Qual o limite do necessário? Como equilibrar necessidade e supérfluos?Um tema ronda meus pensamentos há algum tempo: o supérfluo, o necessário, nossos limites e limitações. Qual o limite do necessário? Você já deu uma volta em sua casa, analisando armários e gavetas? Você percebeu quantas roupas estão (bem) guardadas e que há tempos você não usa? Quanta coisa comprou por impulso e que agora está ali, somente ocupando espaço em seu armário?

Pois é isso mesmo! Todos nós acumulamos muita coisa sem a menor necessidade ou sem a menor noção de que fazemos isso. Por que será que gostamos tanto de acumular objetos, roupas e quinquilharias? Será que é apego? Desleixo? Falta de noção? Desconhecimento? Cada um tem uma opinião, o certo é que o supérfluo incomoda ou incomodará em algum momento.

Por definição, supérfluo é o que é demais, demasiado, excedente, desnecessário, ocioso, inútil ou aquilo que excede o necessário, coisas dispensáveis. Já o necessário é aquilo que não se pode dispensar, é imprescindível à vida.

Como tratamos esses conceitos dentro do nosso cotidiano? Será que estamos nos endividando por conta de compras majoritariamente supérfluas? Será que acabamos nos endividando com o que é necessário depois de exagerar no que é supérfluo? O certo é que a felicidade e a paz não dependem do volume de coisas que acumulamos durante nossa vida – muitas vezes acabamos esquecendo isso.

Acho interessante trazer essa reflexão para que prestemos atenção em nossas “necessidades artificiais”. Acredito que a razão coloca cada coisa em seu lugar. O conhecimento de nossas necessidades reais nos mostra o limite entre o necessário e o uso consciente de nosso dinheiro. A cada dia, empresas e agências brilhantemente criam necessidades, mas cabe a nós, consumidores, a decisão de compra.

É claro que o limite do necessário varia de pessoa para pessoa, assim como o conceito de sucesso e riqueza. Perceba que a proposta aqui é a autoavaliação, dentro da sua realidade, para que, a partir da identificação dos seus supérfluos, você possa melhorar seu financeiro e sua qualidade de vida.

Que tal um 5S pessoal para começar a pensar no assunto? Quantas vezes empregamos nosso tempo e energia em conversas supérfluas, e-mails supérfluos, relacionamentos supérfluos e assim por diante… Preste atenção e tente analisar com mais cuidado e atenção seus hábitos e comportamentos.

Como pode ver, esse artigo é carregado de questionamentos. Pela maiêutica somos conduzidos às nossas questões e possíveis soluções. E, como dizia o Marquês de Maricá no século XVIII, “sabei dispensar o supérfluo e não vos faltará o necessário”.

Pensem no tema! Um abraço e até o próximo artigo!

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários