O que “Poesia” tem a ver com “Economia”? “Esse cara está louco?”, você deve estar se perguntando. De fato, culturalmente estamos acostumados a separar essas duas áreas em polos do conhecimento que se situam em posições opostas.

Comumente, o termo “Poesia” estaria ligado ao campo da Estética (envolvendo literatura, ficção, fantasia, sentimento etc.) e “Economia”, por sua vez, diria respeito à Lógica (dinheiro, organizações, capitalismo, tempo de trabalho, lucro etc.).

Assim, pode surgir o seguinte pensamento: “Poesia? Essa coisa de gente doida! Ficar fazendo versos, rimas, combinando ritmos, imagens. Ser poeta é só falar e não fazer. Nada a ver com o dia a dia do empreendedor”.

Leitura recomendada: Empreendedor não é só quem tem a ideia, mas também quem acredita

Por outro lado, se você for um aficionado das Letras, talvez raciocine da seguinte forma: “Poesia não tem a ver com Economia, Empreendedorismo e essas coisas do Mercado! Poesia é Arte, não tem objetivo algum para além de si mesma, serve para ser contemplada, nunca pode ser diminuída a esse campo mesquinho do Capitalismo, que nos força a doar nosso tempo de vida em troca de umas notas que, no fundo, não valem nada”.

Ao aceitar uma separação radical entre essas expressões e áreas do conhecimento, você, aparentemente, chega à seguinte conclusão: empreender é um exercício que tem muito mais a ver com Economia do que com Poesia. Não é mesmo?

Não. Não é. Mesmo. Vou explicar.

Poesia versus Economia

Uma rápida pesquisa através do Google nos mostra as seguintes definições:

POESIA: Substantivo feminino; arte de compor ou escrever versos; composição em versos (livres e/ou providos de rima), geralmente com associações harmoniosas de palavras, ritmos e imagens; composição poética de pequena extensão; arte dos versos característica de um poeta, de um povo, de uma época; poder criativo; inspiração; o que desperta emoção, enlevo, sentimento de beleza, apreciação estética. Significado etimológico da palavra: criação; obra poética.

ECONOMIA: Substantivo feminino; controle ou moderação das despesas; poupança; ciência que estuda os fenômenos relacionados com a obtenção e a utilização dos recursos materiais necessários ao bem-estar; conjunto de disciplinas constituintes do curso de nível superior que forma economistas; ciências econômicas; ausência de desperdícios ou excessos; comedimento no consumo, no uso ou na realização de algo; modo como se distribuem e se coordenam os diversos elementos de um todo; organização, estrutura. Significado etimológico da palavra: administração de uma casa; organização.

Sintetizando as definições acima, percebemos que Poesia é sinônimo de “criação” e Economia de “organização”.

Embora haja uma diferenciação entre Poesia e Economia, enquanto conceitos – e poderíamos citar filósofos conhecidos, como Platão, Aristóteles, Kant etc., e pensadores modernos para confirmar isso –, quero mostrar que, na prática, Poesia e Economia se complementam e, na verdade, são dois lados de uma mesma moeda a favor do empreendedor.

Empreender = Poesia x Economia

Em linhas gerais, a dinâmica de um negócio, isto é, seu “ciclo de vida”, diz respeito a três fases básicas:

  1. Surgimento da Empresa (geralmente, os 2 primeiros anos);
  2. Manutenção da Empresa (de 2 anos em diante);
  3. Renovação (ou Destruição) da Empresa (a qualquer momento).

Apesar de sermos didáticos, ao dividir a “vida” de uma empresa em fases, sabemos que esses três momentos, no dia a dia do empreendedor, não se separam claramente.

Leitura recomendada: 4 competências essenciais que formam o algoritmo do empreendedor

Ao mesmo tempo em que ele vai criar uma empresa, ele está mantendo algumas práticas que o fizeram chegar até ali. Além disso, dependendo de sua área de atuação, a renovação é constante, sendo a “abertura” e “fechamento” de negócios uma necessidade repetitiva, frequente.

Vejamos alguns dados, para contextualizar a discussão. Segundo o Sebrae, em boletim de agosto de 2015, 75,6% das microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP) brasileiras sobrevivem aos difíceis primeiros anos de vida. Os analistas dizem que esse progresso se deve aos seguintes fatores:

  1. Ampliação do mercado interno, ao lado do fortalecimento econômico da classe média brasileira, que passou a demandar bens e serviços em maior quantidade e mais diversificados, sendo esses, em grande parte, oriundos de ME e EPP;
  2. Políticas públicas retratadas nos programas do Supersimples e de MEI (Microempreendedor Individual);
  3. Melhoria do nível de educação global e de qualificação técnico-profissional do microempreendedor brasileiro, atualmente, gerando melhor visão crítica e estratégica e maior grau de capacitação para conduzir o projeto ou negócio que pretende ou passa a empreender.

Em A, temos a “Poesia”, como fator predominante: criação de bens diversificados, ampliação do mercado, geração de novas demandas; em B, temos a “Economia”: maior organização dos setores e das políticas públicas, e, por fim, em C, vemos uma conjunção entre “Poesia” e “Economia”, enquanto melhoria na educação e qualificação profissional do empreendedor, o qual deve aprender novas dinâmicas e manter certos hábitos que favoreçam o seu crescimento.

Em resumo, o que faz com que uma empresa se mantenha “saudável” no mercado, pode ser entendido pela seguinte fórmula:

Empreender = Poesia x Economia

“Poesia vezes Economia é igual a Empreender”. Esta é uma operação de multiplicação.

Isso porque sem “Poesia” (criação, inovação), o mercado não cresce; a diversificação de bens e serviços tende a estagnar – a “Economia” (organização, conservação) do que existe, sozinha, não é capaz de suprir as necessidades das pessoas.

Além disso, sem “Economia”, uma produção exagerada, sem controle e análise dos bens e serviços existentes, tende ao fracasso. “Zerando” a “Poesia” ou a “Economia” do negócio, não é possível empreender, a empresa tende à destruição.

Um exemplo de “Poesia” atual é o que vem ocorrendo com o mercado editorial. Apesar de muitos falarem em “recessão” e diminuição de leitura por parte dos jovens, que, teoricamente, interessam-se muito mais por aplicativos, jogos e práticas de entretenimento multimídia do que por livros (analógicos), o consumo de eBooks e a leitura (inclusive de poesias) em redes sociais, online, via smartphones e dispositivos eletrônicos, cresce absurdamente.

No jornalismo, por exemplo, embora o formato “papel” esteja, de fato, perdendo espaço, a necessidade de informação não tem fim. É preciso, pois, repensar a lógica da produção da notícia (ver discussão sobre isso aqui).

Leitura recomendada: 7 comportamentos dos empreendedores de sucesso

Conclusão

Apesar de produzir textos, considerados poemas (alguns me chamam de “Poeta”), e ser professor de Língua Portuguesa (Literatura e Redação, principalmente), sempre tive interesse por Economia, seja pela necessidade de manutenção e criação de alguns hábitos para meu equilíbrio pessoal, seja porque admiro a capacidade de pessoas que empreendem e são capazes de apontar caminhos para ajudar no crescimento do próximo e da sociedade em geral.

Por isso, para mim, nunca houve separação entre “Economia” e “Poesia”. Até fiz um poema sobre isso, há algum tempo, quando estava começando meus estudos na área da Educação Financeira:

POÉTICA DE MERCADO

Quanto maior o risco,
Maior o lucro, dizem uns.
Cansei de riscar e arriscar poemas!
Nada mais ganhei do que dívidas
E dúvidas: com o português e as letras e as coisas…
Meu lastro poético continua esteticamente inútil.

Quem dera se uma letra minha se tornasse
De crédito: imobiliário ou agrícola!
Ah, se minhas palavras valessem como ações
E estivessem sempre em alta,
Prontas para a melhor venda!

Quanta sorte eu teria se minhas frases
Fossem títulos públicos de um tesouro direto
Ou um certificado de depósito bancário ou interbancário!

O problema é que minha poesia não rende, fixa-se
E me afundo nos fundos das ações que ficam imóveis.
Resta-me, talvez, apostar nos debêntures dos antigos poetas
E nos derivativos dos que estão por vir.

Se o passado não garante o futuro,
Quem é o futuro para garantir um passo dado?
É preciso, pois, fazer alquimia:
Transformar ouro em um padrão
Que tenha como lastro a Poesia.

Portanto, empreender continua sendo um desafio no Brasil e todo empreendedor deve melhorar sua “caligrafia de mercado”, isto é, sua maneira de “fazer a diferença”, com muita Poesia, a fim de prosperar em sua Economia diária. Até a próxima.

Renato Bressan
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários