Home Economia e Política Motoboys pressionam por melhor acordo com empresas de aplicativo 

Motoboys pressionam por melhor acordo com empresas de aplicativo 

Na tarde de hoje¬†ocorrem¬†as √ļltimas reuni√Ķes do grupo que debate a regulamenta√ß√£o das atividades de presta√ß√£o de servi√ßos por meio de plataformas digitais

por Agência Brasil
0 coment√°rio

Motoboys e moto entregadores fizeram, nesta ter√ßa-feira (12), mobiliza√ß√£o em frente ao Minist√©rio do Trabalho e Emprego (MTE), em Bras√≠lia, pedindo que as empresas de aplicativos ofere√ßam remunera√ß√£o m√≠nima decente e condi√ß√Ķes dignas de trabalho, com diretrizes de sa√ļde e seguran√ßa, para seus trabalhadores.

Os entregadores protestaram contra a demora na regula√ß√£o do servi√ßo e argumentam que a renda caiu 53,60% depois da populariza√ß√£o dos aplicativos, de R$ 22,90 em 2013 para R$ 10,55 em 2023. 

Na tarde de hoje, ocorrem as √ļltimas reuni√Ķes do grupo de trabalho (GT) institu√≠do em maio pelo governo federal para debater a regulamenta√ß√£o das atividades de presta√ß√£o de servi√ßos, transporte de bens e de pessoas por meio de plataformas digitais. Ao fim do dia, o minist√©rio deve se manifestar sobre o acordado.

Reivindica√ß√Ķes

O Conselho Nacional dos Sindicatos de Motoboys e Moto entregadores, a Alian√ßa Nacional dos Motoboys e Moto entregadores e as centrais sindicais reivindicam os valores m√≠nimos de R$ 35,76 para motociclistas e R$ 29,63 para ciclistas profissionais por cada hora de trabalho logada nos aplicativos.  

J√° a proposta das empresas varia de R$ 10,20 a R$ 12 para motociclistas e de R$ 6,54 a R$ 7 para ciclistas. Elas s√£o representadas pela Associa√ß√£o Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (Amobitec) – que re√ļne as empresas Amazon, iFood, Flixbus, Uber, Z√© Delivery, Buser, 99 e Lalamove ‚Äď e pelo Movimento Inova√ß√£o Digital (MID) ‚Äď que re√ļne mais de 150 empresas, entre elas, Mercado Livre, GetNinjas, PayPal, Loggi, Movile, Americanas, C6 Bank, Facily, Rappi, OLX e euEntrego. 

Motociclistas de entrega e motofrete realizam ato de protesto em frente ao Ministério do Trabalho (MTE)
Trabalhadores Motociclistas de entrega e motofrete realizam ato de protesto em frente ao Ministério do Trabalho (MTE) (Imagem: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil)

‚ÄúAs empresas de aplicativos continuam fugindo de suas responsabilidades sociais, com milh√Ķes de entregadores em todo Brasil que na realidade n√£o s√£o aut√īnomos e sim trabalhadores em situa√ß√£o de precariza√ß√£o e escraviza√ß√£o‚ÄĚ, argumentou a Federa√ß√£o Brasileira dos Motociclistas Profissionais, em comunicado.

Segundo a entidade, as propostas da Amobitec e MID tamb√©m n√£o contemplam as quest√Ķes de seguran√ßa e sa√ļde dos entregadores. 

Novas paralisa√ß√Ķes

Para o dia 18 de setembro, os entregadores prometem paralisa√ß√£o em todo o pa√≠s caso n√£o haja melhora na proposta. 

A Amobitec informou que vem apresentando documentos e propostas desde o in√≠cio das discuss√Ķes, incluindo modelos de integra√ß√£o na Previd√™ncia Social e valores de ganhos m√≠nimos.

‚ÄúAs empresas associadas continuam abertas ao di√°logo e √† disposi√ß√£o das partes interessadas para criar um modelo regulat√≥rio equilibrado para o trabalho intermediado por plataformas digitais, que busque ampliar a prote√ß√£o social dos profissionais e garantir a seguran√ßa jur√≠dica da atividade‚ÄĚ, diz a entidade. 

A mesa tripartite – formada por governo, empregadores e trabalhadores – tem at√© esta ter√ßa-feira como prazo final para chegar a um consenso sobre ganhos m√≠nimos, indeniza√ß√£o pelo uso dos ve√≠culos, previd√™ncia, sa√ļde dos trabalhadores e transpar√™ncia algor√≠tmica. 

O Dinheirama √© o melhor portal de conte√ļdo para voc√™ que precisa aprender finan√ßas, mas nunca teve facilidade com os n√ļmeros.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informa√ß√£o e atesta a apura√ß√£o de todo o conte√ļdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que n√£o faz qualquer tipo de recomenda√ß√£o de investimento, n√£o se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.