Primeiro gostaria de falar de algo que vem muito antes de decidir ou não pela compra de um seguro de vida. Um dos itens fundamentais para a excelência e a saúde financeira de uma família chama-se planejamento.

Planejar é viver

Quando observamos o significado da palavra “planejamento”, temos a seguinte definição: “Planejamento significa criar um plano para aperfeiçoar e facilitar o alcance de um determinado objetivo. É algo essencial na tomada de decisões e execução”.

Um indivíduo que utiliza na sua vida o planejamento como uma ferramenta, demonstra um interesse em prever e organizar ações e processos que vão acontecer no futuro, aumentando a sua racionalidade e eficácia.

Ter um bom planejamento é o segredo para o sucesso nas finanças e na administração de sonhos e projetos de vida. Em tempos de crise é comum lembrarmos com mais ênfase do planejamento, mas ele é importante em todas as etapas da vida (e prova sua relevância quando uma crise aparece).

Seguro de vida é essencial

Retomando o tema central deste texto, o seguro de vida é uma ferramenta essencial para uma parte do planejamento financeiro familiar. Por que uma parte? Porque não adianta ser conscientizado sobre a sua relevância se a organização financeira da casa estiver um verdadeiro caos.

Exemplifico isso com um questionamento: Por que as pessoas, quando passam por um “aperto” financeiro, costumam cancelar o seguro de vida como uma das primeiras formas de economizar? Agir assim faz sentido?

Será que elas não entenderam a importância do seguro? Será que o profissional não foi capaz de demonstrar tudo isso no momento da venda ou do acompanhamento?

Na verdade, a questão aqui não é entender o valor do seguro ou ter uma boa consultoria, mas colocar em prática o verdadeiro planejamento financeiro, que não envolve apenas uma apólice de seguro, mas todo um projeto de vida.

Em uma entrevista recente comigo, aqui mesmo no Dinheirama, tratamos dos detalhes que envolvem a contratação de um seguro (clique aqui para ler e entender melhor).

Tome decisões inteligentes

O que eu aconselho é: antes de investir ou comprar qualquer coisa, conheça o seu “eu financeiro”, que nada mais é do que conhecer a fundo a sua vida financeira e saber qual o seu verdadeiro padrão de vida.

Como posso investir em algo se nem sei o valor real das minhas receitas e despesas? Será que esse investimento vai sobreviver quando minha situação apertar? Antes de qualquer coisa, faça um planejamento financeiro e veja realmente o que você precisa e pode fazer naquele momento.

Fazer um seguro de vida é importante, mas ele deve ser planejado e não feito apenas com o emocional. Hoje, o seguro é uma das ferramentas mais utilizadas para proteger a família de imprevistos com a vida e com a saúde, e só isso já é razão fundamental para ele constar em seus planos de vida.

Conclusão

Como toda decisão importante, a aquisição e manutenção de um seguro deve ser avaliada e inserida no planejamento. Ah, claro que o seguro não será a única solução para dar segurança à sua vida financeira, afinal de contas investir em produtos financeiros, previdência complementar e outras alternativas também é importante.

Leitura recomendada: Seguro de vida: um ato de amor e humildade em família

Se você não sabe por onde começar, que tipo de seguro comprar ou onde investir, procure sempre um especialista que seja capaz de orientá-lo de maneira imparcial, que consiga mapear toda a sua vida financeira sem se preocupar exclusivamente com a venda de um produto específico.

Foto “Life insurance”, Shutterstock.

Marcio Martins
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários