Renegociação de dívidas: Trocar dívida cara por dívida barataO ano de 2012 fechou com a menor taxa de juros já vista no país, segundo números apurados pela Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade). A taxa média de juros ao consumidor praticada no mercado ficou em 5,44% em dezembro. O número é o menor da série histórica da associação, que iniciou esse tipo de pesquisa em 1995.

Isso é o mesmo que dizer que, ao ano, os juros cobrados pelo mercado ficaram em 88,8%. A conta da Anefac considera as taxas praticadas no comércio, no cheque especial, no cartão de crédito, em empréstimos pessoais e de CDC (Crédito Direto ao Consumidor) para financiamento de automóveis.

Se a média do mercado é um número bastante positivo, que confirma as ações do governo para diminuir a taxa básica de juros Selic (hoje em 7,25% ao ano), a realidade ainda é de taxas altas para o consumidor. A Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) mostrou que bancos e financeiras cobram quase 500% de CET (Custo Efetivo Total) anual em empréstimos pessoais. Isso representa uma taxa de 16% ao mês de CET.

O que esses números mostram? Que as taxas só vão baixar de verdade se os consumidores ficarem atentos aos contratos assinados e que os bancos e financeiras só vão praticar efetivamente taxas menores se forem cobrados pelos seus clientes. É aí que entra o motivo deste artigo: como trocar uma dívida cara por uma dívida barata?

Quanto custa?

O primeiro passo é saber exatamente quanto custa o dinheiro. Em termos bastante simples, a taxa de juros é o valor que o banco cobra para conceder crédito. E como saber se a taxa é cara? A tabela abaixo, cuja fonte é a Anefac, serve como um parâmetro para verificar as principais modalidades:

dinheirama_tabela_juros_pessoa_fisica

Pelo que se vê na tabela, a taxa mais alta é a do cartão de crédito. Segundo a Anefac, essa é a menor taxa cobrada no rotativo do cartão desde o começo da pesquisa, em 1995. E apesar disso, essa modalidade continua sendo a mais cara desde então – e a mais perigosa caso seja usada sem planejamento.

A taxa alta é inversamente proporcional à facilidade de obtenção do crédito – para usá-lo, basta passar o cartão e digitar a senha. Os 192,94% da taxa anual significam que, se a dívida do rotativo rolar por um ano, ela vai praticamente triplicar.

Na mesma comparação, o crédito de financiamento de veículos é a linha de crédito mais barata. Isso ocorre principalmente porque, em caso de inadimplência, o banco tem como retomar o veículo para minimizar seu prejuízo (ele tem garantia). Em seguida, aparece o empréstimo pessoal oferecido por bancos, que conta como “garantia” de pagamento das parcelas o débito automático da conta corrente do cliente (o que também justifica taxas de juros menores).

E mesmo que a taxa apurada pela Anefac para os empréstimos pessoais pareça baixa, um levantamento da Proteste, feito em janeiro, mostrou que a taxa real varia de cliente para cliente. A associação de defesa do consumidor simulou um empréstimo em bancos e financeiras em três situações diferentes:

  • R$ 2.000 em 12 vezes;
  • R$ 6.000 em 12 vezes;
  • R$ 6.000 em 24 vezes.

O resultado? Em 12 meses, a taxa mínima de empréstimo pessoal é a vista no empréstimo de R$ 6.000 em 24 vezes feita no Itaú: 49,12% ao ano, ou 3,38% ao mês. Repare que o número está acima do visto na pesquisa da Anefac (com dados de dezembro, há que se ressaltar, frente à pesquisa da Proteste feita em janeiro), isso porque ela mede as taxas médias e a Proteste, o custo efetivo total de um empréstimo (o que ainda inclui encargos, seguros e outras tarifas).

dinheirama_tabela_juros_credito_pessoal

Como trocar a dívida?

Negociar é o segundo passo para trocar uma dívida cara por uma barata. Se a dívida é no cartão, olhe bem a fatura em busca do CET. Lá é possível verificar a taxa de juros cobrada. Se for o caso de uso do cheque especial, vale olhar o extrato detalhado da conta corrente para achar a taxa de juros cobrada por usar o limite.

Esse texto do Dinheirama traz lições interessantes sobre como tratar o cartão e o cheque especial (clique para ler). Tendo renda comprovada, é possível fazer um empréstimo consignado e usar o dinheiro para quitar toda a dívida do cheque especial ou do cartão.

Em outras palavras, é mais vantajoso pedir um empréstimo pessoal para pagar uma dívida do que entrar no cheque especial. Em números, troca-se uma taxa de juros de 7,82% ao mês por uma de 2,93% ao mês. No consignado, as taxas podem ser ainda menores do que as do empréstimo pessoal. Verifique na empresa onde trabalha se há essa opção de crédito com desconto em folha de pagamento.

O mesmo ocorre com o cartão de crédito: no lugar de pagar somente o mínimo do cartão (o que rola a dívida no rotativo, que tem a taxa mais cara do mercado, de 9,37%), é preferível fazer um crediário e pagar a conta mensalmente, com taxa de 4,06% ao mês.

Quem compra por impulso está mais sujeito a esse tipo de problema com juros altos – e é justamente o consumidor que mais precisa de controle para conseguir trocar as dívidas caras por baratas. Números de janeiro da Fecomercio-SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo) mostram que não só o número de paulistanos endividados aumentou neste início de ano como eles também continuam se endividando com as modalidades mais caras de crédito.

O total de famílias endividadas passou de 1,65 milhão em dezembro para 1,75 milhão. Um ano atrás, esse número era de 1,52 milhão. Segundo a Fecomercio-SP, esse movimento de mais dívidas no começo do ano é comum, graças tanto às compras do Natal quanto ao período de pagamento de contas como IPVA, IPTU e material escolar.

O estudo, que leva em conta dados da PEIC (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor), mostra que o cartão de crédito é o motivo das dívidas para 68,2% das famílias, seguido por carnês (17,2%), financiamento de carro (12,3%), crédito pessoal (8,6%), cheque especial (6,8%), financiamento de casa (5,6%) e outros (6,8%).

Em outras palavras, 7 em cada 10 pessoas está com dívidas nas duas modalidades mais caras de crédito existentes no mercado: cartão e cheque especial.

A Fecomercio-SP atribui esses números, principalmente, ao consumo das famílias com renda de até dez salários mínimos. As parcelas de renda mais baixa dependem do crédito para manter o padrão de consumo – ou seja, usam o cartão e o limite da conta como complementos do salário.

Ao eliminar a dívida do especial ou do cartão, suspenda o uso. Peça para o gerente do banco acabar com o limite da conta e deixe o cartão de lado da renegociação em diante. Para sair do buraco, é preciso parar de cavar. Para sair de uma dívida, é preciso parar de aumentá-la.

Espero que o artigo possa ajudá-lo. Até a próxima.

Foto de freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários