Boa AposentadoriaRenato comenta: “Navarro, quero parabenizá-lo pelo site e dizer que fico cada vez mais impressionado com a facilidade com que escreve. Recentemente li que alguns de seus leitores o chamaram de avarento. Quantos anos será que eles têm? Imagino que eles não devem estar precisando de grana e não devem ter mais que 50 ou 60 anos. Em suma, eles não precisam poupar porque alguém poupa por eles. Então que tal falar um pouco mais sobre a necessidade dessa atitude pensando na velhice? Afinal de contas você também vai ficar velho não é mesmo? Como se prepara”?

Renato, fiquei muito feliz ao receber sua mensagem. Meu esforço para escrever de forma simples e objetiva é gloriosamente recompensado por essa fantástica troca de experiências e perceber que cada artigo tem seu valor me deixa muito orgulhoso. Você tem toda razão, eu vou ficar velho. Mas velho é uma palavra meio estranha para definir pessoas com tanta vivência e sabedoria. Pior que o estigma da sociedade (preconceito em alguns casos) é ter que enfrentar essa linda fase sem dinheiro, não é mesmo?

Não pensar no futuro é fácil…
Os jovens costumam viver vidas intensas e cheias de emoção. Eles fundamentam suas decisões nas emoções e por vezes “trocam” sua vida pela simples aparência e por caros bens materiais, escondendo-se atrás de uma superficialidade frágil e monótona. E fazem isso porque é conveniente e agradável. Por eles, há quem se preocupe com o cardápio do almoço, com a cama arrumada e com as contas por vencer. Planejar pra quê? O futuro, nesse caso, os faz pensar apenas no próximo final de semana.

Pensar no futuro é fácil…
Não parece óbvio que quanto mais cedo você começar a se preocupar com a aposentadoria, menor será o esforço que terá de fazer para manter o seu padrão de vida? Por incrível que pareça, para uma boa parcela da população, não! O argumento que mais ouço é ridículo e infantil. “Não quero e nem posso levar meu dinheiro para o caixão”. Nem eu. Portanto, você deve planejar bem sua aposentadoria de forma a garantir que tenha tudo o que precisar até seu último dia de vida. Sem essa de não saber até quando vai viver, estou falando de coisa séria.

Chegando lá…
Uma situação comum mostra como algumas pessoas lidam de forma errada com esse raciocínio todo. Algumas pessoas rolam dívidas por muito tempo, pagam juros altos por isso e ao mesmo tempo mantém aportes mensais em um plano de previdência. Ah, e reclamam quando são contestadas. Isso é sinônimo de uma aposentadoria bem planejada? Será que eles acham que a dívida vai simplesmente desaparecer?

Conclusão 1: Sua vida de hoje precisa estar em ordem (leia-se em dia) ou sua de vida de amanhã não estará. Usar sua aposentadoria para pagar suas contas de anos atrás é perfeitamente evitável;
Conclusão 2: Começar cedo significa ter a chance de separar e investir aportes mensais menores. Ao longo dos anos o colchão financeiro para a aposentadoria vai tomando forma. Isso facilita no orçamento e permite maior planejamento;
Conclusão 3: Ficar velho é o destino de todos nós. Mas ficar velho e sem dinheiro, não!

Eu estou me preparando. Você está?
As opiniões são sempre complementares e(ou) divergentes e, convenhamos, essa é a graça. Assim sendo, já sei que alguns de vocês não concordam com a idéia de poupar e preocupar-se tanto com a velhice. Isso não me incomoda. O fato é que a velhice traz consigo premissas importantes sobre saúde física e emocional: todos sabemos que é nessa hora que costumam aparecer doenças e problemas mais complicados.

O coração fica mais fraco, o pulmão se recusa a trabalhar como deveria e os músculos ficam preguiçosos. Não é neura nem urucubaca, é a vida. Seu bolso não precisa seguir esse mesmo destino e pode continuar lhe trazendo qualidade de vida. Quem aqui não pensa em passar um bom tempo da aposentadoria viajando? Quanto será que isso vai custar?

Por enquanto o custo é de atitude, mas é vital não confundir o agora com o “só agora”. Palavras bonitas e filosofia de vida não colocam comida no prato, não pagam o aluguel ou a internação em um hospital. São facilitadores importantíssimos para o merecido padrão de vida, concordo. Só que sem esforço, determinação e planejamento, soam como meras desculpas evasivas. Quem não aprende a desprender-se da hipocrisia no presente, arrepende-se dessa decisão no futuro. Pois é, você vai ficar velho.

Quer conhecer mais sobre os tipos de planos de previdência disponíveis no Brasil? Acesse o artigo sobre VGBL ou sobre PGBL.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários