Quantas vezes nos sentimos mal em um trabalho porque a impressão é que havia pessoas querendo puxar constantemente os nossos tapetes? Quantas vezes sentimos que fizemos algo legal, mas não recebemos sequer um elogio como reconhecimento? E quantas vezes nós mesmos deixamos de elogiar por certo receio de o outro aparecer mais que nós? Tudo bem, somos humanos, certamente já aconteceu em algum momento! Mas também nunca é tarde para refletir sobre o assunto e mudar de atitude, não é mesmo? Estamos aqui para isso, um passo por vez e sempre adiante!

Pois bem, recentemente vi em alguma rede social uma mensagem que acabou dando título a este artigo. Ela dizia algo assim: “Iluminar a luz do outro não apagará a sua luz”. E não é que é verdade? Aliás, eu diria que é exatamente o contrário: quando ilumino o outro, quando incentivo, quando doo energias positivas e faço toda a roda funcionar em uma energia de abundância e não de falta, todo o resto flui melhor. Já experimentou?

Aproveite para ler também: Ajude muitas pessoas, mas jamais espere gratidão

Sim, estamos interligados

Você pode perceber como tudo que acontece é um bate e volta nesta vida. Inclusive com relação a finanças! Volta e meia não dizemos o quanto é importante alimentar a doação? O compartilhamento? A energia de fazer o dinheiro rodar e se multiplicar, e não a avareza e o egoísmo? Imagine o que aconteceria se todo mundo passasse a guardar dinheiro debaixo do colchão por medo de gastá-lo? Se ninguém mais resolvesse doar suas roupas antigas por medo de que faltasse dinheiro para comprar outras? Se as pessoas parassem de elogiar umas às outras, de incentivar? É preciso manter a roda girando queridos amigos!

E tudo isso deve começar dentro de nossas próprias casas. Eu arriscaria dizer que adultos seguros certamente receberam uma certa dose de incentivo desde cedo. Os que têm medo de elogiar e fazem da crítica e da inveja algo rotineiro no fundo talvez precisassem de um empurrãozinho para seguir em frente olhando para as próprias qualidades!

Vou dizer uma coisa: as pessoas mais generosas que conheço, aquelas que não têm medo de incentivar e de iluminar o outro, são também as que mais conseguem retornos positivos em seus caminhos. É claro que todo mundo prefere estar ao lado de pessoas assim do que daquelas que morrem de medo de apagar a luz própria ao auxiliar o outro. É por isso que estas pessoas sempre estão envoltas a bons contatos, estão sempre recebendo convites para novas oportunidades, estão sempre muito seguras de suas escolhas, e estão sempre sendo colocadas em boa conta, ainda que não façam isso propositalmente.

Aproveite para ler também: Seus hábitos (e não seu dinheiro) fazem de você uma pessoa rica

O que você teme?

Nestes cerca de 20 anos de carreira, já tive muitas experiências em empresas e também já tive muitos chefes e clientes. Já trabalhei com pessoas que me deram grandes oportunidades mesmo quando eu começava e mal sabia direito o que era Bolsa de Valores. E tive outros que, mesmo sabendo o quanto eu poderia fazer, preferiam que eu continuasse apagada no meu canto. Neste casos, não consegui lidar muito bem e preferi sair do canto e das empresas, afinal, temos que reconhecer o que há de bom em nós ainda que os outros não reconheçam. Esse é outro aprendizado para colocarmos em prática, ok?

É importante também que saibamos reconhecer qual a raiz de nossos medos. Neste tempo de carreira, complementando um pouco o que citei anteriormente, cheguei à conclusão de que as pessoas que mais te sabotam, não reconhecem as suas qualidades ou não te dão espaço, são também as mais inseguras, já percebeu isso? Isso vale para chefes especialmente. Os melhores chefes, com boa liderança e grande auto-estima, são exatamente os que escolhem bons profissionais para trabalharem junto a si, os que dão oportunidade, os que não têm medo de acender a luz do outro.

E o contrário? Certamente você já viu aqueles casos em que pessoas com pouquíssima experiência ou com pouquíssimo conhecimento recebem tarefas de liderança e só conseguem agir com medo, boicotando os outros no lugar de aproveitar o conhecimento deles para uma causa maior. Puxa, é muito comum! E desgastante quando se trata de ambiente corporativo, você concorda?

Aproveite para ler também: Por que ser gentil e valorizar as pessoas faz você crescer e enriquecer?

Vamos fazer diferente?

Vou propor uma mudança de atitude a partir de agora. Isso vale para você, para mim e para todos nós. Que tal começarmos a olhar a luz do outro sem tanto medo de sermos ofuscadas por ela, mas ao contrário? Aproveitando-a para aumentar a nossa própria luz?

Se há algo que admiramos, no lugar de reprovar ou temer, que possamos aprender e aproveitar em nossas vidas. E se pudermos compartilhar ou doar, sejam bens materiais, experiências ou conhecimento, por que não fazer? O pouco que fazemos certamente nos abre caminho para uma série de coisas melhores adiante, acredite!

Eu aproveito para agradecer por você estar lendo este artigo e me permitindo refletir sobre algo assim, que normalmente passa despercebido no dia a dia, mas pode fazer toda a diferença em nossas vidas. Então vamos juntos e certamente adiante você terá muito a contar e experimentar, colhendo no futuro os frutos que começou a plantar hoje. Está pronto?

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários