Home Empresas Petrobras avança com estudos para 10 GW de eólica offshore, diz Tolmasquim

Petrobras avança com estudos para 10 GW de eólica offshore, diz Tolmasquim

Segundo Tolmasquim, os quatro projetos estão avançando no processo de governança interna da Petrobras em preparativo para o futuro certame de áreas que viabilizará a instalação dos parques no mar

por Reuters
0 comentário

A Petrobras (PETR3PETR4) selecionou quatro projetos de eólicas offshore, somando 10 gigawatts (GW) de potência, para avançar internamente e se preparar para um futuro leilão de cessão de áreas no mar, disse o diretor executivo de Transição Energética e Sustentabilidade da companhia, Mauricio Tolmasquim.

Segundo Tolmasquim, os quatro projetos estão avançando no processo de governança interna da Petrobras em preparativo para o futuro certame de áreas que viabilizará a instalação dos parques no mar.

Dos projetos selecionados pela Petrobras, dois são no Nordeste, um no Sudeste e outro no Sul, afirmou o executivo durante evento do setor nesta terça-feira.

À Reuters, ele detalhou que os empreendimentos que estão avançando internamente somam um terço da carteira de 30 GW anunciada pela companhia no ano passado e incluem o projeto Aracatu, em estudo junto da Equinor.

“Estamos justamente preparando e passando pelas etapas de governança da Petrobras para, quando tiver o leilão, ganharmos um tempo interno… Queremos já começar uma tramitação”, explicou.

Segundo ele, a expectativa é de que os primeiros parques offshore possam entrar em operação em 2028 ou 2029, a depender da realização do leilão.

O Ministério de Minas e Energia vem trabalhando nos critérios que serão colocados para a seleção dos empreendedores no primeiro leilão de áreas para instalação de eólicas no mar.

O certame ainda não tem data para ocorrer, pois depende antes da aprovação de um marco legal para a fonte, tema que está pendente no Congresso.

(Imagem: Reprodução/@ onlyyouqj)
(Imagem: Reprodução/@ onlyyouqj)

Tolmasquim se disse “otimista” com a aprovação do marco e avaliou que o projeto aprovado pela Câmara dos Deputados no fim do ano está adequado quanto às regras que são necessárias para desenvolver a nova tecnologia no país.

Ele criticou, no entanto, os “jabutis” temas sem relação direta incluídos no projeto de lei das eólicas offshore, avaliando que são esses pontos que têm impedido a aprovação do texto.

A Petrobras, assim como outras petroleiras, busca ampliar seu portfólio com geração de energia renovável, como parte dos compromissos associados à transição energética.

Enquanto aguarda o marco legal, Tolmasquim disse que a companhia vem desenvolvendo projetos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) para instalação de dois aerogeradores no mar, um no Nordeste e outro no Sudeste, para ganhar experiência no setor.

“Ainda não está definido o tamanho (dos aerogeradores), mas a ideia é pegar entre os maiores disponíveis no mercado, que o fabricante queira trazer para o Brasil”, disse, lembrando que as máquinas para geração offshore têm potências superiores a 16 MW cada, muito superiores às produzidas nacionalmente para geração em terra.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.