Home Empresas UAW amplia greve na GM após acordo para encerrar paralisação na Stellantis

UAW amplia greve na GM após acordo para encerrar paralisação na Stellantis

A expansão da greve de sete semanas deixa a GM como a única montadora de Detroit sem acordo contratual.

por Reuters
0 comentário

O sindicato United Auto Workers ampliou no sábado sua greve contra a General Motors, incluindo a fábrica de motores da companhia em Spring Hill, Tennessee, uma mudança que pode paralisar a grande produção de picapes da GM e aumentar seus problemas financeiros.

A expansão da greve de sete semanas deixa a GM como a única montadora de Detroit sem acordo contratual. A Stellantis, proprietário da Chrysler chegou a acordo com o UAW no sábado e a Ford, na quarta-feira.

Esses acordos renderam aos trabalhadores um salto recorde de 25% nos salários ao longo do contrato de quatro anos e meio e permitiram que as empresas reiniciassem as suas lucrativas linhas de montagem de picapes.

Na GM, pessoas familiarizadas com a negociação disseram que os pontos críticos nas negociações do UAW incluem benefícios de aposentadoria e questões relacionadas aos trabalhadores temporários.

A GM tem mais aposentados do que a Ford ou a Stellantis e os aumentos dos benefícios de pensões para os trabalhadores contratados antes de 2007 custaram mais à GM do que aos seus rivais.

“Estamos desapontados com a recusa desnecessária e irresponsável da GM em chegar a um acordo justo”, disse o presidente do UAW, Shawn Fain, em comunicado à Reuters.

A GM disse em comunicado que duas de suas grandes fábricas de picapes poderiam ser afetadas pela paralisação de Spring Hill e que queria chegar a um acordo rapidamente.

O UAW já está em greve na fábrica de montagem da GM em Arlington, Texas, que produz o Chevy Tahoe, o Suburban e o Cadillac Escalade. A GM disse no início desta semana que essa greve estava custando 400 milhões de dólares por semana.

A fábrica de Spring Hill, que emprega 4.000 trabalhadores, fornece motores para nove montadoras que constroem vários dos veículos mais vendidos e mais lucrativos da montadora.

O advogado do UAW, Benjamin Dictor, disse em um post nas redes sociais: “Imagine, todo mundo está fabricando picapes, menos você. Se todo mundo pudesse fazer isso, o que isso diz sobre você?”

Stellantis

O acordo com a Stellantis segue um modelo definido pelo UAW e pela Ford. Os acordos equivalerão a aumentos salariais totais de mais de 33%. Os contratos começarão com um aumento inicial de 11%.

“Estamos ansiosos para receber nossos 43.000 funcionários de volta ao trabalho e retomar as operações”, disse Stellantis no sábado.

Os acordos com a Ford e a Stellantis terão de ser ratificados por todos os trabalhadores.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse em um comunicado que o “contrato da Stellantis é uma prova do poder dos sindicatos e da negociação coletiva para construir empregos fortes para a classe média”.

O acordo inclui um compromisso para reabrir a fábrica de montagem da Stellantis em Belvidere, Illinois, que agora construirá picapes de médio porte, disse Fain em um vídeo nas redes sociais. As picapes poderão competir com os modelos Ranger da Ford e Chevrolet Colorado e GMC Canyon da GM.

A Stellantis também concordou em construir uma fábrica de baterias próxima à fábrica de Belvidere, disse o UAW.

O governador de Illinois, Jay Pritzker, classificou o acordo como uma “grande vitória para Illinois” e disse que o Estado oferecerá incentivos para ajudar a compensar os custos da montadora.

A Stellantis também manterá abertas duas instalações que estavam sob ameaça de fechamento – um complexo de fabricação de motores em Trenton, Michigan, e uma operação de usinagem em Toledo, Ohio, disse Boyer.

(Imagem: Reprodução/@UAW)
(Imagem: Reprodução/@UAW)

Ao todo, a montadora comprometeu 19 bilhões de dólares em novos investimentos em operações nos EUA e na criação de 5.000 empregos, onde anteriormente planejava cortar 5.000 empregos, disseram Fain e Boyer.

O UAW conquistou o direito de greve nas decisões de investimento em produtos, disse Fain.

Aumento dos Custos

Fain acusou as montadoras de Detroit de enriquecerem executivos e investidores enquanto negligenciam os trabalhadores e disse que o sucesso do UAW ajudaria os operários de todo o país.

As empresas argumentaram que as exigências do UAW aumentariam significativamente os custos e as colocariam em desvantagem em relação à líder de veículos elétricos Tesla. e marcas estrangeiras como Toyota Motor , que não são sindicalizados.

A Ford espera que o novo contrato acrescente entre 850 e 900 dólares em custos de mão de obra por veículo. A Tesla já tinha uma vantagem no custo trabalhista de cerca de 20 dólares por hora, disseram analistas.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.