formandos podem definir prêmios e vender rifas próprias de forma separada do restante da turma. Dessa forma, é possível financiar parte ou a totalidade de seu pacote para a formatura.

Mas as rifas podem ter mais de um intuito. Na maior parte dos casos, as turmas definem o valor de compra do pacote para os alunos e, além disso, estipula uma quantidade de rifas para cada um vender. No fim, o estudante terá que integralizar o valor dos papéis – tendo conseguido vendê-los ou não.

Por mais que não seja a tarefa mais prazerosa, os resultados costumam ser positivos.

Vendas (porta a porta)

Além de fazer barraquinhas na faculdade, algumas comissões de formatura também optam por realizar vendas em outros lugares.

Não é raro perceber turmas vendendo assinatura de revistas na frente de outras faculdades, por exemplo.

Outros

Há espaço livre para a criatividade: apesar de não ser tão comum, algumas turmas organizam viagens, bazares, bingos e competições. Tudo para, com o lucro obtido, utilizar na festa de comemoração do diploma universitário.

Há um rol de possibilidades para explorar.

O importante é que todos os formandos possam compartilhar desse sonho!

Henrique Soares
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários