Hermes pergunta: “Navarro, muitos amigos meus perderam o emprego em 2015. O pior é que com o agravamento da crise, a perspectiva de retornar ao trabalho é muito negativa. Como devo me preparar financeiramente para superar momentos assim, pois percebi que isso pode acontecer com qualquer um e a qualquer hora? Obrigado”.

Ao analisar nesses últimos dias os temas mais comentados em relação à economia e o futuro do país, um dado me chamou a atenção: o desemprego. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a taxa de desempregado subiu e fechou o primeiro trimestre do ano em 7,9%. O número apresentado equivale a 7,934 milhões de pessoas, número bem expressivo.

Culturalmente, o brasileiro não costuma se preparar para o futuro, mas passa a se preocupar com ele sempre que uma crise atrapalha seus planos presentes. Ora, por que não poupar quando tudo vai bem e os ventos sopram a favor, como há pouco tempo? Ah, melhor gastar, não é mesmo?

Com a piora do cenário econômico, turbinado pela inflação alta e crédito muito mais caro, boa parte dos especialistas já imaginava e alertava para a elevação da taxa de desocupação, mas o que vem surpreendendo muita gente é a velocidade com que isso está acontecendo.

Educação financeira agora e sempre!

As crises são cíclicas e frequentes, especialmente por aqui: elas aconteceram no passado e certamente continuarão a acontecer no futuro. O que muda é a forma como as pessoas lidam com essa realidade; a educação financeira tem, ao longo do tempo, apresentado oportunidades de lidar de forma inteligente e consciente com estes momentos.

No artigo Supere a Crise Econômica com Educação Financeira, o Ricardo Pereira toca em um ponto muito importante, o padrão de vida. No atual cenário econômico, é fundamental avaliar a realidade financeira com cuidado e realizar os ajustes necessários, aproveitando o ano de 2015 para começar do básico, a reserva de emergência:

“Educação financeira é prática! Está mais do que na hora de assumirmos nossa responsabilidade e adquirirmos o hábito de formar uma reserva de emergência, de investir com zelo e inteligência para realização dos objetivos e de sermos cada vez mais responsáveis com o crédito.”

Reserva de emergência: a solução para evitar sua crise pessoal

As boas práticas da educação financeira pedem que a reserva de emergência seja uma prioridade na sua vida. Infelizmente, poucos são os brasileiros que percebem essa necessidade e a colocam em prática.

E reserva de emergência não é nada de outro mundo: estamos falando de ter uma reserva financeira capaz de sustentar seu padrão de vida por 6 a 12 meses, o que é suficiente para ajudá-lo em uma eventual recolocação profissional ou mesmo diante de um evento inesperado (doença, problema familiar etc.).

Os produtos de investimento disponíveis para isso também melhoraram muito com o passar dos anos. Se antigamente a opção número um para isso era a caderneta de poupança, hoje temos o Tesouro Direto, especialmente o título chamado “Tesouro Selic”, como excelente opção – clique aqui para fazer um curso online gratuito sobre Tesouro Direto.

Quer saber mais? A boa notícia é que hoje existe muito material de excelente qualidade, disponível através de livros e sites como o Dinheirama, capaz de ajudar você e sua família a entender e formar sua reserva de emergência. Aqui mesmo já publicamos diversos materiais muito interessantes sobre tema:

Pare de esperar pelas coisas e comece a criar suas próprias oportunidades!

Eu preciso ser honesto e direto: tudo indica que a crise econômica no Brasil irá durar mais algum tempo. O governo está tentando aprovar no Congresso uma série de medidas do seu chamado “ajuste fiscal”, o que tende a deixar a vida dos desempregados ainda mais complicada.

Sempre que deixamos o nosso futuro por conta do governo, corremos o risco de nos depararmos com situações que fogem do nosso controle. Uma das mudanças no pacote proposto diz respeito ao seguro desemprego, e é possível que no futuro outras situações tragam mais preocupações (pois é, você pensou na previdência, certo?).

Todos nós já percebemos que são necessárias reformas de toda ordem e em diversos aspectos (infraestrutura, leis trabalhistas e sistemas político, tributário e fiscal, por exemplo) e o cenário pode ficar ainda mais desafiador: o que faremos quando a nossa expectativa de vida aumentar ainda mais?

É indispensável pensar o quanto antes no futuro, cuidando com carinho de alguns detalhes, como o orçamento familiar, as decisões de consumo e, principalmente, os investimentos (a reserva de emergência, mencionada mais acima, se encaixa aqui).

Outro hábito importante é ter como modelo pessoas que já conseguiram alcançar o sucesso financeiro e se tornaram ricas e bem-sucedidas. Algum tempo atrás, gravei um vídeo especial falando das características dessas pessoas e acredito que este material será uma boa maneira de começar uma transformação positiva na sua vida, assista:

Conclusão

Desemprego alto, inflação galopante, crédito escasso e cada vez mais caro. Caramba, está complicado, hein? Pois é, infelizmente não podemos fugir dessa realidade. Estamos diante daquele momento de escolhas importantes.

Convenhamos, é hora de experimentar uma vida um tanto diferente daquela com a qual nos acostumamos nos últimos tempos; uma vida em que as decisões precisarão ser cada vez mais acompanhadas de racionalidade e senso de prioridade.

O fundamental é começar o quanto antes a valorizar o presente como ferramenta para garantir um futuro mais estável, independente do momento econômico e financeiro do país. Aposte na educação financeira e crie, hoje, um futuro à prova de crise. Isso é possível e só depende de você.

Que tal a leitura de hoje? Deixe sua opinião no espaço de comentários abaixo ou mande-me uma mensagem no Twitter – sou o @Navarro por lá. Obrigado e até a próxima. Abraços.

Foto “Happy businessman”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários