Livre-se das dívidas: mais sobre orçamento e investimentosAcredito e defendo, com unhas e dentes, que as pessoas devem poupar e investir, bem como consumir. Pratico que o investimento deve fazer parte da vida financeira dos brasileiros como um compromisso, um item importante dentro do orçamento financeiro de nossas famílias. Você irá dizer que a grande dificuldade que existe é que a maioria da população não se encontra em situação de investir. É verdade.

Ao contrário do ideal, muitos convivem, ano após ano, com o triste hábito de correr atrás de dinheiro[bb] para quitar dívidas que foram contraídas pela má gestão do dinheiro, em decisões equivocadas. Nestes últimos anos, o aumento do crédito criou oportunidades que rapidamente se tornaram grandes problemas: de “amigo”, o crédito se tornou um grande vilão.

O resultado mostra que o brasileiro não está amadurecido o bastante para lidar com o crédito farto. Isso é ainda mais grave se levarmos em conta o alto custo que as instituições sustentam pelas linhas de financiamento. Outro ponto negativo que ficou nítido e evidente é a constatação de que as pessoas não planejam seus gastos, que acontecem por impulso e sem critério.

Misturas explosivas!
Para o consumidor que se vê endividado e sem perspectivas para o futuro, a união entre o crédito abundante e a falta de planejamento para comprar se tornou uma mistura explosiva. A dificuldade em lidar com a frustração (adiar consumo e respeitar limites) é outro componente chave para a formação de uma população de devedores que transformou o consumo sem critério em gastos sem planejamento.

Uma pesquisa divulgada pela Fecomercio apontou que o endividamento das famílias de SP atingiu o maior nível em um ano. Tendo em vista o que já comentamos, o resultado não poderia ser diferente. Triste, mas nós não desistiremos. O Dinheirama e sua missão de educar financeiramente os brasileiros permanecerão insistentes.

Tenho a consciência de que o consumo é fundamental e indispensável para a estabilidade econômica de um país, para a realização pessoal e também para a autoestima. Entretanto, após alguns anos de economia[bb] previsível e em crescimento, já é momento da população perceber que o consumo pode ser calcado no planejamento.

Crises vêm e vão…
O tempo passa e as oportunidades precisam ser aproveitadas para a construção de um futuro mais feliz e rico. A bonança que atravessa o país hoje pode não existir, ainda que em caráter temporário, daqui alguns anos. Mais cedo ou mais tarde, crises sempre acontecem e os países que hoje são sinônimos de prosperidade podem enfrentar dificuldades.

A pergunta que fica é justamente essa: se no melhor da festa você não poupou, não organizou seus gastos, não teve persistência e disciplina para criar uma reserva de emergência e investir, como você atravessará o momento em que as oportunidades forem escassas?

Ao contrário do que muitos pensam, não é tão difícil mudar a situação de devedor para investidor. Trata-se muito mais de uma mudança pessoal que, além das questões financeiras, envolve mudança de comportamento. Ora, quem não sabe que o mais importante é gastar menos do que se ganha? Por que é tão difícil colocar isso em prática?

É hora de mudar sua vida financeira!
Faça uma análise de quanto dinheiro[bb] já passou pelas suas mãos nos últimos anos e quanto dele permaneceu com você, agregando valor ao seu patrimônio. Se ficar chocado com essa reflexão, ótimo! Está endividado? Saia da sua zona de conforto e dê sua cara a tapa. Procure seu credor e estude uma forma de propor um acordo, respeitando suas possibilidades e seus compromissos (despesas) indispensáveis.

Cabe lembrar as sempre atuais dicas em relação à negociação de dívidas:

  • Procure alternativas mais baratas de crédito e, se for o caso, opte por trocar dívidas com juros maiores por outras com juros mais em conta;
  • Pechinche sempre, é seu futuro em jogo. Peça desconto sempre;
  • Use mais o dinheiro em espécie e o cartão de débito. Deixe o cartão de crédito e o talão de cheques em casa algumas vezes;
  • Comece a ler o mais sobre economia, finanças, política e outros assuntos que você costuma classificar como chatos. Informação e conhecimento nunca são demais.

Não gosto de passar fórmulas mágicas, nem é essa a intenção do artigo. Mas, nesse caso específico, a receita só pode ser simples e direta: todos querem ter sucesso nas finanças, mas para chegar lá é preciso “arrumar a casa” com muita disciplina e coragem. É preciso ser coerente, ter bom senso e aprender também a investir.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários