Home Finanças Pessoais Preciso ter reserva de emergência para meu negócio?

Preciso ter reserva de emergência para meu negócio?

A reserva dá à empresa a capacidade de tomar decisões estratégicas em tempos de crise

por Blog do Serasa
3 min leitura

Sim, é fundamental que as empresas tenham uma reserva de emergência, assim como as pessoas físicas.

Responda: caso haja uma queda repentina nas vendas e, por isso, sua empresa esteja em dificuldades para pagar os salários dos funcionários, existe uma reserva de emergência pronta para ser usada?

Ou será necessário recorrer a empréstimos com taxas de juros que aumentarão o valor final da dívida?

Apenas com essa resposta conseguimos ter uma noção da importância de ter um fundo de emergência para momentos de crise e até para momentos de oportunidades inesperadas.

Por isso, confira neste artigo como construir a reserva do seu negócio, como calcular o valor e a importância de ter esse fundo. 

O que é reserva de emergência da empresa

A reserva de emergência da empresa é um fundo financeiro destinado a cobrir despesas inesperadas e emergências que possam surgir no dia a dia operacional da empresa, como:

imprevistos financeiros;

quedas repentinas nas vendas;

inadimplência de clientes;

aumento inesperado dos custos operacionais;

reparos urgentes em equipamentos. 

Reserva de emergência é o mesmo que capital de giro?

Não é diferente de capital de giro, mas os dois são importantes para a saúde financeira de um negócio.

É um fundo separado destinado especificamente para cobrir despesas imprevistas e emergenciais. Esse fundo serve como um colchão financeiro para momentos de crise, como queda repentina nas receitas, problemas operacionais inesperados ou eventos econômicos adversos.

O capital de giro refere-se a recursos financeiros necessários para as operações diárias da empresa. Ele é, portanto, essencial para manter a empresa funcionando. 

Ele inclui, por exemplo, o dinheiro disponível para cobrir despesas de curto prazo, como pagamento de fornecedores, salários, impostos e outras contas operacionais. 

Confira na tabela abaixo as principais diferenças entre capital de giro e reserva de emergência:

A importância da reserva de emergência para a empresa

Proteção contra imprevistos

A reserva de emergência garante que a empresa possa lidar com despesas inesperadas, como reparos urgentes ou crises econômicas, sem comprometer as operações diárias.

Continuidade das operações

A reserva mantém a empresa funcionando sem interrupções, mesmo durante períodos difíceis, assegurando a continuidade e a confiabilidade para clientes e fornecedores.

Evita empréstimos caros

A reserva de emergência elimina a necessidade de contrair empréstimos caros em momentos de crise, preservando a saúde financeira a longo prazo.

Estabilidade financeira

O fundo de emergência da empresa proporciona um colchão contra flutuações de receita, garantindo a estabilidade financeira da empresa em setores voláteis.

Confiança de investidores e credores

Ter uma reserva de emergência demonstra uma gestão financeira prudente, aumentando a confiança de investidores, credores e outras partes interessadas.

Flexibilidade em decisões estratégicas

A reserva dá à empresa a capacidade de tomar decisões estratégicas em tempos de crise, como aproveitamento de oportunidades de mercado.

Preservação do capital de giro

A reserva de emergência evita que a empresa precise usar o capital de giro para emergências, mantendo esses recursos disponíveis para as operações diárias e a eficiência operacional.

Qual deve ser o valor da reserva de emergência em meu negócio?

O valor da reserva de emergência da empresa deve ser calculado de acordo com o período em que o montante cobrirá as despesas operacionais.

Recomenda-se que a reserva seja suficiente para cobrir de 6 a 12 meses de despesas fixas – ou seja, os custos para manter a empresa funcionando.

Exemplos: se as despesas mensais para manter a empresa funcionando são de R$10.000, basta multiplicar o valor pela quantidade de meses que deseja que a reserva cubra essas despesas.

Nesse caso,

6 meses de reserva de emergência: R$10.000 x 6 = R$60.000.

8 meses de reserva de emergência: R$10.000 x 8 = R$80.000.

10 meses de reserva de emergência: R$10.000 x 10 = R$100.000.

12 meses de reserva de emergência: R$10.000 x 12 = R$120.000.

Dicas para construir a reserva de emergência da empresa

Dependendo do porte da empresa, pode ser um desafio construir a reserva de emergência. Por isso, a construção desse fundo precisa fazer parte das estratégias financeiras da empresa.

Confira dicas:

Analise as finanças da empresa: Avalie detalhadamente as despesas mensais, identificando custos fixos como aluguel, salários e serviços públicos, além de variáveis. Com base nessa análise, calcule o valor ideal da reserva.

Estabeleça metas realistas: Defina metas mensais para a construção da reserva, determinando um valor fixo ou uma porcentagem do lucro que será destinada à reserva de emergência. Comece com um valor viável e aumente gradualmente conforme a situação financeira da empresa melhora.

Automatize a poupança: Configure transferências automáticas mensais para uma conta separada destinada exclusivamente à reserva de emergência. 

Utilize contas ou investimentos de alta liquidez e baixo risco para assegurar que os fundos estejam acessíveis quando necessários.

Reduza despesas e aumente as receitas: Revise seu orçamento e corte custos desnecessários ou supérfluos, negociando com fornecedores para obter melhores condições. Explore novas fontes de receita, como lançamento de novos produtos, expansão de mercado ou aumento de preços, para melhorar a margem de lucro.

Reinvista lucros: Aloque uma parte dos lucros mensais ou trimestrais diretamente para a reserva de emergência. Considere reduzir temporariamente a distribuição de dividendos para reforçar a reserva.

Mantenha a disciplina financeira: Use a reserva de emergência apenas para situações verdadeiramente emergenciais e evite o uso para cobrir despesas operacionais regulares ou investimentos. Revise regularmente a reserva para assegurar que o valor continua adequado e ajuste conforme necessário.

Planejamento financeiro e orçamentário: Inclua a construção e manutenção da reserva de emergência no seu planejamento financeiro de longo prazo.

Adote um orçamento conservador que permita destinar fundos à reserva sem comprometer outras áreas cruciais do negócio.

Monitoramento contínuo: Monitore o desempenho financeiro da empresa regularmente para identificar oportunidades de reforçar a reserva. Faça ajustes no plano de construção da reserva conforme as circunstâncias da empresa mudam.

Contingência e flexibilidade: Desenvolva planos de contingência para diferentes tipos de crises e certifique-se de que a reserva de emergência faz parte desses planos.

Mantenha flexibilidade para ajustar rapidamente a estratégia de poupança em resposta a mudanças no ambiente de negócios.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.